E agora?

Mário Machaqueiro
Há várias coisas que me apetece dizer face aos resultados eleitorais. A primeira destina-se à ideia de que o PS de António Costa é um dos grandes vencedores com esta vitória do situacionismo do centrão. Especialmente numa altura em que anda a cavalgar as sondagens que, a serem fidedignas, mostram como os portugueses se estão nas tintas para os escândalos políticos associados ao governo – a inacreditável fraude na selecção do procurador europeu que, pelos vistos, nem um sobrolho levanta à grande maioria dos nossos conterrâneos – como lhes é também indiferente a forma desastrosa na gestão que o primeiro-ministro está a fazer da pandemia, indiferença que, em grande medida, explica o facto de a abstenção ter sido inferior ao esperado (eu diria, ao lógico: mas a realidade social não se compadece com a lógica). O centrão, portanto, reinstalou-se e foi até buscar votos ao eleitorado da esquerda mais “radical”, pois sabe-se que muitos eleitores do BE saíram de casa para pôr uma cruzinha no Marcelo. Nada disto, porém, propicia grandes extrapolações para futuras legislativas e até mesmo para o relacionamento futuro do presidente com o governo de Costa. Acho que não tive alucinações auditivas quando percebi umas advertências sibilinas que Marcelo foi insinuando, aqui e ali, no seu discurso de vitória – aliás, excelente – e que deixam no ar a ideia de que ele talvez se prepare para não facilitar a vida do governo relativamente à errância, ao desleixo e à casmurrice obtusa nas medidas contra a pandemia. A sua insistência neste tema, a estratégia (brilhante) de ter iniciado e terminado o discurso colocando a tónica neste assunto, podem antecipar uma actuação mais determinada (ou menos mole ou menos pactuante) em relação àquele que é, realmente, o único assunto que agora nos deve mobilizar em primeira instância. A alternativa é termos, no tempo que separa até às eleições legislativas, a mesma marmelada pastosa, em matéria de relações institucionais, que temos conhecido ao longo destes meses. Hipótese que, claro, não será de excluir. Não sabemos, pois, que problemas ou entraves Costa terá pela frente no seu relacionamento com Marcelo, sobretudo se estivermos cientes de que o “presidente dos afectos” é, por detrás da máscara do homem das selfies, um tipo florentino e sinuoso, cuja agenda nem sempre é politicamente clara.

[Read more…]

Presidenciais 2021 – Prémio Falta de Noção: os discursos

Carlos César, Rui Rio, Chicão.

Qual o vencedor do prémio “Falta de Noção: os discursos”?

Confesso que titubeei, mas o meu voto vai para Rui Rio. Um homem que é líder de um partido aos cacos, cada vez mais refém da extrema-direita, e que, segundo o próprio, não está nada preocupado com o Chega. Como se não bastasse, o importante, para o líder do PPD sem SD, é que a direita “esmagou a esquerda”. Sim, Rui, aquela direita que votou em Marcelo Rebelo de Sousa apoiado pelo Partido Socialista em força. Ganha o prémio “Falta de Noção: os discursos” destas Presidenciais 2021.  Em suma, para Rui Rio, um voto no Chega é um voto no PSD. E pensar que o Chega nasceu ainda dentro do PSD…bons filhos à casa tornam, dizem. Como o Rio nunca soube o que quis dizer “cordão sanitário”, actualmente acha por bem não puxar o autoclismo para poupar água. Mas, no fundo, o que é um leve cheiro a cocó quando comparado com as valências da extrema-direita? Nada que o nariz não aguente, não é Rui?

No entanto, menção honrosa para Carlos César, o Drácula do PS: quase ninguém dá por ele, ou tampouco o conhece, mas o homem já deve ser uma reencarnação, anda cá há tanto tempo sem envelhecer que deve ser feito de cera. Conseguiu transformar a ínfima vitória de Ana Gomes sobre André Ventura numa vitória do PS. No fundo, para Carlos César, o PS faz linha no Bingo: o candidato que apoiou venceu, mesmo sendo de direita, a candidata que é do PS mas que odeia o PS ficou em segundo e o Carlos César continua a ser um lacaio putrefacto que gravita à volta de tudo o que lhe convém. Boa, Carlos! Com este apoio a Marcelo garantiu, certamente, emprego às próximas gerações da sua família. Não dorme em serviço, este açor.

Quanto ao Chicão, fica num modesto terceiro lugar da lista. Ouvi-o dizer que o CDS sai vitorioso por ter apoiado o Presidente re-eleito, e pareceu-me que enquanto o dizia outra meia dúzia de militantes foram filiar-se no Chega. Para além disso, não gosto de políticos que fazem olhinhos de menino da lágrima e afinam a voz para parecer que estão indignados. O Chicão é aquele tipo de pessoa que tirou 5 valores no teste, mas que diz que esse resultado o enche de orgulho porque passou a cábula da pergunta 3.2 ao Vítor, que tirou 14. O CDS ainda existe?

Dito isto, parabéns Rui Rio. A caminhar a passos largos para infectar de vez o PPD sem SD. E isto no meio de uma pandemia, é um excelente dois em um para os sedentos de poder.

Já o nosso Primeiro-Ministro, esse grande socialista e esquerdista, que ontem aproveitou para dormir o dia todo (depois de votar em Marcelo, claro), talvez acorde, um dia, em sobressalto. É que sempre ouvi dizer que nunca se deve dormir à sombra da bandalheira…da bananeira, desculpem.

                  Ilustração de Carlos Sêco

Notas sobre as Presidenciais 1: António Costa, o grande vencedor da noite eleitoral

António Costa é, na minha opinião, e a par de Marcelo, o grande vencedor da noite eleitoral.

Porquê?

Pelos motivos que se seguem:

  1. Escolheu o candidato vencedor, antes mesmo do partido desse candidato, ou do próprio anunciar a (expectável) recandidatura, e anunciou-o publicamente, lançando Marcelo na corrida, a um metro de distância dele, sem lhe dar hipótese de fuga. Com isto colou-se à popularidade do presidente, garantiu a cohabitação pacífica para o mandato seguinte, quando a tentação de afastamento, pela impossibilidade de reeleição, poderia ser maior, garantiu a sua – não do PS – vitória nas presidenciais e poupou uns milhares ao seu partido, em falência técnica há vários anos. [Read more…]