Steve Kerr, a voz da indignação contra o terrorismo da NRA

Nos EUA, alegadamente a maior democracia do mundo, os massacres continuam. Só em escolas e universidades, contam-se já 39, só em 2022.

A grande maioria dos conservadores americanos, assim como a extrema-direita e toda a alt-right, que mais do que defender a livre circulação de armas, se recusam a aprovar o procedimento de background check, tem o sangue das crianças de Uvalde nas mãos. São os ayatollahs do terrorismo transformado num dos negócios mais rentáveis da maior economia do mundo. E as contribuições que recebem da NRA valem mais do que a vida das crianças assassinadas em mais um atentado em solo americano. As campanhas eleitorais e as troll farms não se vão pagar sozinhas.

Comments

  1. Joana Quelhas says:

    Proibiam as armas e a situação melhora logo.
    Vejam só , bastava copiar o que se fez no Brasil , Venezuela Colômbia e tantos outros.
    Após as proibições o crime acabou ! Foi não foi ?
    O caso que mais nos diz respeito que é o Brasil com 40000 a 50000 assassinatos por ano com pouco mais de 200M de hab. é um caso bem esclarecedor dos resultados da proibição do porte de arma. Comparado com os EUA que com mais de 300M hab. tem uma média de 6000/ano. E ainda por cima com a política criminosa de fronteiras abertas à entrada de qualquer um pela fronteira sul, por onde entram toneladas de criminosos sem qq controlo.
    No Brasil bastou uma ligeira liberalização da obtenção da licença de porte de arma nos últimos 3 anos que o crime baixou cerca de 20%.
    Mas factos não interessam face vontade endémica do comuna de querer proibir…

    Joana Quelhas

    • João Mendes says:

      Adoro deixar-te assim, nervoso, meu querido transformista digital. Só não percebo porque é que um facho como tu usa um pseudónimo de mulher. Mas nada contra. Divirito-me imenso com a tua existência carente, sempre aos guinchinhos a pedir atenção, a lançar provocações infantis na ânsia de conseguires uma discussão. É uma existência triste – eu pelo menos não queria viver numa troll farm – Mas eu divirto-me imenso contigo, filhote. Nunca acabes, meu pequeno peido Hitleriano 😘

    • João Mendes says:

      E sim, já todos imaginávamos que eras favorável ao fuzilamento de crianças em nome do vosso projecto fascista. Nothing new there!

    • POIS! says:

      Pois a Quwelasss…

      Revela neste comentário uma acentuada dissonância cognitiva.

      Que só pode ser resolvida com uma terapia: era a de a Quewellasss ajeitar o lombo para apanhar com uns balásios. Nessa altura é que ficávamos a saber que a postura libertaloide se mantinha assim tão “limpinha”.

      Quem conheça a Juanna que atue em conformidade!

    • Paulo Marques says:

      Curioso, ainda no outro dia congratulavam-se pela morte de 50 pessoas.

    • Paulo Marques says:

      E, ó Joaninha que diz cenas, as armas de defesa servem para quê se a polícia não só se acobarda, mas impede as pessoas de irem proteger as crianças?


    • Nõa se trata de proibir as armas mas, tão só a sua regulação.
      Parece-me aceitável verificar os antecedentes de alguém que quer comprar uma AR-15.
      P.S. Não percebo népia de armas.


  2. Devo ser comuna, porque não percebo como alguém (como este jovem assassino) possa comprar, legalmente, duas semi-automáticas AR-15 no próprio dia em que faz 18 anos. Em especial num estado, como o Texas, em que é proibido consumir bebidas alcoólicas com menos de 21 anos. Enfim, as vítimas têm a consolação de terem sido abatidas por armas legais e por um homicida sóbrio.

  3. Joana QUelhas says:

    Olha-me este comuna !
    Apenas penso que alguém deve confrontar os manipuladores.
    Discutir com um comuna ? Nem pensar.
    Discutir com um comuna é uma das tarefas mais difíceis deste mundo.
    As razões do interveniente inteligente e culto são compreensíveis e transparentes. Mostram-se no seu próprio conteúdo , porque foram pensadas por ele mesmo. As do comuna quase sempre ignorante sendo desconhecidas dele próprio vem de uma atmosfera social difusa, são sempre obscuras associações de ideias, automatismos de linguagem e mil e um pressupostos mal consciencializados.
    Desmonta-los é como analisar um sonho , tem que se mergulhar no seu inconsciente para descobrir de onde ele os motivos para acreditar naquilo q afirma.

    Joana Quelhas

    • Ernesto says:

      Estás uma poeta do caralho!

    • João L Maio says:

      Tu vês fantasmas, só pode.

      • João Mendes says:

        É meskalina. Ninguém alucina assim sem droga. Ainda por cima a Quelhas, um gajo que assina com nome de gaja e tem vários perfis para comentar no Aventar. A coisa é obcecada por nós, vive aqui a masturbar-se mentalmente. É sad mas eu até lhe acho alguma piada, confesso.

    • Paulo Marques says:

      Prefere as alucinações de grupo ditadas por gente série e sem qualquer tipo de interesses.

  4. Anonimo says:

    Steve Kerr tem uma história de vida que o habilita a falar sobre esta questão. Não é um teórico.
    Mas desenganem-se os que acham que o culto da arma é fruto exclusivo do lobby da NRA, existe uma real cultura da arma nos EUA (que não são NY e LA, ao contrário do que se pensa por cá), e há muito “democrata de esquerda” que defende o livre uso das armas. Nem pelo medo ou direito à auto-defesa, mas consideram um direito inalienável.

    • Paulo Marques says:

      É verdade, mas entre o direito à posse e os direitos de qualquer um comprar o que quiser quando quiser como quiser vai uma grande distância; de resto, plasmada nas sondagens de opinião. Aí não há dúvidas, o capital manda muito. E os cultos que se auto-propagam…

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.