Feliz Dia do Trabalhador (dia do colaborador para os neo-liberais)

Fotografia: Sérgio Valente

O 1.º de Maio de 1974 na Avenida dos Aliados, na cidade do Porto.

Comments

  1. Carlos Almeida says:

    Se as bases militares do Salazarismo caíram no 25 de Abril de 74, as poucas bases populares que tinha, caíram no dia 1 de maio de 1974

    • Amora Bruegas says:

      Imagem da carneirada deslumbrada com as (falsas) promessas…, que puseram os trabalhadores na miséria com as falências das empresas e a viver de euro-esmolas, como no tempo do reviralho republicano…, ou não fossem os actuais políticos os herdeiros do reviralho de antanho.

      • Carlos Almeida says:

        “ou não fossem os actuais políticos os herdeiros do reviralho de antanho.”
        Ou não fossem os actuais direitolas, os herdeiros do Estado Novo. Salazarento.
        Que falta de imaginação !

      • Paulo Marques says:

        Não sabia que no reviralho se garantia rendas às multinacionais para destruir a competitiva das empresas nacionais a engolir, para ser pago em esmolas para tapar buracos e em portas giratórias douradas, mas deve ser falha minha de história.

  2. Paulo Marques says:

    O Maio pediu-lhes permissão para publicar a fotografia?

  3. francis says:

    Em alguns sectores do privado já começa a ser Dia do Escravo……


  4. Burro que sou, não distingo socialistas que despedem malta na TV ou pelo telefone, cortam-lhe os acessos, barram-lhe a entrada no escritório e ficam-lhes com o computador, e os “neo-liberais” a quem digo que não podem (nem devem) fazer isso. Só mesmo, o facto de os meus clientes não poderem mandar o SIS ir buscar o telemóvel, o portátil e as chaves do carro a casa dos ex-trabalhadores.

    • Paulo Marques says:

      Não faz mal, também não distingo. Fiquei foi com a ideia que o computador era do empregador com segredos de estado, esse instrumento de costas largas contra a transparência.


      • Na véspera do adjunto ser despedido, o computador não tinha “segredos de estado”? E, até ser despedido, o adjunto não levava o computador para casa? É que, se não era para o levar para casa, para quê é que o adjunto tinha um portátil? (até porque, segundo o ministro, ele não tirava notas nas reuniões em que o representava). “Vamuláver”, mesmo para aldrabar, exige-se um esforço mínimo.

        • Luís Lavoura says:

          Na véspera do adjunto ser despedido, o computador não tinha “segredos de estado”? E, até ser despedido, o adjunto não levava o computador para casa? É que, se não era para o levar para casa, para quê é que o adjunto tinha um portátil?

          Excelentes perguntas.

        • Paulo Marques says:

          Não faço ideia. Há vários níveis de classificações, e os portáteis podem ser bem encriptados à décadas.
          O interessante era se é e porque é segredo, mas isso nunca se vai discutir.

  5. Portista says:
  6. estevesayres says:

    “o dia 1º de Maio foi instituído universalmente como o Dia dos Trabalhadores, assinalando a bravura, a coragem e heroicidade dos operários norte-americanos de Chicago que, no dia 1 de Maio de 1886, deram a sua vida pela jornada das 8 horas diárias (eram forçados a trabalhar 13), baleados uns e mais tarde executados outros pelos esbirros que agora, ao serviço dos capitalistas e imperialistas ianques, continuam a assassinar não apenas os operários americanos, como a massacrar os povos por eles oprimidos.”

    Meu Maio

    A todos

    Que saíram às ruas
    De corpo-máquina cansado,
    A todos
    Que imploram feriado
    Às costas que a terra extenua –
    Primeiro de Maio!
    Meu mundo, em primaveras,
    Derrete a neve com sol gaio.
    Sou operário –
    Este é o meu maio!
    Sou camponês – Este é o meu mês.
    Sou ferro –
    Eis o maio que eu quero!
    Sou terra –
    O maio é minha era!
    Vladimir Maiakovski

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.