Zeus

Às vezes encontrava-o no restaurante, ele vendia a «Cais» e quase ninguém a comprava, mas o pior nem era isso, era o ar de nojo com que lhe diziam que não, não fosse a sua presença ao lado da mesa contaminar a batata assada e a costela mendinha, diziam-lhe que não com um gesto enfastiado da mão mas não olhavam para ele, e ele agradecia e afastava-se devagar, com aquele corpo lento e cerimonioso, mas havia uma tensão nos seus lábios, rápida, logo afastada, que denunciava uma violência que ele tinha de conter a cada instante, uma luta nunca vencida.

Depois deixou de ter a «Cais», não sei que aconteceu, porque apareceu com uma revista gratuita, uma publicação dos lojistas de uma rua qualquer, e eu disse que não precisava da revista, que o ajudava na mesma, mas foi um gesto indigno, o meu, e arrependi-me logo porque ele insistiu em dar-me a revista. Aceitei-a, ele agradeceu de novo com aquela vénia solene que eu já lhe conhecia, mas desta vez demorou mais tempo a erguer a cabeça, vi-o sonolento, pesado, ferido e percebi que o grande deus caído em desgraça estava cansado da sua penitência. [Read more…]

Pão de Todos para Todos

E começou já ontem, dia 6, na Praça da Figueira em Lisboa, a 10ª edição desta iniciativa da CAIS que, através da distribuição gratuita de diversos tipos de pão e bebidas quentinhas, pretende chamar a atenção para a importância da partilha.
Até às 20 horas do dia 8, aproveitem e passem por lá. Podem assistir a espectáculos e workshops interessantes.
Na próxima semana, é a vez do Porto «fermentar esta partilha» logo a partir do dia 12 e até ao dia 15, sempre das 14 às 20 horas. Na Praça dos Poveiros, também com workshops e espectáculos.
Apareçam, mais uma vez, estarei por lá. programa pao

Pão de todos para todos

pão de todos
A CAIS, que há muitos anos é para mim um exemplo de solidariedade e à qual me orgulho agora de pertencer como voluntária no núcleo do Porto, organiza pela terceira vez no Porto a iniciativa Pão de Todos para Todos. Nunca antes participei em nenhuma destas iniciativas. Pretendo fazê-lo desta vez. Tenho, agora, mais motivos: mostrar às minhas filhas que se pode ajudar os outros sem roubar nada da sua dignidade e mostrar aos meus alunos e todo o pessoal da instituição o profundo respeito que tenho pelo trabalho de todos eles.
No Porto, durará entre os dias 6 e 9 deste mês. Sempre entre as 14 e as 20 horas. No Campo Mártires da Pátria, junto ao Jardim da Cordoaria.
Em Lisboa, a 9ª edição decorre uma semana mais tarde, entre 13 e 16 de Dezembro, seguindo o mesmo horário, na Praça Martim Moniz.
Em ambas as cidades haverá uma padaria a fabricar pão, animação de rua com alguns nomes conhecidos, distribuição de pão e certamente muito para reflectirmos.
Convido todos a vir partilhar um pãozinho. E se me virem por lá, façam o favor de me cumprimentar. Ficarei feliz.

Apontamentos do Douro (3)

(Acesso ao cais da Régua)