Quando boas pessoas se juntam…

gratidão

…Coisas boas acontecem.

Sem dúvida!

Foi exactamente isso que aconteceu neste fim-de-semana. Na impossibilidade de estar presente na Festa de Natal de uma instituição que vou apoiando com trabalho voluntário sempre que posso, decidi convidar algumas pessoas que mal conheço mas que me pareciam gente de qualidade e solidária, para dar uma ajuda. Essas pessoas, revelando o que de melhor os seres humanos trazem dentro de si, convidaram outras pessoas para ajudar e todos juntos foram, segundo soube mais tarde, uma ajuda preciosa para o sucesso da festa que pretendia animar crianças com problemas sérios de saúde e respectivos cuidadores. É isso que acontece quando as pessoas decidem unir as suas forças e boas-vontades e fazer algo para melhorar um pouco o que as rodeia. Pode a estas pessoas ter parecido que não fizeram grande coisa, mas na verdade, contribuíram para por um dia melhorar um pouquinho a qualidade de vida de pessoas que poucas alegrias costumam ter. Quase de certeza que esses voluntários não serão tão cedo esquecidos por aqueles que ajudaram.

[Read more…]

Maria e o país das maravilhas: A primeira semana em S. Tomé e Príncipe

Praia de Água Izé - as roupas espalhadas pelo areal são de pessoas que não têm água canalizada em casa

Praia de Água Izé – as roupas espalhadas pelo areal são de pessoas que não têm água canalizada em casa

Maria Gomes Moreira*

Todas as pessoas novas que conhecemos, todas as pessoas de Portugal com quem falo, todas perguntam “e então as primeiras impressões de São Tomé”? A primeira memória é quando o avião começa a aterrar, e se começa a ver no meio do mar uma mancha verde. E depois, ao sair do avião, respirar pela primeira vez este ar, pesado, quente e com cheiro a terra molhada. Só o caminho do aeroporto até casa, sempre com o mar ao lado, já vale a pena uma visita a São Tomé.

O dia começou logo com uma ida ao centro da cidade. Se à primeira vista parece que estamos a aterrar em qualquer ilha deserta e paradisíaca, na cidade a agitação é mais que muita. Já não basta todas as motas, todas as bancas a vender comida na rua ou recargas para telemóvel (sim, é mais fácil carregar o telemóvel aqui do que em qualquer sítio em Portugal – em todas as esquinas há uma banquinha onde se pode comprar “saldo”), mas para além disso a presença de um branco não passa indiferente. Todas as pessoas nos chamam, mandam beijinhos, gritam “ééé brancaéé”. [Read more…]

Pão de Todos para Todos

E começou já ontem, dia 6, na Praça da Figueira em Lisboa, a 10ª edição desta iniciativa da CAIS que, através da distribuição gratuita de diversos tipos de pão e bebidas quentinhas, pretende chamar a atenção para a importância da partilha.
Até às 20 horas do dia 8, aproveitem e passem por lá. Podem assistir a espectáculos e workshops interessantes.
Na próxima semana, é a vez do Porto «fermentar esta partilha» logo a partir do dia 12 e até ao dia 15, sempre das 14 às 20 horas. Na Praça dos Poveiros, também com workshops e espectáculos.
Apareçam, mais uma vez, estarei por lá. programa pao

Voluntariado

dia-do-voluntariado-001Ontem, 5 de Dezembro, foi o Dia Internacional do Voluntário.
É uma data importante para assinalar e reconhecer o esforço de muitas pessoas que dão uma parte de si a favor de outros. Muitos dão muito de si.
Não me encaixo nesta categoria de pessoas. Não sou abnegada. Não dou muito de mim. O meu voluntariado é mais uma forma de egoísmo. Sou voluntária porque não sei ser de outra forma. Porque toda a minha vida tentei ajudar outros, embora até há uns anos atrás a ajuda que eu dava fosse algo incipiente. Mais voluntarismo do que voluntariado. [Read more…]

Portugueses extraordinários

notícias magazine
A Notícias Magazine de domingo foi a melhor de sempre, na minha opinião.
Não nos falou de gente VIP no sentido de serem figuras públicas, ricos, atrizes, cantores, estilistas, políticos ou gente famosa. Conhecemos, nesta edição da revista, «Very Important People», porque se entregam aos outros. Porque se deixaram mudar de vida (alguém os fez pensar profundamente) e mudam a vida de tantos… pequenos, graúdos, reclusos, doentes, idosos sós, crianças doentes.
Parabéns a todos, como o João Sá, que pensam que a crise não pode paralisar-nos e que temos que ultrapassar as dificuldades, olhando em frente; parabéns à Maria G. que usa o râguebi para “esbater as diferenças” e ensina que todos precisamos uns dos outros; «bem-haja» às Marílias que se julgam ricas por «somente» despertarem um sorriso numa criança; a todos os «Joaquins» que não desistem e arranjam maneira de servir duas refeições por dia a quem não tem o que comer; um especial abraço a todos os doutores-palhaços que enfiam o seu Nariz Vermelho numa Operação que corta a dor, ainda que por momentos, de centenas e centenas de crianças hospitalizadas; obrigados, Bernardo, por se dar «ao trabalho» de angariar 1 euro de cada vez para “mudar vidas” (parece simples).
A lista é interminável de portugueses que fazem o bem em silêncio. Isto deve deixar-nos cheios de esperança. Há gente boa e generosa.
Ficou-me uma frase de Helena Pina Vaz que espero não esquecer: “Indignação e ação. Uma não faz sentido sem a outra”. Com esta gente, é Natal todos os dias.

Uma portuguesa (que) faz toda a diferença

Neste tempo de crise, de desemprego, de notícias tristes e geradoras de medo e ansiedade, é necessário alimentar a alma (já sei Amadeu…) com notícias como esta:

Isabel Fernandes, 24 anos, Famalicão, Licenciada em Psicologia e no desemprego, recebeu ontem o prémio europeu na categoria de Melhor Voluntário, atribuído pela Active Citizens of Europe.

Isabel não necessita de prémios, “porque esses tenho-os sempre no terreno, nos sorrisos e abraços que recebo ao final do dia”, no terreno. Esteve um ano em Moçambique em trabalho comunitário de ajuda a 900 pessoas. Procurou “combater a pobreza extrema de crianças entre os dois e os 18 anos”.

Disse ao PÚBLICO: “Se todos dessem um pouco, às vezes um euro por dia, quase o valor de um café, já faria toda a diferença (…) todas as doações chegam àquelas crianças e vemos os resultados.”

“Morre lentamente, quem não troca o certo pelo incerto, em busca de um sonho” (Pablo Neruda), escreveu Isabel no blogue da Ataca (ONG).

Parabéns!

Quando eu for grande

Quero ser como Laura, chegar aos 83 anos e estar assim linda como ela. Ser voluntária e sentir-me feliz por continuar a ajudar as pessoas fazendo o que melhor eu souber fazer.

Conheci-a através de uma entrevista que deu para o Diário de Notícias (13 de maio), a propósito do apoio voluntário aos peregrinos de Fátima…

Quando eu for grande, e tiver todo o tempo do mundo, que se deve ter aos 83 anos, também quero ir visitar as pessoas em casa (os que moram sozinhos e não têm apoio).

Quando eu for grande como a Laura, farei tudo com grande dedicação e direi “não acho cansativo”, “faz parte da vida ajudar quem precisa”.

Laura Lacerda é médica voluntária e presidente da delegação da Figueira da Foz da Cruz Vermelha. Tornou-se na primeira mulher a presidir, em 93 anos, àquela delegação.

Parabéns, Laura.

É natal, deixem os pobres em paz

Entrámos na vertigem da caridadezinha agora chamada de voluntariado, registo que será o do ano de 2012. Não vou agora discutir a mais hipócrita das formas de perpetuar a miséria, é natal e estou contagiado pelo espírito de paz, amor e peúgas. Mas há um limite de decência para a propaganda travestida de jornalismo: os pobres também têm direito ao anonimato e ao sossego, senhores, mesmo que não tenham capacidade de se defenderem da vossa falta de vergonha.

Porque não vão entrevistar o Américo Amorim e acompanham a sua triste consoada? porque não tem Ricardo Espírito Santo direito a uma perguntinha sobre o bacalhau e se estava bem servido? porque não se questiona Belmiro de Azevedo sobre o frio de dezembro e se confirma se teve agasalhos que o abrigassem na noite da consoada?

É mais fácil ir para a rua e para as cozinhas económicas deste mundo entrevistar voluntários muito cristãos (excepto na soberba, no ódio ao franciscano e no esquecimento do velho princípio de que a caridade não se exibe) e sobretudo os desgraçados que além da indigência ainda levam com a devassa da sua privacidade, e essa é a miséria do jornalismo desta quadra. Mas será só por ser mais fácil?

Eu sei que quando um pobre escorrega cai logo em cima de um monte de merda mas um pouco de decência nas televisões ficava bem, ao menos no natal.

Voluntários para S. Tomé

É mais um serviço público que o Aventar presta, esta divulgação de um pedido de voluntários para trabalharem com a Fundação da Criança e Juventude em S. Tomé.

Segundo o pedido de divulgação:

São Tomé e Príncipe é um pequeno País insular, situado no Golfo da Guiné, a cerca de 300km do Continente Africano, mais precisamente da Costa Gabonesa. O arquipélago é constituído pelas ilhas de São Tomé e de Príncipe que distam 150 km uma da outra, e por alguns ilhéus, somando uma superfície total de 1001 Km2.

A insularidade geográfica, associada à pequenez e à descontinuidade do território, a limitação dos recursos minerais e o fraco dinamismo e a pouca diversificação do seu tecido produtivo são factores que tornam o país vulnerável face às exigências do mercado além fronteiras e condicionam a sua integração regional e internacional.

A enorme dificuldade de acesso aos serviços sociais essenciais pela maioria da população, as infra-estruturas físicas em degradação, as instituições, os mecanismos para a implementação de programas e políticas existentes, assim como as capacidades humanas débeis, constituem grandes desafios para o Governo e para a sociedade civil. [Read more…]

Agradecimentos

agradecer colegas e amigos, um novo conceito nunca trabalhado

 Acabo de terminar a escrita de dois textos: Marx, um devoto luterano, de 228 páginas e meses de pesquisa, mais 180 de anexos que explicam as partes mais complexas do texto. Explicam porque sem relatar histórias de vida das personagens estudadas e as suas teorias, ninguém era capaz de entender as partes ocultas da vida do criador das ideias sobre o materialismo histórico. Foi preciso adiar outros compromissos de publicações, para acabar o livro. Quem mais colaborara comigo, foi a minha mulher, que fixara a sintaxes e a gramático do texto. Também, a paciência dos meus colegas dos blogues nos que normalmente escrevo todos os dias, a espera de sempre mais um texto. Agradeço essa bonomia. Pensava escrever sobre solidariedade para o Aventar do dia de hoje, mas uma mensagem que aparecera enviada por um colega amigo e respeitável como pessoa, fizeram-me pensar que solidariedade é um conceito muito trilhado e ultra conhecido, desde 1892, quando Émile Durkheim o definira no seu texto A Divisão do Trabalho Social.

[Read more…]

Os pequenos que se julgam grandes e os grandes que até podem ser pequenos

Numa sociedade em que os abandonados estão cada vez mais abandonados, em que os laços de proximidade parecem desfazer-se, em que as relações de comunidade se vão diluindo, têm aparecido pessoas e organizações dispostas a remar contra a corrente, a reacolher os menos privilegiados, a alimentar os que precisam, a apoiar velhos sós e rejeitados, a acompanhar pessoas com dificuldades várias. Muitos fazem-no em regime de voluntariado, sem remuneração, buscando apenas a compensação de serem e se sentirem úteis.

Não falo de caridadezinha. Falo de um trabalho empenhado e continuado, de uma preocupação constante em resolver problemas, de solidariedade activa na construção de uma vida melhor para quem a tem muito má.

Felizmente, algumas organizações tornaram-se conhecidas em Portugal, veja-se a AMI, O Banco Alimentar Contra a Fome, os AA, etc. Mas existem milhares de pessoas e organizações desconhecidas que prestam serviços inestimáveis no acompanhamento de doentes e incapacitados, a visitar pessoas impedidas de sair de suas casas, a dar sangue, medula óssea, a distribuir seringas descartáveis entre toxicodependentes, a reintegrar sem-abrigo,  a prestar apoios básicos e importantes a quem não os pode pagar, contribuindo, dessa forma, para tapar buracos e sarar feridas que uma sociedade, por mais perfeita que fosse, não deixa de abrir continuamente.

Trata-se de pessoas que decidem agir em vez de sucumbir ao desânimo e à indiferença, que optam por resolver o que podem, em vez de esperar apenas que o sempiterno Estado o faça, em vez de alijar responsabilidades sociais sempre para os ombros de terceiros. É gente merecedora de respeito e admiração, que não tapa o sol com uma peneira, que sabe que existem velhos escorraçados pelas suas famílias, que há infectados a morrer de SIDA, que escondemos pessoas que não comem devidamente, que há crianças dispostas a atirar-se ao rio e acabar com a vida. [Read more…]