Porquê reinventar a roda? – A reintegração do Galego no universo da Lusofonia (Memória discursiva)

Numa sessão organizada pela Associação Galega da Língua, realizou-se em Santiago de Compostela, no dia 27 de Janeiro passado, o lançamento do livro “Jaboc”, do escritor brasileiro Otto L. Winck, prémio da Academia de Letras da Baía. A obra, cujo título é um anagrama de Jacob, o autor aborda o processo criativo e a tortuosa relação arte-literatura/literatura-arte, relação inserida num contexto social específico, pois, como o autor reconhece, existe algo de autobiográfico na construção da personagem central do livro. Uma das minhas fontes, foi o Portal Galego da Língua onde se publicou uma reportagem sobre este evento.

Contudo, não é do romance de Winck que me vou ocupar hoje, mas sim do que foi dito nesta animada sessão de lançamento, com vigorosas intervenções do autor e apaixonadas réplicas vindas do público. Presidindo e intervindo estava junto a Winck o intelectual galego Carlos Quiroga. Foi bolseiro de investigação da Fundação Calouste Gulbenkian e do ICALP, actual Instituto Camões. Actualmente é professor titular da cátedra de Literaturas Lusófonas na Universidade de Santiago.

Falou-se sobretudo da cultura galega e da sua inserção no universo lusófono. Diga-se que Otto Winck está a preparar a sua tese de doutoramento com um tema muito interessante – «a construção da identidade nacional galega», estando por isso muito identificado com os problemas culturais da Galiza. O vídeo é uma pequena amostra do que se passou nessa sessão tão vivamente participada:

[Read more…]