Os maluquinhos anti-acordo ortográfico…

… se calhar já se resignavam. Efetivamente, não parece que haja grande coisa a fazer. Temos de aprender a viver com as nossas deceções.

Para tudo. 

Ortografia para tudo. Só não parou a asneira do CM que, escreveu “pára” no lugar de “para”. Jornal que, supostamente, segue o AO90.

Nota: este post está escrito de acordo com o AO90, não sei se terão reparado.

A invenção da escrita

fn_n

Sócrates:
– Ouvi contar que viveu para os lados de Naucratis, no Egipto, uma divindade muito antiga, cujo emblema sagrado é a ave que eles chamam, tu o sabes, ibis, e cujo nome era Theuth. Foi ele que descobriu a aritmética, a geometria e a astronomia, o trictrac e o jogo dos dados e também, ficas a sabê-lo, as letras. Por outro lado, naquele tempo, reinava sobre todo o Egipto Thamous, que vivia naquela grande cidade que os gregos conhecem pelo nome de Thebas do Egipto e que tem por deus Ammon.

[Read more…]

Estou Triste

camilo-castelo-branco_coracao_cabeca_estomago_aletheia_editores

Comprei hoje um livro escrito por Camilo Castelo Branco e descobri que um dos meus autores dilectos escrevia, afinal, de acordo com o tal Acordo Ortográfico 90. Estou triste.

Confirma-se

 
Confirma-se que o Governo Sombra é, de facto, o melhor programa de actualidade política do momento e que, por acaso, até tem graça. Um caso de extremo bom gosto, com temas pertinentes e referências de elevado gabarito – onde por acaso o Francisco e o Aventar são mencionados, mas não é por isso, de forma alguma, que aqui se faz esta nota. Já referi que é um momento semanal marcante na agenda mediática?

PS: Arriscando destoar, aproveito para deixar duas notas:

  1. Acordo Ortográfico chega ao Supremo. Na net segue a petição por um referendo
  2. Assine a Iniciativa de Referendo

Juro que não é embirranço

… mas precisei de parar a leitura para discernir o que é que ali estava escrito.

O QUESS também é referido pelo programa espacial chinês como “Micio”, em homenagem ao cientista e ótico da China Antiga, que há 2.500 anos inventou a primeira câmara escura. (DN)

Definição de “ótico” no Dicionário da Priberam da Língua Portuguesa

Sim, é uma palavra alterada pelo AO90, esse mesmo que, dizem, aproximou a escrita do português nos diversos países onde este é a língua oficial. Seria, então, de esperar que no Brasil se escreva “óptico” sem “p”, certo? [Read more…]

Acordo pornográfico?

Nem o JN escapa.

jn

Aprender mandarim ou o primado do empresarialês

top120charactersArriscando uma sociologia de bolso, diria que, desde os anos 80, pelo menos, o mundo está dominado pelo empresarialês, uma religião (e, portanto, uma linguagem) cujos seguidores proclamam que tudo no universo é uma empresa. Para os cultores do empresarialismo, cabe ao gestor dirigir o mundo, com a avaliação substituída por rankings, ou seja, por listas ordenadas (o gestor, apóstolo do empresarialismo, confunde avaliação com classificação, mas, como qualquer membro de uma seita, não admite argumentos).

Esta religião é seguida por todos os políticos do arco da governação, o que tem condicionado, evidentemente, as decisões sobre todas as áreas. Tudo é, portanto, economia, empresa, dinheiro, excel.

O mais grave é que esta mentalidade já se entranhou no resto da sociedade. Vejamos alguns exemplos, antes de chegarmos (ou voltarmos) à importância dada ao ensino do chinês nas escolas portuguesas. [Read more…]

Orthographias

Dizem que temos uma nova, e agora é a oficial. O drama, o horror, a tragédia.

Burro velho não aprende novas ortografias, nem precisa no séc. XXI.

É muito simples: oficial é publicar documentos oficiais, e nisso já levo experiência, uns quatro anos.  Não é escrever.

Quem quer escrever na velha, escreve, e uma vez descarregado o Lince, converte para a nova. Nem é preciso ler, embora seja provável uma falha ou outra, da qual não virá grande mal ao mundo E depois publica, envia, conforme o caso. É o que tenho feito quando é preciso e não me esqueço.

A nova ortografia é foleira para quem aprendeu na velha, natural para os meus alunos que sendo novos já se habituaram. Nem uma nem outra fazem sentido quando temos um teclado pela frente, ou pior do que isso, o procuramos num écran táctil, mas as novas ortografias são outro assunto.

Se escrevem à mão, recomendo a de 1911, estão sempre a tempo de aprender e fica sempre bem com arqueologias.

Malaca Casteleiro merece bem um lugar na História

Ao lado de vultos como Miguel Vasconcelos. Ele e todos os figurões políticos ou académicos responsáveis por tamanha imbecilidade.

Mau aspecto

Quer saber como se escreve “aspecto” segundo o AO90? Consulte o priberam e a infopédia. Já sabe como se escreve?

Broxar vs. Brochar


Será “broxar” a versão brasileira e ortograficamente correcta de “brochar”?
Será que o Acordo Ortográfico vai unificar a semântica, para além da grafia, da língua portuguesa?
É este tipo de equívocos vocabulares que o famigerado Acordo Ortográfico vai resolver? – afinal, o que poderia correr mal se os portugueses usassem as mesmas palavras e as escrevessem da mesma maneira??

Isto admite-se?

espetador

Francamente, eu até sou uma pessoa algo liberal, mas isto? Isto? Ai, se a censura de excelência que ainda existia no dia 24 de Abril de 1974 continuasse o seu digníssimo trabalho…

Ele há coisas que não se pode admitir. Eu sei que os tempo vão modernos e que as criancinhas devem começar desde cedo a preparar-se para a vida, mas um livro juvenil com este título? É que nem sei o que dizer. Espetador e ainda por cima intrometido? Mas ele vai espetar o quê? Em quem? Ai, que eu prefiro nem pensar!

Mais c, menos c, está a orrer om normalidade

image

“está o fato“, escreve-se num jornal onde a aplicação do acordo ortográfico decorre com normalidade.

Assum(p)ção

assumption

Na parte que me toca nem me dou ao trabalho de seguir esse treta a que chamam de acordo ortográfico pela simples razão de não ser apologista da mudança pela mudança. Enfim, uma perfeita inutilidade, não fosse o caso de, volta e meia, chatear os juízo. Para um lado, é aquela sensação de desconforto ao ler um texto escrito nessa moda e ter-se sempre a sensação de que está algo errado, pois lemos pelo reconhecimento de padrões, até se interiorizar “ah é outra vez a merda do acordo”.

Depois é o ridículo de se observar os alunos de inglês a escreverem mal palavras como objective, deixando cair o “c”, à la moda acordês. E não são poucos, ao que sei. Finalmente, aconteceu eu próprio ter precisado há pouco de ir à Priberam ver como se escrevia “assumpção” para me recordar que sempre tivemos o “p” e que os brasileiros o podem usar ou não.

Aconteceu-me aquilo a que chamo o efeito de exposição ao primeiro-mentiroso. Quando se está repetidamente exposto ao falso, como acontece a quem ouça inadvertidamente o primeiro-mentiroso falar do país que está melhor, apesar das pessoas estarem pior, chega-se a um ponto em que se perde a noção que é certo. Ora façam o teste. Há uma assunção no governo. Estamos perante um erro ou não?

Conflitos fracturantes entre gerações

– Chiiiii, ó mãe, tu escreveste “ótimo” com p!

Putas Congeladas e Aves Frescas*

putas-congeladas_aves_exceto_coelho* “exceto o coelho” – que num é bem uma ave, é um pássaro…

A cultura também é um negócio

E cada um deve gerir o seu como bem entende. Chegado a Portugal, fui visitar uma livraria que desde sempre gosto de frequentar, com o intuito de abastecer livros que permitam satisfazer os meus hábitos de leitura durante meses. Saí de mãos a abanar. Não estou preparado para comprar livros escritos em brasileiro, exceptuando autores brasileiros, como é óbvio. Os autores ou editores, nem sei bem a quem imputar a responsabilidade, são livres de aderir ao A.O., mas eu não serei menos livre em escolher como e onde gastar o meu dinheiro. É que a leitura sempre foi para mim um prazer. Mas com esta ortografia na qual não me revejo, deixei de comprar jornais. Agora vão também os livros. Não gosto do A.O., prefiro reduzir drasticamente os meus hábitos de leitura. Ainda que acabe por ler títulos ou autores que considere mesmo indispensáveis, seguramente que o meu protesto visará atingir o ponto onde posso ser mais eficaz no protesto, evitando a compra. A escolha foi da indústria livreira, pois as escolhas têm consequências…

Ó dúvida cruel

A “Presidenta” do Brasil irá tratar o Francisco por “Papo”?

Roubado ao João Roque Dias

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (9)

Acrimônia (Bras.)/Acrimónia (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (8)

Acônito (Bras.)/Acónito (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (7)

Acetômetro (Bras.)/Acetómetro (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (6)

Acelerômetro (Bras.)/Acelerómetro (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (5)

Acepção (Bras.)/Aceção (Port.)

Nota: antes do AO90, escrevia-se da mesma maneira no Brasil e em Portugal. É ou não é uma uniformização ortográfica fresquinha? É, pois!

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (4)

Acadêmico (Bras.)/Académico (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (3)

Abstêmio (Bras.)/Abstémio (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (2)

abiogênese (Bras.)/abiogénese (Port.)

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (1)

Abdômen (Bras.)/Abdómen (Port.)

Convite:

O Pedro Correia é um dos melhores bloggers portugueses. O Pedro Correia é um bom amigo. O Pedro Correia vai lançar o seu novo livro, “Vogais e consoantes Politicamente Incorrectas do acordo ortográfico” no próximo dia 21 de Maio, pelas 18h30 na Bertrand Picoas Plaza (Lisboa). Fica aqui o convite a todos os leitores do Aventar:

 

CONVITE_vogais_Picoas

O Factóide

No Brasil, as palavras ortografadas nem sempre são o que deveriam ser.