Respect

O gajo entrou no Cerco. Respect.

Despejadas por não terem respondido a um inquérito

Ferem sempre mais as injustiças que atingem aqueles que conhecemos, é sabido. O Jornal de Notícias conta hoje que a Câmara Municipal do Porto deu ordem de despejo a duas idosas moradoras no bairro do Cerco do Porto (um dos maiores bairros camarários da cidade), apesar de ambas terem as rendas em dia, por não terem respondido aos inquéritos obrigatórios que a autarquia realiza. Se isto é verdade (e digo “se” porque me parece que até para a escala Rui Rio isto é de mais), parece-me de uma prepotência desmesurada e gostava de ouvir juristas a pronunciarem-se sobre esta matéria.

A notícia, que me indignaria sempre, indigna-me ainda mais porque uma das despejadas chama-se Ilda Cabral e para todos os antigos alunos da Escola do Cerco do Porto continua a ser a D. Ilda, a mais afectuosa auxiliar de todas as escolas por onde passei, sempre atenta às injustiças e cúmplice das nossas brincadeiras. Quem por lá passou lembra-se dela, de certeza.

Se entre os miúdos que ela viu crescer houver, e há de certeza, quem se tenha feito jurista, este é o momento de se chegarem à frente.

Memórias do Cerco do Porto

Os professores Sérgio Peixoto e Manuel Pires Ribeiro, ambos já aposentados, lançaram um livro sobre a escola secundária do Cerco do Porto, situada na zona oriental da cidade e nas imediações de um bairro social, e na qual leccionaram durante décadas. “Escola Secundária do Cerco – 1980-2007 – História e Contextualização no Sistema Educativo” é o título da obra.

Quanto aos autores… bem, podia começar por contar-vos um episódio que se passou há muito tempo, teria eu 15 ou 16 anos e naquele dia não me apetecia saber mais nada sobre absolutistas e liberais. Havia um café novo onde toda a gente parava, podíamos ir, a Cláudia tem o disco novo dos U2, pode ser que esteja lá aquele rapaz que vimos da outra vez, vá lá, toda a gente vai… No dia seguinte, entrei discretamente na aula de História, e enquanto tirava o livro da mochila vi, para meu horror, que o professor Ribeiro se aproximava.

Inventei uma história patética sobre uma indisposição no dia anterior, e ele, com a sua voz pausada, sempre tranquila, fez-me uma síntese, e só para mim, do que tinha sido visto na aula anterior. Tomei notas a toda a velocidade, sem me atrever a levantar os olhos para ele, e fiquei o resto da aula a sentir-me culpada e agradecida. Claro que nunca mais faltei à aula de História.

O professor Peixoto gostava de ler e, sobretudo, de nos ouvir ler. Acredito que ele estava convencido de que se nos deixasse ler páginas e páginas dos Maias, como fazíamos, haveríamos de ser tomados pela mesma paixão, haveríamos de sucumbir ao mesmo feitiço. Recordo-me daquelas aulas de duas horas em que eu lia em voz alta durante muito, muito tempo, ao ponto de pensar que o professor talvez tivesse adormecido. Mas quando o olhava de soslaio ele estava bem acordado, à escuta, e às vezes era como se ouvisse pela primeira vez aquilo que ensinava há décadas.

Recordo-me das suas gargalhadas naquela passagem delirante em que o Carlos Eduardo apanha o Eusebiozinho vestido de anjinho para entrar na procissão e esfrangalha o enfezadito. Ou da fúria do João da Ega quando regressa do baile em casa dos Cohen, ainda vestido de Mefistófeles, humilhado pelo marido da sua amante…. Ainda hoje é-me impossível ler essas passagens sem recordar o professor Peixoto.

Também o recordo a separar uma rixa muito feia, a meter o corpo no meio de dois adolescentes enfurecidos, e de pensar que a sua atitude, firme mas não autoritária, tinha acalmado os ânimos de imediato e era muito diferente daquilo que estávamos habituados a ver.

As minhas memórias da escola secundária não são particularmente luminosas, mas recordo estes dois homens com afecto e gratidão. Alegro-me por saber que escreveram este livro a quatro mãos e que continuam, mesmo após a aposentação, a ser pedagogos. A resgatar o mais positivo na nossa memória comum e a celebrar cada um dos miúdos que passaram por aquela escola.