Porto e Gaia – idoneidade política em Democracia

As Câmaras Municipais das cidades que partilham a foz do Douro, Porto e Gaia, duas das maiores do país, têm suscitado atenções e polémicas nos últimos meses, por via de notícias que colocam em causa a idoneidade dos respectivos presidentes. Na verdade, o jornal PÚBLICO tem dado a conhecer factos sobre a gestão autárquica de Rui Moreira e de Eduardo Vitor Rodrigues, que lançam a suspeita sobre o cruzamento de interesses pessoais e familiares dos dois políticos e o superior interesse dos municípios que lideram.

Apesar de ambos se terem apressado a negar as notícias do PÚBLICO e de o jornal, em particular uma das suas melhores jornalistas, ter sido injusta e violentamente atacado nas redes sociais, pelo menos num dos casos, a verdade é que as informações avançadas firmam-se em sólidas provas documentais.

Tanto no caso de Rui Moreira, como no de Eduardo Vítor Rodrigues, estabeleceu-se irreversivelmente a dúvida sobre a isenção e a imparcialidade com que cada um norteia o exercício de funções de elevada responsabilidade em que está investido, dúvida essa incompatível com a transparência e a idoneidade que lhes são exigidas enquanto autarcas e representantes eleitos.

[Read more…]

Porto e Rui Moreira sem drama autárquico

Vive-se no Porto em estado de serena normalidade, a despeito da recente quezília entre Rui Moreira e o Partido Socialista, agitada pelos órgãos de comunicação social e comentadores de assento garantido pelo poder dominante. Afinal, bem vistas as coisas pelo que se vai dizendo, não se trata de um divórcio litigioso, mas de uma transfiguração em “amizade colorida” – Moreira e Pizarro fazem questão de reafirmar isso mesmo.
Guilhermina-Rego-Rui-Moreira
Os portuenses estão serenos, atendendo a que o tema não é assunto sequer na cidade, a não ser entre nos aparelhos de partidos e de movimentos independentes, uma vez que as eleições estão à porta e estas são sempre um momento de solução, saibam os eleitos corresponder às vontades que vierem a ser expressas. Rui Moreira tem a vitória garantida e acredita [Read more…]

Marco António recusa Câmara do Porto. Recusará a de Gaia?

Marco António Costa recebe a Medalha de Mérito Municipal, Grau Ouro, do Presidente da Câmara de Gaia

Marco António Costa recebe a Medalha de Mérito Municipal, Grau Ouro, do Presidente da Câmara de Gaia

O certo é que a distância não significa ausência e Marco António mantém ótimas relações com a região, tendo sido vereador e presidente da distrital do Porto. Recentemente, foi condecorado pelo presidente da Câmara Municipal de Gaia, que nem foi eleito pelo PSD, mas sim pelo Partido Socialista. Marco António foi vice-presidente desse município, mantendo também boas relações com Álvaro Castello-Branco, o líder do CDS/Porto. 

(Jornal i)

Enquanto Rui Moreira anda a brincar aos aviões, o Museu das Marionetas do Porto vai fechar


Pois é, o Museu das Marionetas do Porto, como o conhecemos, vai fechar na rua das Flores. Depois de um investimento brutal da companhia no restauro de um prédio do centro histórico, numa rua que na altura não era chique, o sonho sonhado por João Paulo Seara Cardoso desaparece porque os novos proprietários decidiram um novo destino para o edifício. Não sei qual será esse destino, mas não me admirava que fosse o mesmo que aqui há atrasado a Daniela Major abordou relativamente a Lisboa.
E no entanto, não teria sido preciso assim tanto para dar um fim diferente a esta história. O Museu das Marionetas até tinha direito de preferência na aquisição do prédio. Teria bastado um bocadinho de vontade política.
Mas essa, sabemos por onde anda. Enquanto o Museu das Marionetas é desalojado, o Presidente da Câmara do Porto anda entretido a brincar aos aviões e a publicar livros sobre o assunto. É que há muita gente a andar de avião e não tanta assim a ir às marionetas. A TAP dá muitos votos e Rui Moreira já se arvora em representante de todos os nortenhos. Uma ampla região que vai desde os galos de Barcelos até, quem sabe, às salsichas frescas de Vigo.
O Fredo Brilhantina, que podem ver no vídeo aqui em cima, é que a sabia toda.

O azul não tem qualquer conotação clubística

Diz Eduardo Aires. Pois, sim, está bem. “Os típicos azulejos azuis e brancos que cobrem tantas igrejas da cidade”? Como escreveu o Krugman: “yuk-yuk-yuk (…) hahaha“.

O Porto foi seleccionado porque é atractivo

porto

Porto visto do Hotel Yeatman – Gaia. Panorâmica MS ICE (http://bit.ly/19cEvUM).

Através de uma tradução, fiquei a saber que, segundo a Câmara Municipal da minha cidade, “[o] facto de o Porto voltar a ser seleccionado [✓] reflecte [✓] bem a sua notoriedade, atractividade [✓] e excelência enquanto destino turístico”.

Para quem gosta de fazer contas com o Acordo Ortográfico de 1990, esta frase é um excelente ponto de partida.

Há sempre a possibilidade, se a prática na Câmara Municipal do Porto for semelhante à de outras organizações, de na tradução termos de facto aquilo que se encontrava no original. Adiante.

É verdade, o facto encontra-se quer na tradução, em ortografia portuguesa europeia, quer no original, redigido na grafia aventureira de 90. Claro, é evidente. Claro, é evidente, digo eu. Hoje, no Diário da República, podemos ler “aos demais fatos constantes na candidatura” e “pelo fato de o único candidato opositor ao mesmo ter ficado excluído”.

Sim, foi há cerca de nove meses que o ILTEC nos garantiu:

O AOLP90 já foi quase plenamente aplicado, como o Estado determinou, sem problemas de maior“.

Bairro do Aleixo: uma pistola, duas balas

Se há imagens que têm mil palavras para contar, há outras que se ficam por uma única, nem por isso menos gravosa, mentira.

A última edição do pasquim “Porto Sempre”, editado pela Câmara Municipal do Porto para incensar os feitos do seu autarca,  dedica duas páginas ao bairro do Aleixo e à demolição da torre 4. Aí se relatam os casos em que a justiça condenou moradores por posse e tráfico de drogas. Cinco arguidos no total, num universo de 290 agregados familiares (chegaram a viver aí cerca de 1300 pessoas) mas número suficiente para reduzir um bairro a uma quadrilha de criminosos.

E para que quem passa os olhos pela revista, despejada gratuitamente em todos as caixas de correio da cidade a cada mês, não perca de vista o essencial da história, e não comece à procura de explicações alternativas, a imagem que ilustra a história diz tudo: uma pistola e duas balas. [Read more…]

Por favor, onde fica o gabinete de ajustes directos?

Imagem

Não deixa de ser interessante que, em antecipada pré-campanha para as autárquicas, comecem a ser revelados alguns pecados da actual gestão em algumas autarquias. Uns, veniais, coitadinhos; outros, cabeludos como o diabo.

Mas não deixa de ser interessante, também, a forma como o vulgo reage às notícias.

Estava eu integrado, por vizinhança, numa conversa de café, daquelas que surgem ao cair da bica (minha singela homenagem ao linguajar da capital) quase sem nos darmos conta. Está-se a falar do tempo, da bola, das pernas da Maria, e, de repente, é um refastelar de críticas à política.

Raramente os argumentos são os mais salutares, o que mais interessa à causa pública, não se cura de saber como as coisas acontecem, só que acontecem, sempre para o mesmo lado, ora dos bons (poucos) ora dos tratantes (a maioria). Mas sempre o mesmo lado político consoante a circunstância. É a circunstância que escolhe o lado, não a militância. E a suprema discussão está tantas vezes na razão inversa da importância do que se discute. [Read more…]

Ajustes directos à moda do Porto

Ou da inutilidade das leis em Portugal (via O País do Burro).

As novas regras de despejo nos bairros do Porto

Há dias soube-se que a Câmara Municipal do Porto havia dado ordem de despejo a duas idosas por não terem respondido a um inquérito realizado pela autarquia, e apesar de terem as rendas em dia. Quando li a notícia sabia muito pouco (agora sei apenas um pouco mais) sobre as regras impostas aos inquilinos dos bairros camarários do Porto e nem imaginava que tinha entrado em vigor recentemente um  “Regulamento de Gestão do Parque Habitacional do Município do Porto”, documento para  qual teria o maior gosto em remeter-vos através de hiperligação, mas que parece não estar disponível online.  O cumprimento deste regulamento cabe à DomusSocial – Empresa de Habitação e Manutenção do Município do Porto, E.E.M., mas lamentavelmente não consegui encontrá-lo no site desta entidade.

Estou agora em condições de assumir que a minha desconfiança acerca da veracidade da notícia não foi, afinal, mais do que uma manifestação de ignorância acerca da política de arrendamento da habitação camarária da cidade onde vivo. A notícia estava correcta e, pior do que isso, a medida era legal, porque o Regulamento que citei anteriormente permite que o morador numa casa camarária seja despejado por não ter respondido a um inquérito no qual se pretende saber, entre outros dados, quais os rendimentos auferidos pelo agregado familiar para efeitos de actualização da renda. Se o inquilino for analfabeto, iliterato, etc,  se a sua idade, ausência de habilitações literárias, etc, o impedirem de responder ao inquérito, poderá bem ver-se despejado, como essas duas senhoras, ainda que conserve em seu poder todos os recibos de renda.

Em busca de informação sobre este despejo, descobri que, em Dezembro passado, a um ano das eleições autárquicas, a coligação PSD/CDS aprovou o citado Regulamento, que veio introduzir uma série de justificações legais para o despejo um inquilino de um bairro social, na cidade do Porto.  [Read more…]

Despejadas por não terem respondido a um inquérito

Ferem sempre mais as injustiças que atingem aqueles que conhecemos, é sabido. O Jornal de Notícias conta hoje que a Câmara Municipal do Porto deu ordem de despejo a duas idosas moradoras no bairro do Cerco do Porto (um dos maiores bairros camarários da cidade), apesar de ambas terem as rendas em dia, por não terem respondido aos inquéritos obrigatórios que a autarquia realiza. Se isto é verdade (e digo “se” porque me parece que até para a escala Rui Rio isto é de mais), parece-me de uma prepotência desmesurada e gostava de ouvir juristas a pronunciarem-se sobre esta matéria.

A notícia, que me indignaria sempre, indigna-me ainda mais porque uma das despejadas chama-se Ilda Cabral e para todos os antigos alunos da Escola do Cerco do Porto continua a ser a D. Ilda, a mais afectuosa auxiliar de todas as escolas por onde passei, sempre atenta às injustiças e cúmplice das nossas brincadeiras. Quem por lá passou lembra-se dela, de certeza.

Se entre os miúdos que ela viu crescer houver, e há de certeza, quem se tenha feito jurista, este é o momento de se chegarem à frente.

Mal ouve falar de cultura, Rui Rio puxa logo das taipas

Câmara do Porto entaipa biblioteca do Marquês

Rui Rio é um democrata

Formado no país de Hitler, Rui Rio é um adepto do rigor e da exigência. Tem-no demonstrado ao longo de quase 12 anos de mandato, período durante o qual a cidade do Porto se desenvolveu extraordinariamente e se assumiu como a capital do norte e de todo o noroeste peninsular.
A par deste crescimento exponencial, Rui Rio tem dado provas de ser um democrata emérito, como o atesta o despejo, sem aviso prévio, da Escola da Fontinha. Uma atitude compreensível face ao espírito e à letra da lei. A verdade é que ainda não chegámos à Madeira. Se queriam ocupar um espaço vazio que depois disto vai continuar vazio, os marginais em questão deviam ter cumprido as regras vigentes. É assim a democracia. Da mesma forma que quem diz mal de Rui Rio não tem direito a subsídios, quem dá vida a um espaço morto não tem também direito à existência.
Portanto, repitam comigo: Rui Rio é um democrata de mão cheia. Rui Rio tem virtudes cívicas e éticas que deixam qualquer um assombrado. Rui Rio gosta do 25 de Abril. Rui Rio não tem saudades de Salazar. Rui Rio é um amante da liberdade.
Repitam estas frases muitas vezes e lamentem o facto de hoje não ser dia 1 de Abril. É que seriam mentiras mesmo muito giras.

Para respostas destas é preferível o silêncio

O Orçamento da Câmara do Porto prevê um investimento de 800 mil euros para reabilitar parte da Avenida da Boavista e 300 mil euros para alargar o parque de estacionamento nascente do Parque da Cidade.

O vereador da CDU, Rui Sá, desconfia que tenha a ver com a realização de mais uma edição do Circuito da Boavista. Disse isso mesmo na reunião da autarquia destinada a aprovar o orçamento. Na reunião ninguém desmentiu a suspeita.

Ao Jornal de Notícias, a câmara responde assim: : “Se o PCP diz, então é porque é. Ficamos a aguardar a justificação pela qual assim é, já que julgamos que a maioria da Câmara também tem o direito de saber porquê; a não ser que seja tabu”.

Pronto, estamos esclarecidos. Sobretudo os cidadãos do Porto, que têm direito a uma informação decente por parte da respectiva autarquia. Devem ter ficado a perceber tudo. Eu fiquei.

Polícia assalta sede de sindicato no Porto


Porto, 1973. O Sindicato dos Trabalhadores dos Sectores Têxteis, Vestuário, Calçado e Curtumes do Distrito do Porto apela à greve através da colocação de faixas e cartazes nas suas instalações. Como o direito à greve é proibido, a Câmara Municcipal do Porto manda retirar essa propaganda. A PSP invade o sindicato e leva consigo todo o material.
O grave de tudo isto é que não foi em 1973. Foi em 2010 – na semana passada. A PSP, a mando da Câmara Municipal do Porto, invadiu o Sindicato dos Trabalhadores dos Sectores Têxteis, Vestuário, Calçado e Curtumes do Distrito do Porto e levou todo o material de propaganda relacionado com a Greve Geral do dia 24.
É a democracia portuguesa, vista à luz dos conceitos de Rui Rio. É o Porto no seu melhor.

Tripas à Sousa Lara

Para ver aqui.

Desta gentinha não rezará a história.

SCUTs: entre o ‘não tens cão, caça com gato’ e o ‘com papas e bolos se enganam os tolos’

Os elementos do PS na Câmara do Porto tiveram uma ideia genial. Como não estão em posição confortável para contrariar o governo PS na questão da cobrança de portagens nas SCUT, os vereadores do PS sacaram um trunfo da manga: que a empresa responsável pelo Sistema de Identificação Electrónica de Veículos (SIEV) tenha sede no Porto e não em Lisboa como previsto na sua constituição.

É uma espécie de “se não tens cão, caça com gato”. Talvez uma compensação. A malta rica do Porto e do Norte tem de pagar portagens que os pobres de outras regiões, como o Algarve, não têm, por isso ficamos menos incomodados se a sede da empresa ficar na Invicta.

Na realidade, em vez da metáfora do gato e do cão, que serve de justificação política, talvez seja melhor lembrar aquela de “com papas e bolos se enganam os tolos”. Pagamos, mas sempre temos a sede da empresa no Porto. Se assim for, seremos todos mais felizes.

%d bloggers like this: