Despejadas por não terem respondido a um inquérito

Ferem sempre mais as injustiças que atingem aqueles que conhecemos, é sabido. O Jornal de Notícias conta hoje que a Câmara Municipal do Porto deu ordem de despejo a duas idosas moradoras no bairro do Cerco do Porto (um dos maiores bairros camarários da cidade), apesar de ambas terem as rendas em dia, por não terem respondido aos inquéritos obrigatórios que a autarquia realiza. Se isto é verdade (e digo “se” porque me parece que até para a escala Rui Rio isto é de mais), parece-me de uma prepotência desmesurada e gostava de ouvir juristas a pronunciarem-se sobre esta matéria.

A notícia, que me indignaria sempre, indigna-me ainda mais porque uma das despejadas chama-se Ilda Cabral e para todos os antigos alunos da Escola do Cerco do Porto continua a ser a D. Ilda, a mais afectuosa auxiliar de todas as escolas por onde passei, sempre atenta às injustiças e cúmplice das nossas brincadeiras. Quem por lá passou lembra-se dela, de certeza.

Se entre os miúdos que ela viu crescer houver, e há de certeza, quem se tenha feito jurista, este é o momento de se chegarem à frente.

Comments


  1. será com certeza, e o seu? pergunto de boa mente, não será também o seu (momento de se chegar à frente)? mas de facto custa a crer, é mau de mais, não pode ser… será?

  2. Carla Romualdo says:

    é com certeza o meu momento, eu até diria que é o momento de todos, e se falo em juristas é porque me parece que podem dar uma ajuda muito concreta neste conflito. Mas à nossa volta não faltam situações de injustiça e “chegar-se à frente” é o nosso dever comum

  3. Rui Luis Pereira Gomes says:

    Além de conhecer foi uma das pessoas k mais marcou a minha passagem por aquela escola,a D.Ilda que não só eu conheci como todos os que por lá passaram,sem duvida uma senhora afetuoso, carinhosa e que se entregava aos alunos de corpo e alma,sempre com energia e motivação,os seus conselhos de sabia da experiêmcia que tinha.Sempre quis o melhor para todos nós,sempre prestavel para todos ,n havia um ou nenhum que possa dizer o contrário das minhas palavras..Ao menos deiam a oportunidade e revejam a situação,pois senão estão mesmo a praticar uma injustiça para a qual a d.ilda n é merecedora.

  4. pinho says:

    Que custa a acreditar custa. Espero que seja mentira, mas se for verdade, que o Rio medite e anule uma idiotice destas.

    Outra questão. Será legal?
    Um senhorio cria um inquérito, e se o inquilino que paga religiosamente a renda e zela pelo apartamento alugado não responder , é despejado?

  5. Nelson Ferreira says:

    Façamos o que legalmente estiver ao nosso alcance para evitar que a situação se torne irresoluvel para esta senhora querida…que boas recordações me traz aquando dos meus tempos de criança…

  6. Carla Romualdo says:

    Não tenho a confirmação desta notícia, mas comentaram-me que representantes da CDU na assembleia de freguesia (Campanhã) estarão a ajudar a D. Ilda nesta matéria.

  7. Rui Araújo says:

    Sr. Drº Rui Rio esqueça este conflito a Srª D. Ilda esqueceu concerteza de mandar o inquérito por laspo, não é motivo para tal penalização concidere o assunto e liberte a consciência da senhora a mais breve possível. Sei que o vai fazer em virtude de ser uma pessoa de bem.

  8. gualdino maia says:

    O DR. RUI RIO DEVIA ESTAR NA SITUAÇAO DESSA SRA

  9. nelo says:

    VERGONHOSO para um país que se diz democratico.sr presidente ganhem vergonhas na cara e deixem o capitalismo um bocado para tras.este mundo esta governado por imbecis

Trackbacks


  1. […] dias soube-se que a Câmara Municipal do Porto havia dado ordem de despejo a duas idosas por não terem respondido a um inquérito realizado pela autarquia, e apesar de terem as rendas em […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.