Celebrar a Europa

Filhos e Pais, juntos, em Palco. Para celebrar a Europa.

cantataeuropa_FINAL

Dia 30 de abril no Europarque. Rigorosamente a não perder (vídeo).

Paga, Zé

A bronca da falência do Europarque – lá voam mais de 30 milhões dos nossos impostos – é uma espécie de tragicomédia que representa, metaforicamente, a aliança entre os maus governantes e piores empresários que têm conduzido os destinos do país – com o assentimento e/ou cumplicidade de muita gente, diga-se em abono da verdade. Que se dispõe a continuar, segundo se nota pelas últimas sondagens.
A propósito: masoquismo é uma tendência ou prática parafílica, pela qual uma pessoa busca prazer ao sentir – com um pensamento, uma situação ou um acto – dor ou imaginar que a sente. Por isso, para muitos, o que estamos viver não é uma crise, é uma verdadeira orgia. E, pelos vistos, não falta quem queira continuar.

Europarque, mais uma corrida, mais um buraco

Obrigado Eduardo Catroga, obrigado Cavaco Silva, nada como o aval do estado para os patrões portugueses demonstrarem a sua incompetência e apetência pelos dinheiros públicos.

Expliquem lá porque carga d’água tinha o estado de ser fiador do Europarque? Caso a coisa desse para o torto, não tem quem investe de arcar com o prejuízo? e se desse para o direito, iam partilhar os lucros?

Siga, quem paga são os do costume.