Os milhões das autárquicas

Dizem as notícias que as campanhas autárquicas onde o PS irá gastar mais dinheiro decorrerão nas margens do Douro: Porto e Gaia.
Ambas estão ganhas para o Partido Socialista.
No caso do Porto, teremos a vitória do Dr. Manuel Pizarro, que será facilmente eleito Vereador, assegurando a continuidade do convívio fraterno entre os Fenianos e o Ateneu.
Em Gaia, será reeleito o “chega-me isso” do Dr. Marco António Costa, um manga de alpaca que assegurará a paz do trânsito e a rega dos jardins.
Corações ao alto e mão na carteira.

Gaia e Leça lideram poluição na Europa

(TSF): Gaia e Matosinhos ocupam o segundo e terceiro lugar num ranking Europeu de poluição com metais pesados lançados para a água.

Adenda:

Comentário da Câmara Municipal de Matosinhos (16h32):

“Meus caros:
A Agência Portuguesa do Ambiente já esclareceu que os dados em causa não correspondem à realidade e que vão ser revistos. Há uma notícia sobre isso no JN de hoje.
Obrigado”

Em Gaia, ninguém quer brincar com ele

Hoje dei por mim a pensar naquela rua onde o dono da bola tinha sempre que jogar, mesmo sendo o último a ser escolhido. Tinha de entrar!

Era o dono da bola e a qualidade do seu futebol tinha, para a equipa, uma consequência infalível – a derrota. Mas, em boa verdade, sem a bola não havia jogo e lá entrava o Pedro no jogo.
A Rússia, na taça das confederações não andou muito longe de ser o Pedro da FIFA e, tenho para mim que, em Gaia, alguém está com o mesmo problema.
Quer dizer, em bom rigor, o problema não é bem o mesmo porque o Pedrito cá do burgo não foi convidado pelo Pedrito da capital. Confuso?
Passo a explicar – diz-se que os passos de Pedro iriam passar por Vila Nova de Gaia, mas o parceiro do convívio vem do outro lado do rio.
E, portanto, das duas uma, ou o Pedro que é chefe (mas pouco) não quer ter ao lado dele alguém, que como ele, terá uma derrota pela certa ou então foi mesmo esquecimento.

[Read more…]

Em defesa do São João do Porto

Milhares de pessoas encurraladas à espera de passagem para o Porto pelo tabuleiro superior da Ponte Luís I. Gaia, cerca das 1h30 da madrugada.

Aquilo que se passou ontem na cidade do Porto, na mais importante noite do ano, a noite de São João, ficará certamente a marcar a história recente da cidade e da sua relação com o Poder.

O espectáculo de variedades transmitido pela RTP a partir da cidade de Gaia, que durou até depois da meia-noite sem transmitir uma única imagem do São João nas ruas do Porto, foi uma instrumentalização política da festa popular e uma tentativa de apoucar a cidade, as suas gentes e os seus símbolos.

A RTP procurou, ao longo de várias horas de emissão a partir da Serra do Pilar, em Gaia,  com directos de uma inenarrável “marcha sanjoanina” a partir dos Açores, reescrever a história da festa que faz parte da alma da cidade Invicta, colocando-se ao serviço de interesses políticos pouco claros, numa obscura e caríssima acção de propaganda contra o Porto e a sua festa maior.

[Read more…]

O que têm em comum Eduardo Vítor Rodrigues e Lucínio Gonçalves Presa?

 

 

 

 

 

 

 

O malfadado e mal-afamado Lucínio Gonçalves Presa, cuja memória deve ser convictamente enxovalhada, foi o Presidente da Câmara Municipal do Porto que destruiu o Palácio de Cristal para em seu lugar construir um pavilhão de Hóquei em Patins.
Eduardo Vítor Rodrigues, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, vai destruir os armazéns de Vinho do Porto para construir um mamarracho destinado aos turistas. Os vindouros olharão para ele como nós hoje olhamos para Lucínio Gonçalves Presa.

Eurídice

Soror báquica. Como não?

img_5502

A Ponte é uma miragem

gaia

Quem tenha estado atento à evolução da cidade do Porto nos últimos anos, não pode ter deixado de reparar numa transformação, em alguns caso radical, do ambiente da cidade. Para o bem e para o mal, o Porto é hoje um lugar muito diferente daquele que conhecíamos há poucos anos. Visitado diariamente por milhares de turistas, modificou a sua paisagem e a sua energia, interveio profundamente no património edificado e as suas ruas, cafés, livrarias e monumentos estão hoje cheias de pessoas oriundas dos mais variados países do mundo e das mais diferentes culturas. Mesmo os seus lugares históricos, e os mais pitorescos, sofreram um processo profundo de adaptação, a maioria das vezes no sentido de melhor responderem às exigências da nova indústria rainha da cidade, o Turismo.

Vila Nova de Gaia é a cidade que fica do outro lado do rio. Do ponto de vista turístico, a sua principal ligação à cidade do Porto é pela Ponte Luís I, uma das mais belas obras de engenharia legadas pelo século do ferro, que constitui um ex libris das duas cidades da foz do Douro e faz parte de uma das mais belas paisagens urbanas do mundo.

[Read more…]

Menezes, o retirado

O senhor Doutor levou uma paulada monumental no Porto e, confesso, pensei que seria para todo o sempre. Pelos vistos não foi, embora, me palpite que o sr. Retirado não conhece a Lei, mas, numa lógica de serviço público aqui fica:

“No caso de renúncia ao mandato, (…), não podem candidatar-se nas eleições imediatas nem nas que se realizem no quadriénio imediatamente subsequente à renúncia.” (Lei nº 46/2005, de 29 de agosto)

Ora, o senhor poder escrever que não se vai candidatar a Gaia. Mas, a única verdade realmente verdadinha é esta: Vila Nova de Gaia 2017 é um jogo que a Lei não lhe permite jogar. PONTO!menezes

Prestado este serviço público, poderia trazer aqui os episódios patrocinados pelo Sr. Retirado que lesaram os interesses dos Gaienses e delapidaram as contas deste lado do rio. Não me surpreendeu a banhada (sim, é mesmo para reforçar a repetição) que levou do outro lado do mesmo RIO (as maiúsculas aqui são uma piada) porque sabemos o que custaram, do lado de cá as condenações em tribunal.

[Read more…]

Requiem pela velha guarda

gaiapsdO Jornal de Notícias apresenta-nos hoje mais um exemplo do que não deve ser a política.
Por Vila Nova de Gaia, a vida laranja não está fácil. Legitimamente, os militantes escolheram um Presidente para a Concelhia que, ao que tudo indica, será o candidato à Câmara Municipal. Até aí, um processo democrático e inquestionável.
Ora, tal acontecimento parece ter lançado alguns revivalistas num caos político, a caminho de um túnel que, me parece, não ter saída.
Percebo as insónias, mas estas de nada servem porque, sem legitimidade democrática, procuram apresentar-se como representantes de algo que, verdadeiramente não são. O passado, por definição, já passou e não há qualquer fuso político que permita a Gaia voltar a um tempo que … já era.
Percebo a angústia, mas até um Deputado tem obrigação de conhecer a Lei.

Repare caro leitor na simplicidade do legislador:

“No caso de renúncia ao mandato, (…), não podem candidar-se nas eleições imediatas nem nas que se realizem no quadriénio imediatamente subsequente à renúncia.” (Lei nº 46/2005, de 29 de agosto)

E, se o impedimento é legal, creio que será ainda maior pelo lado das pessoas que por cá vivem. Aquelas que votam. [Read more…]

A história do tacho da esposa do autarca que tirou o tacho ao marido da autora da história

gaia

Não me vou alongar sobre os detalhes de mais um episódio siciliano a sul do Douro. O Bruno já aqui expôs o compadrio (lixos jornalísticos à parte, não façam de nós parvos) e o João Paulo acrescentou algumas informações sobre o jornalismo de sarjeta que impera no rectângulo e sobre a habitual manipulação da opinião pública que se faz sentir nesta fase de pré-pré-pré-pré-campanha. Sim, João, já começa a valer tudo.

Contudo, e porque sou um grande fã da cosa nostra gaiense, quero aproveitar a deixa para dar os meus cinco tostões para o peditório. Curtinho e grosso. Cá vai: a jornalista que faz manchete na capa do Público de há dois dias é ex-mulher de Rogério Gomes, que tinha um belo tacho de administrador na empresa municipal Águas de Gaia, que lhe havia sido dado por Luís Filipe Menezes, apesar da falta de qualificações para o cargo. Quantas vezes escreveu Margarida Gomes sobre o assunto? Zero, claro. [Read more…]

Jornalismo precário e dependente

O Primeiro-Ministro António Costa, na comunicação de Natal destacou duas dimensões da nossa vida comum: a precariedade laboral e a educação. Ontem a Comunicação Social fez o favor de mostrar a importância de ambas – o não-caso de Vila Nova de Gaia e a escuta a Santos Silva mostram como o jornalismo português está demasiado dependente de interesses, eventualmente diversos e onde a boa-educação está, há muito, à margem da profissão.

Em Gaia, à falta de melhor, uma jornalista resolveu escrever um conjunto de falsidades e, sabendo eu, que a jornalista teve acesso documental à informação verdadeira, pergunto:

-em que momento a senhora se esqueceu da sua carteira profissional? No momento em que talvez se fosse vingar de algum acontecimento passado? Ou no momento em que talvez estivesse a ajudar alguém?

Aliás, também Os truques da imprensa questiona a jornalista:

“1. Ou Margarida Gomes não sabia do arquivamento, o que é pouco verosímil, tendo em conta que a jornalista terá contactado o DIAP para confirmar a existência da queixa e, se sabia da queixa, sabia necessariamente também do seu arquivamento.

2. Ou Margarida Gomes preferiu nunca mencionar de forma explícita o arquivamento da queixa, optando por deixar no ar uma eventual investigação em curso, favorecendo a sua narrativa e o enviesamento do caso e utilizando para isso uma redacção ardilosa ou mesmo manhosa (o que significa uma queixa “estar” no DIAP? Pode incluir “estar” (arquivada) no DIAP? Num caixote do lixo? Numa gaveta? Ou em fase de inquérito?”

Uma coisa dou como certa, Jornalismo, não é de certeza e a ética não se faz assim.

Percebo a banhada autárquica que se aproxima do PSD e até imagino como gostariam de recuperar Gaia, mas não creio que seja a sul do Porto que a cavalgada de Rui Rio para a liderança laranja vai ser questionada. A derrota do PSD e de Passos Coelho vai mesmo acontecer e Rui Rio vai chegar lá, mas não creio que esse seja um problema de Gaia. Logo, não creio que este tipo de notícias tenha uma génese partidária. Nacional, claro. [Read more…]

O estranho caso da destruição de documentos do processo Gaianima

ga

A insólita inundação na CM de Gaia, relatada ontem no Aventar pelo Bruno Santos, que praticamente só afectou documentos referentes ao processo Gaianima, um processo de tons alaranjados com os barões partidários, capos e homens de mão à mistura, é tão conveniente que parece retirada de um filme. Água a 80 graus, proveniente de uma conduta que rebentou, de uma repartição selada por ordem de um tribunal, tresanda a Hollywood por todos os lados. A Hollywood e a esturro. [Read more…]

Eduardo Vítor Rodrigues, uma escolha oportuna da SAD do FC Porto

evrpdc

Eu nem queria muito regressar ao tema do futebol, depois dos puxões de orelhas que levei no outro dia a propósito de uma brincadeira com um vídeo dos adeptos do Vasteras, clube sueco que exige 250 mil euros ao Benfica pela transferência do central Lindelöf, mas como desta vez o assunto até diz respeito ao meu clube, acho que consigo um desconto e talvez me safe de igual destino.

Com a saída Antero Henrique, abriu-se uma vaga no conselho de administração do Futebol Clube do Porto. E quem propôs a SAD para o lugar? Eduardo Vítor Rodrigues, o presidente da CM da Gaia que distinguiu o benemérito Marco António Costa. Parece-me uma escolha oportuna, até porque o meu clube até tem ali o seu centro de treinos, mas faz-me sempre alguma confusão ver a política misturar-se com o futebol a céu aberto. Que é feito da hipocrisia dissimulada, que nos fazia acreditar que estas coisas não passavam de conspirações orquestradas numa qualquer taberna de Carnide? [Read more…]

Uma sugestão para a playlist de Eduardo Vítor Rodrigues

evrmac

Na hora do almoço, enquanto conduzia, dei por mim a ouvir a playlist de Eduardo Vítor Rodrigues, autarca de Vila Nova da Gaia, na TSF. Devo confessar que fiquei bastante surpreso, não pela escolha musical, que até me pareceu bastante agradável, mas pela ausência de uma dedicatória a Marco António Costa, esse grande obreiro da catástrofe financeira na CM da Gaia. [Read more…]

Porto e Gaia, muito mais que um Rio… a separar

De lugares comuns está a blogosfera cheia e poderia aqui recorrer ao chavão de que o rio une, não separa e tal… Mas, a unanimidade instalada em torno de Rui Moreira não permite a similitude total entre as duas realidades políticas das margens, esquerda e direita, da foz do Douro.

Do lado direito, Rui Moreira acaba de receber o apoio do PS e estarão a caminho outro tipo de apoios. Sinto-me tentado a partilhar da opinião do Ricardo no Manifesto74. Não tanto porque sinta como obrigatória a apresentação de uma candidatura do PS a todas as autarquias, mas porque é do debate que nasce a Luz. O Porto vive uma encruzilhada civilizacional – com a crescente presença do Turismo em todas as dimensões da cidades, importa equacionar os caminhos a seguir, nomeadamente no que aos residentes diz respeito. Nunca, em Democracia, o silenciamento que o unanismo provoca pode ser uma opção. E, só por isso, seria mais interessante o aparecimento de ideias e projectos com olhares diferentes para a cidade, que, de uma maneira ou de outra, tem um papel central no futuro do nosso país. Percebo, de qualquer moda a coerência de Manuel Pizarro que abraçando de corpo e alma a cidade durante quatro anos preferiu seguir este caminho, claramente, coerente – admito, até, que no seu lugar tomaria exactamente a mesma opção. Mas e permita-me, caro leitor, que leve o texto para o território das emoções: gostaria de ver mais opções para o Porto. [Read more…]

Dedicado

A 29 de setembro de 2013 entrei, pela via do voto, numa aventura absolutamente singular. Depois da intervenção cívica que havia concretizado num conjunto amplo de áreas, surgiu naturalmente a via autárquica. Havia, em Vila Nova de Gaia uma convicção que passava por afastar do poder a gente do Luís Filipe Menezes e para isso a derrota do Carlos Abreu Amorim era fundamental. No contexto de então, ir a jogo era o mínimo que qualquer cidadão de Gaia poderia fazer. E fui.

Permitam-me pois, leitores do Aventar, que partilhe uma espécie de texto pessoal e, claro, parcial, sobre o que tem sido a minha percepção do trabalho autárquico. Se, em tempo de campanha, estive no Aventar de forma clara e aberta, creio que não levarão a mal que, três anos depois, volte a escrever sobre a realidade autárquica de Gaia.

Não fui a votos apenas para impedir a continuação da desgraça Menezista. Fui por convicção. Em torno de um conjunto de gente nova e com vontade de mexer foi possível apresentar uma candidatura que o Eduardo Vítor Rodrigues personificou. E, quanto menos fé havia, mais aliciante se tornava o jogo e o dia 29 chegou e, com ele, os votos das pessoas de Gaia.

Três anos depois creio poder dizer que valeu a pena a nossa dedicação, o tempo investido na nossa terra e nas pessoas que cá vivem.

O trabalho feito para resolver os problemas financeiros é tão evidente que qualquer prosa poderá ser curta para explicar o milagre alcançado. Há fragilidades e erros? Certamente, só a inércia total é ausente de lapsos. Mas, procuro olhar para a vida com um olhar positivo e tento retirar das experiências que vou tendo as lições de vida que nos fazem crescer.

E, se não houvesse outra razão, o trabalho feito na área da educação justificaria a minha alegria três anos depois. A aposta é de tal forma estrutural que servirá, estou certo, de exemplo a muitas outras autarquias. O que foi um sonho, ganhou forma e hoje as nossas crianças têm uma realidade que nos parecia impossível. Temos, em muitos aspectos a Escola Pública mais capacitada para responder aos desafios do nosso tempo.

Três anos depois, valeu a pena ser narrador participante e, também por isso, parcial, desta história. E a Dedicação vai continuar porque o trabalho está longe de estar concluído. Voltarei para prestar contas, mas por agora era mesmo só para lembrar o aniversário.

Aceitam um desafio para um TRAIL?

Na Serra de Negrelos, mais conhecida por Serra de Canelas?convite

 

Uma Terra, um Mar.

blue_marble_fuller_br

“Que a Terra fosse toda uma. Que o Mar unisse, já não separasse”. (Fernando Pessoa)

O Dymaxion Map.

Douro, um rio privado

img_4299

O denominado Táxi Fluvial do Douro, a ligar já em 2016 pelo rio a Ribeira do Porto e a Beira-Rio de Gaia (e não as “Ribeiras” de Porto e Gaia como erradamente dizem as notícias) é um projecto empresarial privado pertencente à maior empresa de Vinho do Porto a operar em Portugal, a The Fladgate Partnership, dona, por exemplo, do Hotel Yeatman, em Gaia.
[Read more…]

Cu-é-cus em Gaia

Vai gira a situação em torno da construção no espaço que, nos últimos anos, recebeu o Marés Vivas. E, como muitas vezes acontece, estamos a perceber as motivações da Quercus que, como muitas outras entidades, desenvolve a sua actividade, numa área nobre da sociedade mas, respeitando muito pouco a nobreza de procedimentos.

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, respondendo à Quercus, publicou uma série de documentos que mostram de forma muito clara o que foi a relação entre a autarquia e a Quercus nos tempos de outros senhores. [Read more…]

Celebrar a Europa

Filhos e Pais, juntos, em Palco. Para celebrar a Europa.

cantataeuropa_FINAL

Dia 30 de abril no Europarque. Rigorosamente a não perder (vídeo).

A Visão dos

Mistérios de Gaia.

PJ está em GAIA

Em política o que parece é, embora esta frase nem sempre possa ser classificada como verdadeira. Ou, dito de outro modo, a verdade em política depende das circunstâncias.

É verdade que em Gaia o PCP tentou desde o primeiro dia sugerir ao Presidente Eduardo Vítor uma auditoria às contas do mandato anterior. Mas, é também verdade, que o PC sabia que o Tribunal de Contas estava por cá e, estando por cá o “auditor – mor do reino“, fazia algum sentido contratar uma empresa privada para o fazer?

Para clarificar um bocadinho o boato que vai circulando pelas marginais a sul do Douro, talvez fosse importante dizer que, se calhar, o PCP estava informado que a PJ, com sede na invicta, atravessava a ponte com alguma frequência…

Pergunto outra vez: com o Tribunal de Contas e a PJ no terreno, a auditoria serviria para o quê?

Como se vê, pelas notícias de hoje, há trabalho feito e em curso. Que não reste, disso, qualquer dúvida como o PCP de Gaia sabe.

Não sou jurista e por isso não sei se houve ou não crimes mas que o buraco parece não ter fim

Ao contrário do silêncio. Esse, acabou!

Carta ao Sr. Menezes – em Gaia há mais uma cratera

Sr. Menezes, chegou mais uma!cimpor

Encarrega-me o remetente postal da missiva em dívida – uma sociedade do Luxemburgo, segundo se sabe – de dar conhecimento a Vossa Excelência da decisão judicial.

Sim, é verdade – Vila Nova de Gaia e os gaienses continuam a pagar a sua gestão municipal descuidada, incompetente e sem respeito pelas normas da lei e do bom senso. Desta vez, são uns míseros 3.63 milhões de euros pelo colocação de um sinal de proibição!

Parece-lhe pouco? Daria para 6849 meses de salário mínimo, ou seja, para 570 anos de salário a um trabalhador ou, até para pagar um funcionário em cada escola do Concelho durante 5 anos!

Espere! O senhor Luís Filipe está a achar pouco porque a condenação inicial passava os 32 milhões, é isso? Pois, mas sabe, na Câmara está alguém que procura gerir com cuidado o dinheiro que é do povo, embora a nova gestão seja obrigada – pelos erros do passado – a recorrer a um mecanismo de saneamento financeiro para tentar ganhar algum futuro.

Se aos  14 milhões da outra carteira, se juntarem estes 3,6 começa a ficar mais clara a qualidade da sua gestão que nos levou até aqui.

Mas, já que estamos numa de abertura, permita-me a pergunta: não acha que este sinal ficou um pedacito caro?

Não lhe parece que seria adequado Vossa Excelência sentar o dito cujo onde é devido, para prestar contas, porque se é verdade que a Democracia o castigou na Invicta, não é menos verdade que as facturas continuam a cair do lado de cá do rio?

Sou quem sabe, até à próxima factura,

MAClata: a falta de vergonha de Marco António Costa

macNão é fácil encontrar palavras para descrever o que se sente em Gaia, de cada vez que Marco António deixa o cativeiro e aparece perante o país, como se fosse o mais puro dos anjos à superfície do planeta.

Vamos lá ver se conseguimos explicar, de forma breve, o cenário a sul do Douro, nomeadamente à nova (velha?) liderança laranja que, pelos vistos, à falta de melhor, vai buscar inspiração ao que de pior a política tem: Marco António Costa.

Este senhor, a quem não se conhece profissão, continua a ter um currículo onde Vila Nova de Gaia não existe. Mas, apesar da vergonha manifestada pela sua passagem por cá, sentimento generalizado a quase todos os gaienses, a verdade é que esteve cá. E as contas por pagar são disso prova.

Quando o povo os derrotou nas urnas, a bola da dívida bateu na trave dos 300 milhões. Ao nível da gestão autárquica, os últimos dois anos e meio, em Gaia, foram uma aventura, quer pelos sucessivos buracos (crateras!) encontrados, quer pela necessidade de associar rigor e criatividade, num processo destinado a personagens nada terrenas, como Lara Croft.

Mas, a realidade é o que é e ninguém fugiu às responsabilidades. O anuário dos Municípios Portugueses não podia ter sido mais claro: [Read more…]

Presidenciais (2): os resultados em Gaia

O Aventar é um espaço com história na blogosfera e creio que parte do seu sucesso resulta da nossa (in)capacidade de trazer à antena, visões que, quase sempre, ficam à margem das redacções. Tenho procurado promover essa característica trazendo Vila Nova de Gaia para o Aventar. Tenho um novo camarada geográfico e mesmo correndo o risco de tornar Gaia mais famosa que a Trofa, parece-me que é importante mostrar uma outra realidade.

Há de facto um lugar comum por estes lados que, confesso, tem pouca adesão com a realidade, até porque o Paulo numa dupla postagem, comete uma contradição – retira aos dirigentes nacionais do PSD o sucesso da vitória de Marcelo, mas depois atira para o PS Gaiense a responsabilidade pela derrota. E, nestas coisas, ou há…

Vejamos a história:gaiapresidenciais

  • Cavaco foi eleito com 50.64%, para voltar a ganhar, há 5 anos, com 52.95%. Em Gaia, começou por ter 46, 63%, para depois ganhar com 50.63%. Passou de 71568 votos para 62194 votos. Em ambos os casos, nada de muito diferente entre os resultados do país e do Concelho.
  • Sampaio, por sua  vez, nas primeiras Presidenciais deste século, teve 71236 votos em Gaia, 4 pontos percentuais acima do resultado nacional.

Não creio, ao analisar estas três eleições, que se possa concluir uma diferença significativa no comportamento eleitoral de Gaia. Mas, vejamos alguns dados relativamente às legislativas no presente século: [Read more…]

PS Gaia sofre segunda derrota nacional

Screenshot_2016-01-25-00-11-56-1

O concelho de Vila Nova de Gaia sempre foi considerado sociologicamente socialista. Normalmente o Partido Socialista ganhava folgadamente as eleições nacionais.

Gaia sempre foi um terreno difícil para a direita, nomeadamente para o PSD, tirando o consulado de Luis Filipe Menezes à frente da Câmara Municipal de Gaia, em que os sociais-democratas em coligação com os populares, conseguiram vitorias avassaladoras nas eleições autárquicas.

Porém as ultimas eleições nacionais têm desmentido a teoria sociológica que Gaia é socialista.

[Read more…]

A demagogia da letra D em Gaia

psdgaiaVila Nova de Gaia é uma terra fantástica para se viver e só as condicionantes financeiras estão a impedir uma afirmação da sua vitalidade de forma ainda mais visível, apesar do que tem sido feito nos últimos tempos. Não fico, por isso, surpreendido com a posição do PSD nos últimos dias. Até há uns dias, o líder do PSD Gaia era Firmino Pereira, um homem sempre presente na gestão de Menezes e de Marco António. Não se conhece uma única tomada de posição pública sobre o desastre financeiro que essa dupla nos deixou. Antes pelo contrário.

No entanto, o agora senhor deputado, não se inibe de aparecer publicamente com posições, no mínimo demagógicas criticando uma gestão que tem procurado colocar ordem nas contas da autarquia.

O já famoso caso da VL9 para além do absurdo da multa ao Presidente da Autarquia, obriga a Câmara a pagar 13,9 milhões de euros. Ora, qualquer pessoa percebe o peso deste número no orçamento municipal  – são 10%. Publicamente, o PSD veio questionar a decisão de Eduardo Vítor Rodrigues de recorrer a medidas de saneamento financeiro, mas sem fazer, mais uma vez, qualquer referência ao desastre que deixou a todos os que vivem em Gaia. [Read more…]

Marés Vivas

maresvivas1Viver em Vila Nova de Gaia é um privilégio.

Neste cantinho onde o Douro encontra o atlântico há gente boa, gente de trabalho, que se entrega, a cada dia, à construção de um futuro melhor para os seus. Todos os dias, desde bem cedo, há muita gente que cruza as pontes para ir trabalhar, havendo, também,cada vez mais, quem o consiga fazer do lado de cá do rio. E, toda esta gente, merece o melhor.

No entanto, os últimos acontecimentos em torno do espaço do Festival Marés Vivas mostram que no passado recente, as opções políticas em Gaia, foram tudo, menos a pensar nos Gaienses.

O Marés Vivas é uma referência no plano dos festivais de Verão, nomeadamente, pelo enquadramento que confere aos espetáculos – ali, juntinho às águas do Douro, entre a Afurada e a Reserva Natural Local do Estuário do Douro, local escolhido por imensas espécies de aves para um merecido descanso entre migrações e na época de acasalamentos. É, também por isso, um local, ambientalmente, sensível. [Read more…]

Marco António

Chegou a conta. Acho que é para ti. Ou fica por conta como a campanha do Menezes a líder do PSD?