Há Fome nas Escolas Portuguesas

O senhor ministro da Educação Nuno Crato não sabe que há escolas a cortar nas refeições dos alunos; o senhor ministro não sabe, está mal assessorado ou faz de conta que vive num país-maravilha. Há fome nas escolas portuguesas. O senhor ministro nega?

Portugal no bom caminho: fome nas escolas

No mesmo jornal, dois títulos: “Troika. Portugal “no bom caminho” e sem reajustamentos” e “Pobreza nas escolas. A fome sentou-se na primeira fila da sala de aula”. Assim, segundo os tecnocratas da troika, o facto de Portugal estar a cumprir as medidas impostas para baixar o défice e pagar os juros exorbitantes impostos significa que estamos a ir pelo trilho acertado, mesmo que, pelo caminho, seja necessário que as crianças passem fome. João Teixeira Lopes, aqui, comenta também o admirável mundo da troika.

Os marialvas da direita alegadamente católica e estranhamente darwinista levarão tudo isto à conta da pieguice e exultarão com os amanhãs que gemem, porque o sacrifício do luso preguiçoso e parasita é fundamental, para que a raça se fortaleça. Diante desse magno projecto que significam os estômagos vazios e os sonhos esvaziados das crianças?

O Diário do Professor Arnaldo – Ainda o drama da fome nas escolas

No dia 19 de Novembro, escrevi o post A fome nas escolas, relativo a uma situação concreta de que tive conhecimento na minha escola e que envolvia alunos meus.
Nos últimos dias, o texto começou a espalhar-se por mail e por diversos blogues de grandes audiências, trazendo para primeiro plano um assunto que, no fundo, não tem nada de novo. Infelizmente, a fome das crianças portuguesas tem vindo a aumentar constantemente nos últimos anos, na mesma medida em que os lucros das grandes empresas tendem a aumentar.
E há em tudo isto uma questão que é decisiva: como seria se não fossem as escolas? Se não fossem as refeições providenciadas pelas escolas, muito para além daquela que é a sua obrigação legal, e muitas vezes envolvendo dinheiro dos professores, já teria havido crianças a morrer à fome.
Quanto ao caso que denunciei, só espero não ter perdido o rumo daquelas crianças. Nos Conselhos de Turma de Dezembro, ouvi uns zunzuns acerca da emigração da família para o estrangeiro. Não sei se é verdade, mas o certo é que o aluno faltou à única aula que tive com ele neste Período que está agora a começar. Também não seria novidade os pais partirem e deixarem os filhos ao cuidado de familiares. Sinceramente, não sei.
Seja como for, agradeço a todos os leitores e comentadores que manifestaram a sua preocupação e posso garantir que farei tudo o que está ao meu alcance para a preocupação de todos não tenha sido em vão. Quanto à identidade da família, como é óbvio, nunca poderá ser revelada publicamente sem autorização.