O Diário do Professor Arnaldo – Ainda o drama da fome nas escolas


No dia 19 de Novembro, escrevi o post A fome nas escolas, relativo a uma situação concreta de que tive conhecimento na minha escola e que envolvia alunos meus.
Nos últimos dias, o texto começou a espalhar-se por mail e por diversos blogues de grandes audiências, trazendo para primeiro plano um assunto que, no fundo, não tem nada de novo. Infelizmente, a fome das crianças portuguesas tem vindo a aumentar constantemente nos últimos anos, na mesma medida em que os lucros das grandes empresas tendem a aumentar.
E há em tudo isto uma questão que é decisiva: como seria se não fossem as escolas? Se não fossem as refeições providenciadas pelas escolas, muito para além daquela que é a sua obrigação legal, e muitas vezes envolvendo dinheiro dos professores, já teria havido crianças a morrer à fome.
Quanto ao caso que denunciei, só espero não ter perdido o rumo daquelas crianças. Nos Conselhos de Turma de Dezembro, ouvi uns zunzuns acerca da emigração da família para o estrangeiro. Não sei se é verdade, mas o certo é que o aluno faltou à única aula que tive com ele neste Período que está agora a começar. Também não seria novidade os pais partirem e deixarem os filhos ao cuidado de familiares. Sinceramente, não sei.
Seja como for, agradeço a todos os leitores e comentadores que manifestaram a sua preocupação e posso garantir que farei tudo o que está ao meu alcance para a preocupação de todos não tenha sido em vão. Quanto à identidade da família, como é óbvio, nunca poderá ser revelada publicamente sem autorização.

Comments

  1. paulo alberto fernandes gomes says:

    Estimado
    Professor Arnaldo
    Li seu artigo sobre fome nas Escolas em Portugal.
    Este foi-me reencaminhado por um antigo nadador meu Moçambicano com quem mantenho relações de grande amizade desde os finais dos anos 70.
    ~Fui responsável pela recuperação de todas as Piscinas da Cidade da Beira em Moçambique e tirei muitas crianças da Rua e lhes arranjei comida e hoje ao que sei todos estão bem.
    Aqui em Portugal o problema é a completa insensibilidade dos Governantes que temos que cortam tudo o que é necessário à Educação, Saude, mas não cortam nas passeatas constantes a Bruxelas e não só, ao desperdicio do Erário Público em Bancos e situações de compadrio descarado.
    Infelizmente este é um País eternamente adiado onde temos um Parlamento de “lavagem de Roupa Suja”, um Presidente da República que não actua em defesa dos Cidadãos nem tem coragem para acabar a corrupção aos mais altos niveis das estruturas quer privadas quer públicas.
    EStá lá em Belém e isso sim para cumprir mandato e receber mais uma pensão de reforma choruda.
    Enquanto este Povo não se revoltar a sério e andarmos todos a lamber as botas aos Parceiros Europeus que no dia a dia só nos enterram e empurram para o FMI e para o BCE não teremos um País independente que até já a lingua vendeu em Prol do famigerado acordo literário.
    Até lá estimado Professor só nos resta pedir solidariedade ao Povo para que minore a fome dessas crianças pois se ficarmos à espera dos Governantes muitas irão morrer por certo.
    Receba os meus melhores cumprimentos
    Paulo Gomes
    Professor e Treinador de Natação Reformado

  2. Caro Prof. Arnaldo,

    Obrigada pela partilha… Gostaria de ajudar de alguma forma.

    Manuela Mota Ribeiro

  3. maria clotilde says:

    Quanto a mim temos de ver em quem votamos. Depois não embarcar nos produtos estrangeiros e apostar nos produtos portugueses reclamando por agricultura, pescas … para haver mais emprego. Empregos: obrigar todas as vagas a serem preenchidas. Emprego para comprarmos com os salários e acabar com as esmolinhas que o estado apregoa. Mas às vezes temos de ajudar numa sopa aos vizinhos.
    Clotilde

  4. ligia teixeira says:

    Li o artigo sobre a fome nas escolas e fiquei impression ada com a história daquela mãe.

    è de facto veradde que a senhora tem aquelas dificuldades??
    gostaria se possiovel de ter a morada ou o contacto dessa familia para poder ajudar se for possivel.
    Obrigada.

  5. Virginia Freire says:

    Muito obrigada por partilhar esta experiência e por ter apoiado.
    Estamos no tempo de reagir e agir e o nosso contributo desenvergonhado deve motivar-nos a exigir que quem nos representa nos governe… para isso se propoem e para isso nós os elegemos. O despudor da cegueira do que nos envolve é vexatório!
    Sinto-me mal! Eu tenho vergonha… porque será que quem nos governa não tem?
    Sou voluntária leccionando numa Universidade Sénior … os alunos não têm 99 centimos para comprar um livro de Inglês, só tive uma solução comprá-los e oferecê-los!
    Um grande abraço solidário a todos os que agem e reagem!

  6. Maria Couto Soares says:

    Sr. Prof. Arnaldo, acabei de ler o caso verídico que publicou com o título “A fome nas escolas”. Se, por acaso, voltou a ter contacto com esses alunos em situação tão triste, diga-me alguma coisa, gostava de enviar ajuda. O meu mail é mariaf.mcs@gmail.com. Obrigada

  7. Olhem para a Tunisia

  8. andreia oliveira says:

    eu sou mae de 2 filhos,nao imagino nao ter dihneiro para lhes dar de comer,acho que morria.Temos de fazer algo para modar isso,mas o que? Nos sommos pequeninhos e eles e que mando.

  9. Sérgio Cordeiro says:

    Enquanto isso eles passeiam-se em carros topo de gama…com almoços nos restaurantes dos melhores hóteis…com fatos que custam mais do que um orçamento familiar médio…com habitações que aperecem nas revistas de luxo…
    Enfim…sejam de que quadrante político forem, reivindiquem o que reivindicar, eles são mestres do teatro…do faz de conta…do diz que não disse…
    Eles prometem o que não têm intenção de cumprir…
    Eles beijam crianças hoje nas feiras pouco se importando que amanhã elas não tenham o que comer…
    Eles inauguram escolas com Magalhães e quadros interactivos…mas esquecem de investir onde realmente interessa…
    Eles cortam à classe média-baixa para encher “os outros”…
    Eles criam impostos e reduções extraórdinárias sabendo que quem mais tem não vai pagar…
    Eles têm um discurso social mas…só têm mesmo isso…Um discurso!!
    Eles comem tudo…eles comem tudo…Eles comem tudo e não deixam nada!!

  10. Carla Nobre says:

    Só hoje li esta situação…e de dia para dia este tipo de situações está aumentar. Eu e várias pessoas amigas de animais, sim animais, temos vindo a unir-nos e a ajudar familias carenciadas que passam fome, mas que não deixam nunca de se preocupar com os seus membros da familia que têm 4 patas.
    E cada vez mais me tenho apercebido que há muita gente a lamentar, mas muito poucos a chegarem-se à frente, a efectivamente ajudar quem tanto precisa… especialmente estas crianças que não sabem porque têm de passar por estas privações! Quando me falam do Banco Alimentar até me dá arrepios… Será que têm consciencia das ajudas que o Banco Alimentar dá? Então eu digo-vos de casos concretos que conheço. O Banco Alimentar entrega PALETES de arroz, ou seja quilos e quilos de arroz POR SEMANA, sempre às mesmas pessoas. Não interessa se de facto elas precisam ou não! E depois temos pais aflitos com a situação dos filhos, a quem é entregue uma lata de Salsichas e um Bolycao porque o arroz está todo na despensa de alguem que não dá saída a tanto arroz! É verdade o que vos digo! É triste mas é! Portanto não sei se devem contar com este famoso Banco Alimentar, que gosta tanto de aparecer na televisão, se calhar o melhor é cada um de nós comprar um pacote de leite, arroz, carne, peixe, pão.. para evitar que esta familia passe fome. Obrigada.

  11. claudia cristina pinheiro says:

    Antes de comentar, obrigado por expôr e partilhar a experiência que teve.
    Eu também sou mãe de dois filhos, um com 12 anos que frequenta o 7º ano, tal como o seu aluno; e outro com 7 anos no 2ºano.
    Sei as dificuldades que esta mãe tem.
    É com grande desgosto meu, que os de dentro (ou seja, o governo), ajudem os de fora do país e não ajudem os de cá. Existem muitas pessoas carenciadas em várias maneiras no nosso país.
    Eu não digo que não ajudem as pessoas de foram, mas tem de haver prioridades em tudo.
    Fico muito triste com este tipo de situações, e gosto de ajudar o próximo no que puder e estiver ao meu alcance.
    Sofro de Esclerose Múltipla, mas não deixo que esta me derrube, tal como esta mãe que menciona, tentando de tudo para levar a vida em frente. Sei também que por vezes é difícil, mas a vida tem de continuar e por vezes uma palavra na altura certa, ajuda muito, que foi o que tentou fazer.
    Dou o meu BEM HAJA para o professor Arnaldo.

  12. Mafalda Sofia Santos says:

    Boa tade Professor Arnaldo
    Tal como os demais também eu lhe dou os meus sinceros parabéns pela iniciativa!

    Mas mais do que a demagogia de quem tem responsabilidades e de quem deveria resolver o problema, li comentários que me chocam nomeadamente que quem se interroga se estas situações estão mesmo a acontecer.

    Interrogo-me eu onde vivem as pessoas?

    Como mãe emociono-me com a dificuldade dos pais dessas crianças e não imagino o desespero e a dor.
    E também me compadeço de si ao verificar que tinha sido tão duro e não soubera na realidade reparar.

    A minha filha mais velha agora com 14 anos, no 2º ano do ensino básico público numa terra de província veio pedir-me se podia levar lanche para uma colega que era a única que só tinha o leite fornecido pela escola. Indagando descobri as dificuldades familiares e prontamente ela passou a levar 2 lanches para a escola absolutamente iguais e cheios de mimos que felizmente posso oferecer como queijinhos e croissants e como tal diferentes do tradicional papo-seco com manteiga (que me perdoem pois eu gosto muito do papo seco mas já vão perceber). Diariamente a lancheira chegava integralmente vazia. Passados alguns meses e ignorando alguns apelos da minha filha vima a descobrir que levara um estalo da professora porque tinha sido mal educada com ela. E foi-o porque a professora, instigada por uma funcionária, entendia que eu, a mãe que voluntariamente decidiu duplicar o lanche, só devia dar um papo seco com manteiga e não devia dar o resto dos mimos. Eu tenho essa professora enquanto profissional em muito boa conta. Mas esta situação foi um descalabro completo. E tive que me apresentar na escola no dia seguinte para pedir desculpa à professora pois nada justifica a falta de educação da minha filha e também nada justifica o estalo da professora. Mas acerca do lanche nunca falou comigo. Apenas com a minha filha.

    Por isso Professor Arnaldo não se culpabilize. Infelizmente o senhor está muito mais acima da média do que pensa.

    Quanto às pessoas que tanto querem ajudar esta senhora, fica uma sugestão: se os vossos filhos frequentarem uma escola pública perguntem-lhes porque infelizmente vão descobrir muito facilmente famílias que já ponderam retirar os filhos da escola proque simplesmente e apesar o escalão A não podem dar nem de comer nem o material escolar aos filhos. E se não tiverem os vosso filhos na escola pública falem com as vossas empregadas porque aprecem de certeza esses casos infelizes de pobreza envergonhada.

    BEM HAJA professor

  13. Professor, fiquei chocada com o seu texto que recebi por email. Não tinha qualquer indicação da fonte de onde tinha sido retirado, mas apesar disso lá o consegui encontrar. Uma vez que só li o texto hoje e já se passaram alguns meses, gostaria de lhe pedir mais informações sobre o caso pois gostaria muito de ajudar. Estou desempregada mas vou fazendo umas coisas aqui e ali por isso faço questão de partilhar, ainda que seja pouco. Muito obrigada pela partilha!

  14. manuel martins says:

    Bravo Professor! Este será um caso em milhares! Não sendo nada que eu não soubesse, quero deixar-lhe o meu apreço, pela sua coragem, pela sua frontalidade. bem haja! Sabe, aqui na minha terra ( Guimarães) também há crianças a passar fome, há pais a enganar o estômago, e no entanto,a nossa terra vai gastar 115.000.000 na capital da cultura!!!! Para quê? que vai restar depois de 2012? que restou na cidade do Porto? a casa da musica, cheia de derrapagens e inaugurada fora do tempo! Estamos entregues a bicharada!!!!!! ALGUÉM GOSTA E GOVERNA-SE…

Trackbacks

  1. […] ADENDA: Uma explicação do Professor Arnaldo. […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s