Quanto mais evoluímos, mais nos afastamos da nossa própria evolução: um fenómeno geracional

Hoje em dia já não se medem as distâncias em metros ou quilómetros, ou, até, em minutos. Já são poucos os que dizem “serão 20km, demorarei 30min”.

Agora, no mundo novo e admirável, medem-se as distâncias consoante a percentagem de bateria que se tem no telemóvel. Hoje diz-se: “serão 20km, tenho 18%, devo chegar a tempo”. ‘A tempo’ de voltar a carregar o telemóvel, pois claro; não ‘a tempo’ do compromisso. E isso afecta o nosso dia-a-dia, o nosso humor e a nossa predisposição; falo, pelo menos, e infelizmente, por experiência própria. Actualmente, quando o telemóvel fica inoperacional, apercebemo-nos de que perdemos grande parte das nossas capacidades de interagir com o próximo, especialmente quando ‘o próximo’ está à nossa frente, em carne e osso, na vida real. E este é um fenómeno premente, sobretudo, nas idades mais jovens. Fazer conversa com um idoso enquanto se espera pelo autocarro foi substituído com fazer conversa com um desconhecido, atrás de um monitor iluminado, muitas vezes sem saber sequer se esse desconhecido é real ou não. O Ser Humano continua à espera da chegada da vida alienígena, quando o mesmo anda alienado faz tempo.

Estamos já tão moldados pelas novas tecnologias que chegaram e, em tão pouco tempo, tomaram conta da nossa vivência a todos os níveis, que chega a ser confrangedor o nível de satisfação que atingimos quando temos um gadget qualquer com a bateria nos 100% ou quando encontramos uma tomada para podermos carregar o té-lé-lé… mesmo que essa tomada nos obrigue a sentar no chão… de uma estação de autocarros em ruínas… em Idanha-a-Nova… e que o chão cole.

Assim vai o mundo e nós vamos com ele. Quando formos, os gadgets ficarão… até que se lhes morra a bateria.

MacTrete

Mudam-se os tempos…

Pois é, pois é, isto com as evoluções tecnológicas dá para apreciar como os tempos vão mudando. Ainda se vivia na ilusória bonança e lá se exibiam as engenhocas – cujo nome chique é “gadgets” – que fascinam grande parte dos consumidores. A mim fascina-me antes a evolução das nomenclaturas, ao sabor dos tempos: já foram “aipodes”, passaram a “aipedes” e, quem sabe, se os próximos não serão “aitroika” ou “aifoge”.

A ver vamos…