Como um Burro no Meio da Ponte

Era a altura de o frango, o Partido Chupcialista, voltar-se para trás e enfrentar com coragem o inevitável, em vez de ficar como um burro no meio da ponte.

Nas diatribes estéreis entre PS e PSD, é o PS que neste momento joga a cartada de maior risco e a mais decisiva. Se quiser continuar a fazer cenas impostoras para consumo interno, mostrando-se sensível, bonzinho, nunca falando dos compromissos da nossa dívida pública e o seu peso, dando esperanças vãs a um conjunto de crédulos de que, com o PS no Governo, tudo seria diferente, vai assassinando a credibilidade externa do Estado Português, no sentido de se consolidar um padrão de fidúcia junto dos Mercados. Não é possível que em questões de vida ou de morte, como os sinais de boa-fé e sincera disposição em pagar, o PS ande aos ziguezagues, fazendo o jogo do chantagista. Onde é que pára o sentido de Estado?! Onde se encafuou a defesa dos interesses nacionais?!

Os Chupcialistas choram, queixam-se do facto de se estarem a confrontar com uma maioria absoluta, um Presidente da República e um presidente da Comissão Europeia, mas há que perguntar: não está o Estado Português organizado no sentido de dar tacho aos meninos dos partidos? Não está o Aparelho de Estado atochado com pessoal partidário sedimentado ao longo das décadas para respaldo dos Governos, não é isso ter poder?! Não está a sociedade atochada de comentadores e gente de Esquerda que diz o mesmo e do mesmo se queixa, menos que os compromissos de défice sejam para cumprir, pelo menos tentar cumprir?! [Read more…]

A estética segundo Eduardo de Pitta

Foi pelo Nuno Castelo Branco que soube que a Câmara Municipal de Lisboa acaba de aprovar, com o beneplácito do ético António Costa, um execrável mamarracho (foto da esquerda) para o gaveto das ruas Alexandre Herculano e do Salitre, em pleno Largo do Rato.

Pelo Tiago, do 5 Dias, fiquei a saber que o grande socratista Eduardo de Pitta elogia muito o projecto e acha que o Largo do Rato ficará muito melhor do que está hoje (foto da direita).

Nada de surpreendente na forma como Eduardo de Pitta vê a arquitectura e a estética. São gostos e gostos não se discutem. Afinal, não se esqueçam de que para ele e para o seu amigo estas são lindas mansões.

A Câmara Municipal destrói o Rato

Naquele bem conhecido processo do “tanto insistir até conseguir”, a Câmara Municipal de Lisboa volta à carga com a questão do repulsivo prédio a construir no Largo do Rato, logo à entrada da Rua do Salitre.

É a completa cedência à destruição de todo o centro histórico de Lisboa que nas últimas décadas, viu devastadas as construções erguidas durante o século XIX. Este “projecto de arquitectura” nada mais é senão a suburbanização da capital e no eixo Largo do Rato/Alexandre Herculano e uma manifesta a vitória dos interesses especulativos, em detrimento daquilo que caracteriza a diversidade arquitectónica da cidade de Lisboa. Pior, consagra a quase completa terciarização de vastas zonas habitacionais.

Qual será a reacção da arq. Roseta e do arq. Sá Fernades?

Eles – os especuladores de negociatas – insistem e por isso acabarão por lograr os seus intentos. Até quando, o crime feito lei?