Causa e consequência?

Ainda a propósito das viagens.
Em Maio de 2014, António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, recebeu como prenda uma viagem a Turim, Itália, oferecida por uma empresa de Lisboa cotada em Bolsa.
Em Fevereiro de 2015, 8 meses depois, a Câmara Municipal de Lisboa a que António Costa presidia perdoou quase 2 milhões de euros em impostos a essa empresa .

PSD procura candidato para a CML

procura-se candidato para a CML

Ontem no DN. Na linha do antigo anúncio do Aventar.

Câmara de Lisboa deixa que o Hospital da Luz construa em terrenos municipais

luz

José António Cerejo

Lembram-se da escandaleira, sobre a qual muito escrevi no PÚBLICO em 2014/2015, da venda do mais moderno quartel de bombeiros de Lisboa ao que restava do Grupo Espírito Santo (GES) para alargamento do vizinho Hospital da Luz de que era proprietário, junto ao Centro Comercial Colombo?
Se não se lembram, aqui fica o essencial: a Câmara de Lisboa, pela mão de Manuel Salgado, vereador do Urbanismo, autor do projecto do dito hospital e primo direito de Ricardo Salgado (antigo patrão do GES), fez aprovar um plano de pormenor desenhado à medida dos interesses do Hospital da Luz, para que se tornasse possível ampliar esta unidade de saúde para o espaço onde se situava o quartel/museu dos bombeiros municipais; [Read more…]

Se o ridículo render votos, Cristas será sempre a campeã eleitoral

cristas

Descansem camaradas! Não, não vos venho falar da imagem colocada em epígrafe. Não vos venho falar da tentativa frustrada que a autora da imagem fez para tentar transparecer sensualidade de um feio e infantil vestido de kiwis. Não vos venho falar da imagem que a meu ver deverá ter sido o motivo que levou a Juventude Popular a promover a educação para a abstinência sexual nas escolas como aqui ironizou (e bem) o meu camarada João Mendes nem vos venho falar da falta de beleza da senhora, caso para considerar como um terrível act of god para a humanidade. Venho portanto falar-vos de Assunção Cristas, uma líder partidária bifurcada que nos dias que correm se tem assemelhado a um daqueles tentáculos das máquinas de brindes, ora focada em tirar com um crédito coelhos da cartola da gestão de Costa na CML, ora focada em tirar com a outra nabos da púcara do mesmo sujeito na AR nas questões da descida da TSU e da dívida pública.

[Read more…]

Aprendam senhores, aprendam como se enxotam mendigos e afins

radial

José António Cerejo

Este é um texto que era para ser irónico (se eu soubesse sê-lo) e que é dedicado à Câmara de Lisboa e à Junta de Freguesia de Campolide. Resolvi publicá-lo no dia em que, devido à vaga de frio que se faz sentir, foi accionado o plano municipal de contigência para a população sem abrigo.
Ora bem! A Câmara de Lisboa e a Junta de Freguesia de Campolide merecem um prémio. O nome do dito até pode ser Prémio da Inovação Social Autárquica, ou até mesmo do Empreendedorismo Social Autárquico – coisas muito na moda. Imagine-se que, discretamente, sem alarde, nem polémica, conseguiram resolver o problema dos mendigo romenos, um quebra-cabeças que muitas outras autoridades locais, um pouco por toda a Europa, procuram há décadas solucionar sem sucesso.
Que chatice, mendigos nas ruas, gente feia, porca e má a cada esquina e debaixo de cada viaduto, a incomodar quem passa, e quem manda sem poder fazer nada, atado de pés e mãos. E não há muros, arame farpado, rusgas policiais, ou brigadas de limpeza municipal, que lhes resistam.
Os gajos furam por todo o lado e não arredam pé. Chega o Inverno, o frio do Leste empurra-os para terras de clima mais ameno e aí estão eles de novo. É assim desde há mais de vinte anos. Sobretudo desde que a Roménia, com as suas insuportáveis minorias ciganas, aderiu à União Europeia em 2007. [Read more…]

Obras na Segunda Circular: Como se poderia fazer (quase) o mesmo sem gastar 12.75 milhões de euros

Neste post  demonstra-se como o Photoshop e o Google Maps podem ser usados para questionar a utilidade das obras que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) vai realizar na Segunda Circular.

A imagem seguinte tem aparecido, repetidamente, como ilustrativa do que será a Segunda Circular depois das obras que a CML pretende realizar.

segunda circular 1

1: Como a CML diz que vai ficar a Segunda Circular depois das obras (fotomontagem)

A primeira reacção que ocorre a quem conhece a área será, certamente, “ena, tanto verde!” E o leitor desatento poderá pensar que vale a pena todo este verde, mesmo que cause algum incómodo. Afinal de contas, quem não quer um melhor ambiente?

Acontece que o verde que as referidas obras irá trazer é muito menor, como se pode constatar na imagem seguinte.
[Read more…]

Ai Mouraria…

Mas que raio se passa na Câmara de Lisboa cujo executivo decidiu expropriar uma série de prédios na Mouraria para que ali se construa uma mesquita? Não colhe a declaração de que os “prédios estão devolutos e em mau estado”, já que uma linha de edifícios sofreu recentes obras de restauro por determinação do próprio Município. Compreendo a fúria estético-urbanística de Manuel Salgado, grande arquitecto mas medíocre político. Mas a deliberação colectiva é surpreendente. Sublinho que se a expropriação fosse para construir um templo de qualquer outra religião – ou servisse qualquer interesse poderoso – esta nota seria exactamente igual. Quem quer construir seja o que for sujeite-se a comprar os terrenos disponíveis e a seguir a lei como toda a gente.

de seguro morreu o velho

o partido socialista cumpriu hoje a sua tradição histórica\catarse enquanto titular do papel de maior partido da oposição. enquanto oposição, os líderes socialistas portugueses têm o estranho hábito de largar o primeiro boneco que têm à mão nos primeiros 3 anos de legislatura, deixá-lo afundar com o partido e intervir a 1 ano das legislativas, lançando aquele que realmente será o próximo primeiro-ministro. bailado protagonizado entre Costa e Seguro nas vésperas do último congresso socialista e a paz podre mantida no mesmo, culminada na histórica votação albanesa que acalmou e aclamou o inseguro (e in-sonso) tozé, conhece agora o seu verdadeiro significado.

Costa precisava de tempo. tempo para vencer a Câmara Municipal de Lisboa. tempo para fortalecer a sua posição num dos maiores cadernos eleitorais do país. Costa sabia a milhas que a re-eleição na CML estava garantida. contudo, Costa queria certificar-se do número exacto de votos que conseguiria alcançar em Lisboa. Costa tratou de negociar com Seguro: “Tozé, sabes perfeitamente que mexendo os meus peões mando-te abaixo num instante. Sei bem que és o líder da máquina e que dominas uma parte significante das concelhias, mas, politicamente, não tens carisma, não sabes ler nas entrelinhas e tão pouco percebes de timings de actuação política. Ficas à condição até às europeias” – assertivo é afirmar que a pressa era afinal de contas muita. assim como a pressão. [Read more…]

É disto que o país precisa

Gastar dinheiro a trocar calçada. Aprovado por unanimidade, multiúsos e rotundas (com estátuas) têm sucessor à altura.

Escândalo António Costa na Duque de Loulé

14699225_Nglt5

Já há uns quatro anos fui alertando para este crime urbano que a CML prepara na Duque de Loulé. O Público em boa hora avisa a população para este estranho caso, numa cidade que rapidamente perde as suas referências oitocentistas. E é esta mortal tripla Costa, Manuel Salgado  & BES/Salgado que está infalivelmente presente em todos os atentados que se acumulam. Tudo isto é muito estranho, não é?

O Costa do “soma e segue”

812693_4457152429241_343370238_o

O “grandioso herói” do momento, infelizmente prossegue a sua laboriosa saga de descaracterização da capital portuguesa. A Câmara Municipal de Lisboa permitiu a construção de um horrendo mastodonte cuja estrutura é aquela que a imagem mostra. Situa-se diante do Palácio do Correio Velho – sede da CPLP -, na Rua de S. Mamede/Escadinhas de S. Crispim. Qualquer lisboeta pensaria tratar-se de uma zona protegida, mas a perigosa e nefasta dupla camarária composta pelos srs. Costa e Salgado, tem um outro entendimento acerca da gestão do “caminho do Castelo”. Fica assim o Teatro Romano acompanhado por este triste sinal dos novos tempos. Um horror.

Costa e Salgado, este ménage à deux…

Avenida-Almirante-Reis-67interior

Já bem conhecida e batida habituée do Intendente, a joint-venture Costa & Salgado vai agora atacar aqui. Demolir, destruir, transformar a capital num tugúrio de fachadas, alumínios, jaccuzis e pladures, eis o que restará desta vereação da “Cãbra Municipal” olissiponense.

Estado vende ao estado. O contribuinte paga.

A venda por parte da CML dos terrenos do aeroporto, do CCB e de mais uns anéis ao estado central é uma miserável vergonha. Vejam bem, algo que já é do estado, nós, passa para outra secção do estado, nós, numa operação que envolve a transferência de vários milhões de euros do estado, nós, para outra parte do estado, nós.

Estaremos perante um milagre como o das rosas mas no qual se gerou dinheiro? Naturalmente que não.

[Read more…]

A verdade silenciada


No momento em que a Câmara Municipal de Lisboa manda retirar os candeeiros de ferro fundido que no Terreiro do paço estavam desde o século XIX, aqui estão umas verdades pronunciadas por um homem há muito saneado dos ecrãs televisivos.

Grandeza (ainda não) perdida

A propósito das imparáveis demolições de edifícios antigos nos centros urbanos portugueses, noutras paragens vão resistindo peças arquitectónicas de grande valor estético e que são também património nacional de dois povos. Neste caso, a foto documenta o hospital da Ilha de Moçambique, onde à pureza das linhas, podemos acrescentar uma certa grandeza evocadora de outras paragens. Lourenço Marques/Maputo, também tem sido poupada às demolições extensivas que são coisa corrente por cá, na sua antiga capital metropolitana. Sabendo que a falta de dinheiro e de “oportunidade de negócios” podem ser poderosos aliados da preservação de muito daquilo que os nossos antepassados construíram, a actual escassez de crédito representará (?) um feliz travão a tudo o que os “srs. Costas autárquicos” têm feito em Portugal.

Um bunker da especulação. Responsável? A C.M.L.


Para “grande surpresa” de António Costa – como se acreditássemos… -, a aberração será mesmo construída. Sob ameaça de instauração de um processo judicial, o promotor imobiliário conseguiu o que queria, ou seja, a construção de um mostrengo inútil, horroroso, digno mictório para qualquer transeunte. Assim e uma vez mais, ninguém tugiu nem mugiu e fez-se o habitual teatro do “faz de conta”. O pior de tudo, consistiu na escabrosa abstenção dos “partidos da direita” na Câmara Municipal de Lisboa que para cúmulo da cobardia, alegaram que “não compete aos vereadores avaliar a natureza artística da obra, mas sim agir em conformidade com a lei”.

Mais uma vitória da coligação Costa/Salgado/Zé, com os seus oportunos “abstencionistas da direita”. Não há tino, nem direito.

Saiba mais acerca do que se passa através do Lisboa SOS.

Solidários? Siiim… mas poucochinho, por favor. Ok?


O Movimento Partido da Terra entregou ontem na Assembleia Municipal de Lisboa, uma interessante proposta, visando a entrega a uma instituição de solidariedade social do concelho, das senhas de presença dos deputados no areópago (cerca de 80€ por cabeça).

John Rosas, o deputado municipal do MPT, afirmou: “É com grande satisfação que, em nome do partido que represento nesta Assembleia Municipal, o Partido da Terra, venho submeter à consideração de V. Ex.ªs a aprovação de uma Moção na área da intervenção social.”

Esperava-se uma reacção de imediato apoio, talvez até com algum entusiasmo. No entanto, o resultado foi o seguinte: todos os partidos componentes da Assembleia Municipal de Lisboa (PS, PSD, CDS, PCP, BE, PEV e “independentes do PS”), votaram contra a proposta, chumbando a dita solidariedade, rotineiramente por todos eles apregoada como “grande princípio da república”. Apenas o MPT votou a favor.

É esta, a preclara moral da trombalazanagem que governa, põe e dispõe. Ficamos elucidados.

*Correcção: o CDS “absteve-se”.

"Cambroens" de Lisboa…


Não perdendo nem um minuto a imaginar os “ses” do 25 de Novembro de 1975, deveremos antes salientar algo de infinitamente mais útil, como a exposição a partir de hoje patente no Museu da Cidade de Lisboa. Consiste numa recriação virtual de alguns dos principais pontos de interesse da capital destruída pelo terramoto de 1755. Note-se que esta iniciativa tem o “alto patrocínio” da Câmara Municipal de Lisboa, uma entidade que nas últimas décadas se afadiga em ser protagonista do novo cataclismo destruidor que tem arrasado esta cidade, vítima da edilidade sempre obcecada com cambroens que façam os amigos arredondar as suas contas bancárias in e off-shore. Mais uma ironia da nossa “estória”, bem ao nível dos seus principais protagonistas.

A propósito de “cambroens”, aqui deixamos o seguinte comunicado, recebido via Octanas:

[Read more…]

Pragas salgadas, num Egipto perto de si


Lembram-se deste edifício na Duque de Loulé? Pertencia ao Departamento das Florestas, estava em perfeito estado de conservação e foi demolido em menos de uma semana. Inacreditavelmente, não foi incluído na lista do Inventário Municipal – o prédio/porcaria da SPA lá está, por incrível que vos possa parecer – e assim, a sua destruição não foi passível de discussão nos órgãos competentes da CML. Tal se deve dever ao desejo de rápida adequação aos “novos tempos”, até porque o casarão neo-medieval, era dos tempos da “ominosa monarchia”.

Foi susbtituído por este miserável monte de betão que como podem ver, nem sequer pode ser considerado como um “mérdico” trabalho de arquitectura. Uma caixa de sapatos com janelas abertas, tectos baixos e Pladur às toneladas, focos no tecto, uma grande garagem, lataria, pedra “fake” e vidralhada, é praticamente tudo o que haverá para ver. Tudo para a especulação. Ergueu-se pela intervenção do famigerado Fundo de Reconversão (!) Imobiliária BES, uma parte dos domínios do senhor Ricardo Salgado. O detentor da pasta do urbanismo/demolições em Lisboa, é o senhor Salgado (Manuel Sande). Uma dupla mais temível, do que todas as pragas do Egipto juntas e agravadas!

Salgado&Salgado. Entretanto, o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, já deve ter percebido com que tipo de gente, é administrada a Câmara Municipal de Lisboa.

Coitado do Fontes Pereira de Melo!

Lembram-se desta casa, situada na esquina da Av. Fontes Pereira de Melo com a António Augusto de Aguiar? Já não existe. Em três dias, os prestimosos demolidores fizeram um rápido trabalho e onde durante um século existiu esta construção, está hoje mais um buraco. Os responsáveis? Os senhores da famosa e impune parceria António Costa, Manuel Sande Salgado e um Zé “que faz falta”, enfim, a trupe do costume.

Pertencerá a nova construção – mais uma porcaria, podemos apostar- ao tal Fundo Imobiliário de “Reconversão” Urbana do BES? Se assim for, teremos uma vez mais a dupla prima Salgado BES + Salgado CML. Percebem?

O costume.

O Saldanha em betão


O escabroso, atinge as raias do ridículo. Quando há mais de um ano foram colocados os conhecidos painéis camarários com o já clássico “projecto em avaliação”, pensei que o Saldanha decerto perderia mais um conjunto de edifícios construídos na passagem do séc. XIX para o séc. XX. Pelos vistos, não me enganei.
A somar-se ao abjecto “Monumental novo”, ao suburbano Atrium Saldanha e à ignóbil miséria que é o edifício riscado por Taveira, a Câmara Municipal de Lisboa prepara-se para mais uma intervenção digna de ser classificada como simples banditismo urbanístico. As duas fotos, valem a revolta.
No local destes dois prédios, erguer-se-á uma montanha de betão, feia, do traço mais vulgar que possamos imaginar e que se destina a ser um hotel ao estilo do horrível Sana, na Fontes Pereira de Melo. Pobre Fontes, se soubesse para que serve o seu nome! Mais a poente, no Largo do Rato, voltará à discussão o famoso projecto do “mamarracho da esquina”, obra ao estilo da Organisation Todt, digna das defesas alemãs na Normandia. É a completa, intencional e criminosa descaracterização da Lisboa do liberalismo. Não apresentarem tal feito como contributo à centenária, já é por si, uma originalidade. Ou será esquecimento?
Dinheiro, dinheiro, dinheiro, mais ignorância, mau gosto e estupidez. Que gente…

Campo Grande 190: Lisboa Arruinada


Dois prédios para demolir, no Campo Grande. Disseram-me que serão substituídos por um monstro de betão semelhante à unidade hoteleira construída na Fontes Pereira de Melo e que ostenta a placa Sana. Mais um pavor.

Quando a 31 de Agosto de 1974 cheguei a Portugal com a minha família, vivemos um ano no Parque de Campismo* de Monsanto. Com muita dificuldade, os meus pais conseguiram alugar um apartamento num prédio recém restaurado, no Campo Grande 190. Uma casa grande, com seis assoalhadas, impecável e a cheirar a tinta fresca. A renda de dois contos mensais, era cara, dado o salário do meu pai que por essa altura dava aulas no Liceu de Alcochete. No entanto, vivíamos num tempo em que a renda a pagar, correspondia a 25% do ordenado que o “chefe de família” trazia para casa. A democracia impõe-nos agora um salário médio para uma renda. Se arrendarmos uma casa, esta encontra-se invariavelmente num estado de degradação total, sendo os inquilinos obrigados a proceder a obras. Rendas mais caras do que aquelas que se pagam em muitas capitais europeias, nomeadamente a capital do nosso Reich, Berlim.

Vivi no Campo Grande 190 até 1988, quando arrendei um pequeno T0 no Príncipe Real, uma zona onde fiquei – em três casas – até 2006.

O prédio à direita é imponente e até há pouco ostentava lindos azulejos Arte Nova, hoje desaparecidos. Nem a fachada será conservada, como seria de esperar. Lá vai Lisboa…

*Nunca mais fiz campismo, sabe-se lá porquê?

Destruição na Luciano Cordeiro: Lisboa Arruinada


Lembram-se desta casa que outrora foi a sede da editora D. Quixote? Estava há anos abandonada e a pedir que a restaurassem. Tal não aconteceu. A Câmara Municipal de Lisboa autorizou outro tipo de destino. Eis as provas.


Em quatro dias, o fim de uma casa bonita e que durante gerações albergou famílias e negócios. É a Lisboa democrática…

R. Forno do Tijolo: Lisboa Arruinada

Um prédio na Rua do Forno do Tijolo, pasme-se, propriedade da Caixa de Previdência do Ministério da Educação Nacional, conforme mostra uma placa dourada. Não sei se vai abaixo, mas o estado de degradação de um imóvel não muito antigo, indica que algo vai mal neste (ainda) nosso país.

Na Rosa Araújo: Lisboa Arruinada


Mais dois exemplares a demolir, objectos do interesse da coligação Bancos/Câmara Municipal de Lisboa

Pavilhão dos Desportos: Lisboa Arruinada


Um espaço de inegável beleza exterior, a merecer profunda remodelação interior – mantendo a traça original – por forma a recuperar a dignidade e utilidade perdida. Lembro-me de memoráveis jogos de hóquei em patins, saraus de ginástica e até, de comícios de todos os Partidos. Hoje, a cair aos pedaços, nem para o “Esquema” serve!

R. Rodrigo da Fonseca: Lisboa Arruinada


Muito perto da rua Braancamp, este prédio abandonado, concomitante com um pretenso “restaurante” McDonalds. Ao lado, um mamarracho moderno e à sua direita, um outro belíssimo exemplar do princípio do século, praticamente vazio.

Na 5 de Outubro: Lisboa Arruinada


Reparem bem no prédio à direita da segunda imagem. É com este tipo de construção terceiro-mundista que Lisboa pretenderá ser uma capital atraente para o turismo internacional?

R. Camilo Castelo Branco: Lisboa Arruinada


Um raríssimo e belo exemplar belle époque, há anos fechado e “para venda”. Adivinhamos o fatal destino. Reparem nos portões e grades das janelas e varandas. Estou tão seguro da demolição, como de amanhã ser quarta-feira, 12 de Maio. É o único edifício com verdadeiro interesse numa rua que foi completamente vandalizada. Por razões óbvias, gostaria que esta casa sobrevivesse, de modo a que a o nome do escritor não baptize uma pocilga ” Tegucigalpeña” no centro de Lisboa.
Já repararam que a Lisboa construída “em república post-1910” não consegue fazer parte da imagem que os estrangeiros têm da cidade? Dir-se-ia que por frustração, querem demolir tudo aquilo que se construiu até à época da “sopa do Sidónio”. Bela maneira de comemorar o Centenário!

5 de Outubro: Lisboa Arruinada


Espectacular prédio no 273 da 5 de Outubro, mais um exemplar de influência parisiense. Possui uma impressionante cúpula que parece estar num processo de rápida e “conveniente” degradação. Já emparedado, aguarda a infalível máquina demolidora. Ao que chegámos!