Beijos na boca

Uma história rápida mas com piada passada aqui há anos com a ponte da Figueira da Foz, projectada pelo Prof. Edgar Cardoso, teve um deslizamento de terras, muito dinheiro para colocar a coisa no sítio certo. Perante esta denúncia o então secretário de Estado das Obras Públicas respondeu qualquer coisa como:” o meu querido prof. não recebe lições de ninguem e este deslizamento até é bom porque vai dar trabalho a muita gente”. Enfim, trabalhar para aquecer tambem cria postos de trabalho…

Foi do que me lembrei quando vi aquela maravilhosa conferência de imprensa, com Sócrates e Jardim aos beijos na boca, atira-se com a Lei das Finanças Locais para a ribeira ( pode ser para as do Funchal…) acaba em nada, ou melhor, desaparece no mar, quem quer saber da maldita Lei que só travava o desenvolvimento, Deus é grande, manda uma enxurrada e o que estava certo deixou de estar, isto agora torna a ser uma farturinha.

Não está aqui em causa a necessidade imperiosa de socorrer as pessoas e bens, mas em vez desta festa de “alívio”( o dinheiro vem aí outra vez) seria essencial que o trabalho de Planeamento e Urbanismo fosse encarado seriamente de uma vez ; que se transmitisse a ideia que esta tragédia tem responsáveis; que o modelo de desenvolvimento da Madeira fosse revisto e modificado de cima abaixo ; que não se continue o atentado de lesa- Porto Santo ; que o dinheiro deverá ser aplicado responsavelmente a bem das populações e não ao serviço da máquina de betão e dos amigos que vendiam retretes e que agora têm uma dezena de empresas todas a fazerem negócios com o governo regional; que ver o primeiro ministro e o chefe do governo regional com olhos de carneiro mal morto é um péssimo sinal!

Com beijos tão mal amanhados nenhum deles vai perceber que cheira mal da boca !

ETA tanta coisinha da boa…

No dia em que o Aventar faz história com a posta mais hilariante da blogosfera nacional e já que se fala de terrorismo, ficamos a saber que a ETA também gosta de Óbidos, onde tinha aquilo que todos nós desconfiávamos mas as autoridades nunca quiseram assumir: a ETA utiliza Portugal como um dos centros operacionais.

Entretanto, a polémica lei com custos idênticos ao Euromilhões desta noite, acabou aprovada. Só falta saber se o governo vai querer continuar a prolongar este momento silly da season.

Em época de lampreia, nada como o regresso dos robalos como entrada para uma jantarada saudável. Mesmo quem não gosta do abrupto JPP, terá de concordar que o homem não é gago e está carregadinho de razão – nesta matéria.