Maria Flor Pedroso

Sempre tive uma boa opinião sobre Maria Flor Pedroso enquanto jornalista da Antena 1.
Mas o poder corrompe. Suspender um programa durante a campanha só porque incomoda o Governo, ou fornecer informação privilegiada a uma entidade sob investigação, é a antítese do jornalismo.
Maria Flor Pedroso fez isso tudo, mesmo que o Conselho de Redacção da RTP diga que não há provas.
Se o fez por ter sido pressionada superiormente, como nos tempos de Manuela Moura Guedes ou de Marcelo Rebelo de Sousa, é grave.
Se o fez de moto próprio, é ainda mais grave. Porque mostra uma ausência total de isenção e de imparcialidade. E um jornalista assim não pode ser levado a sério.
Quando foi receber o candidato do PS à entrada da RTP, de forma subserviente, Maria Flor Pedroso mostrou ao que ia. Depois disto, mais vale aproveitar a onda e ir trabalhar para a “Acção Socialista” ou para o “Povo Livre”.
É que, enquanto jornalista isenta e independente, estamos conversados.

CDU disponível para viabilizar Governo

mesmo com quem não queira sair do Euro. [RTP]

O inventor das SCUT

O pai de negócios escuros entre privados e estado e mesmo assim lembrado pelo projecto de lei contra a corrupção, em entrevista a Maria Flor Pedroso.