Mário Centeno: aqui está o link para a Grande Entrevista

realizada ontem por Vítor Gonçalves e emitida pela RTP3. Aqui onde? Aqui. 🙂
mario_centeno_RTP3_11NOV2015

Paulo Trigo Pereira

na sua primeira intervenção como deputado independente pelo PS, lembrando a legitimidade democrática não apenas  do Governo cessante como do que se posiciona para ser empossado, e fazendo a Passos Coelho duas perguntas fundamentais. Aqui.
paulo_trigo_pereira_AR_9NOV2015

À sueca

Márcio Alves Candoso

baralho_1

Assim ‘no escuro’, como se diz em alguns jogos de cartas, aposto que Cavaco Silva vai dar posse, com mais ou menos reacções vagais, ao Governo liderado por António Costa. Eu confesso que ‘pago para ver’ – hoje estou numa de jogo -, mas não poderá ser de outra maneira. E porquê?

Porque o Governo NÃO integra membros daqueles dois-partidos-que-a-gente-não-o-diz-o-nome. Essa terá sido a condição de Cavaco Silva para não pôr entraves à coisa – sem ‘virar a mesa’, portanto. Até porque, das forças que apoiam o Governo, quem mais perde com a ausência de PCP e BE é o PS. O que será uma pequena consolação para o refugiado de Belém, na altura de ter de engolir o sapo inovador, que é alcandorar ao poder um Governo de…. enfim, de esquerda. [Read more…]

Proposta de Programa de Governo para a XIII Legislatura: 10 medidas políticas [“desacordizadas”]

rosto_propostaprogramagoverno_esquerdas_convergentes2015

Criar condições para o exercício do direito de voto em qualquer ponto do País, independentemente da área de residência, sempre no respeito pelo princípio da verificação presencial da identidade.

A correcção dos erros de execução do mapa judiciário promovendo as alterações necessárias, sem prejuízo de proporcionar a realização em cada concelho de julgamentos que respeitem aos cidadãos desse mesmo concelho.

Avaliar a reorganização territorial das freguesias, estabelecendo critérios objectivos que permitam às próprias autarquias aferir os resultados da fusão/agregação e corrigir os casos mal resolvidos.

Criar condições de estabilidade do corpo docente e demais trabalhadores das escolas, quer com a vinculação, quer revogando o
regime de requalificação.

Estabelecer uma política clara de eliminação progressiva do recurso a trabalho precário e programas de tipo ocupacional no sector público como forma de colmatar necessidades de longa duração para o funcionamento dos diferentes serviços públicos. [Read more…]

Proposta de Programa de Governo para a XIII Legislatura: 10 medidas sociais [“desacordizadas”]

rosto_propostaprogramagoverno_esquerdas_convergentes2015

Proibição das execuções fiscais sobre a casa de morada de família relativamente a dívidas de valor inferior ao valor do bem executado e suspensão da penhora da casa de morada de família nos restantes casos.

Revisão de valores desproporcionados e excessivos de coimas e juros por incumprimento de obrigações tributárias e introdução de mecanismos de cúmulo máximo nas coimas aplicadas por contra-ordenações praticadas por pessoas singulares, designadamente por incumprimento de obrigações declarativas.

Agilização das situações e condições em que pode ser negociado e aceite um plano de pagamentos por dívidas fiscais, tributárias e à Segurança Social.

Aumento dos montantes do abono de família, do abono pré-natal e da majoração para as famílias monoparentais beneficiárias de abono de família e de abono pré-natal.

Criação de uma nova prestação, o Complemento Salarial Anual, que visa proteger o rendimento dos trabalhadores que, em virtude de baixos salários e de uma elevada rotação do emprego ao longo do ano, não auferem rendimentos que os coloquem acima da linha de pobreza. Estes trabalhadores nunca chegam a obter protecção e não estão protegidos pelo subsídio de desemprego devido à elevada precariedade laboral. [Read more…]

As dores de crescimento da social-democracia

ana_lourenço_entrevista_antonio_costa_SIC_N_6NOV2015

Lamento ver António Costa tratado como um delinquente e o PS como se tivesse ensandecido. Na entrevista de ontem, na SIC-N, Ana Lourenço (uma boa jornalista, perdida para o discurso autoritário prevalecente, que não admite alternativa), esteve no limite do respeito. O tom (arrogante, embora com a suavidade formal que a caracteriza), o conteúdo (sem isenção) e o objectivo (malicioso) das suas questões revelaram uma vez mais a agenda da Impresa, e também a que ponto está impreparada para fazer uma entrevista política daquela importância num momento como este. Talvez apenas Flor Pedroso (para falar dos jornalistas das tevês) tenha essa preparação.

Sem surpresa, as perguntas procuraram uma vez mais questionar a legitimidade democrática da coligação táctica que tornou possível a convergência da social-democracia do PS e do socialismo das esquerdas (sendo certo que em 2011 o PSD e o CDS agiram de igual modo para poderem governar com maioria parlamentar), escrever o futuro próximo da esquerda à luz da sua História recente, e, sobretudo, defender a prorrogação da licença do clube de acesso reservado ao poder a que chamam “arco da governação”.

Terminada a entrevista, o canal interrompeu a emissão (um debate de comentadores sobre a entrevista de Costa) para dar voz a Francisco Assis.

Carta Aberta a Francisco Assis

12190857_10201123673049830_3228731024177936480_n

«Caro Francisco Assis,

Como sabes o distrito da Guarda foi o único distrito onde o António José Seguro venceu.
Eu, como tantos companheiros, lutámos pela vitória de António José Seguro e atingimos os objetivos a que nos propusemos, mas foi um resultado muito curto e António Costa venceu e, sobretudo, venceu a Democracia. A partir desse momento e perante os resultados inquestionáveis o nosso líder passou a ser António Costa.
Tu foste sempre apoiante de António Costa e, como tal, nunca lhe regateaste elogios quer sobre as suas qualidades quer sobre a experiência política que tanto lhe reconhecias. Durante a campanha eleitoral para estas legislativas, tu próprio te insurgias contra o desgoverno que a coligação da direita trouxe ao nosso país, ou seja: mais pobreza, mais desemprego, mais emigração, mais desigualdade e mais dívida, sem resolver qualquer problema da nossa Pátria. Por conseguinte, participaste na campanha eleitoral, apoiando o secretário-geral, sem reservas e de forma incondicional, mas certamente distraído não registaste o facto do António Costa ter afirmado, com algum estrondo e significativo impacto, durante a campanha eleitoral, que não viabilizaria o orçamento da coligação.
Pois tens andado seriamente esquecido e deve ser ter sido do queijo da Serra que comeste aqui no distrito durante a campanha eleitoral, [Read more…]

Ora, deu agora ao miúdo para ir brincar com aqueles gandulos que moram nas barracas da extrema esquerda da rua.

«Quando a direita mais moderna, mas sempre respeitadora da família, fala em falta de responsabilidade, é a esta desgraça que se está a referir. O patriarca Cavaco teve de dar um berro, claro.»

[um caramelo no Vida Breve]

A esquerda e um novo encontro com a história constitucional

Santana Castilho*

As afirmações que se seguem são correctas no essencial, ainda que uma análise mais longa pudesse melhorá-las, com detalhes:

  1. Nos 41 anos da nossa democracia, o PS suportou demasiadas vezes políticas de direita, corroendo, assim, a sua matriz ideológica.
  2. Porque o PS, finalmente, resolveu fazer diferente e negociar com o PCP, PEV e BE, logo soaram as trombetas do alarme social e financeiro, sopradas pelos monopolistas do “arco da governação”.
  3. A tradição de desentendimento político entre a esquerda e a acusação sistemática de que PC, PEV e BE preferiam o protesto à responsabilidade de governar, agora que parecem em vias de reversão, viraram virtude para os arautos da inevitabilidade. Assumiram-nas como garantidas e aterroriza-os a hipótese de se ter fechado esse ciclo.

[Read more…]

Cavaco insiste em governo com maioria parlamentar

«O Presidente da República considera que o próximo executivo deve ter um apoio maioritário no Parlamento.»
[RTP, Maio de 2015]

Da fidelidade à política

«O PS, enquanto partido, só pode sobreviver no futuro, fazendo o que está a fazer, apesar dos ataques de Assis e acólitos seguristas.» [Maria João Cantinho]

ASSIStência

assis_tencia_psnov2015
[Estátua de Sal]

Pacheco Pereira: uma longa entrevista com uma análise brilhante

sobre o actual momento político e o que representa nos planos democrático, social (é essencialmente neste plano que José Pacheco Pereira tem construído o seu projecto historiográfico) e até filosófico. Notável descodificador de uma semântica não apenas artificial como superficial, Pacheco Pereira mantém-se isolado na sua trincheira – um caso único na paisagem de comentadores políticos em Portugal.

Ora ouçam por exemplo o que diz sobre a engenharia social e as recomposições sociais que as políticas radicais do Governo Passos/Portas forçaram numa sociedade extremamente vulnerável como a portuguesa. «A questão não é ter ido além da troika, mas ter tomado um conjunto de medidas cujo objectivo era alterar aspectos da composição e dos poderes sociais na sociedade portuguesa. E isso é inaceitável para um partido que se intitula social-democrata.»
pacheco_pereira_RTP_28out2015

«Portugal foi vítima de um golpe de Estado silencioso

que confirma a natureza profundamente anti-democrática não apenas da zona euro mas, e devemos lamentá-lo, da União Europeia.» [Blog de Jacques Sapir]
jacques_sapir
Sobre Jacques Sapir

«O mesmo Presidente que tem chiliques só de pensar nos comunistas portugueses

não transpira quando o Comité Central de Pequim entra país dentro a comprar tudo o que pode. Lá está, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.» Nuno Saraiva, com as palavras todas
[DN, Cavaco, o sectário]

«O golpe de Cavaco não foi palaciano

[mas] profundamente provinciano. (…)» [Pedro Lains]

“Manda o bom-senso e a História”

que Cavaco Silva indigite Passos (Santana Lopes, um “modesto comentador” na SIC-N).
Contra-argumento #5.
arguing

“O investimento no País seria hipotecado pela instabilidade governativa”

Contra-argumento #4.
E o empreendedorismo, e a competitividade, e a credibilidade junto dos mercados.
Pelo sim pelo não, o melhor será não correr riscos.
arguing

“Isto é tudo muito pouco transparente” (Miguel Relvas no Jornal das 8 da TVI)

Contra-argumento #3.
arguing

“Os votantes no PS, no BE e da CDU não votaram numa coligação”

Contra-argumento #2.
Mas lá está: em 2011, os votantes no PSD e no CDS também não tinham votado numa coligação.

arguing

Aritmética para desentendidos

maioria_parlamentar_de_esquerda_legislativas2015

«Seguir-se-á talvez aquilo que Costa repete:

não fará cair nenhum governo se não tiver alternativa para apresentar.»
[Uma análise de António Pinho Vargas]

Já só pode ser adiada,

«a realidade nova que, mesmo que o PS lhe falhe», faz sorrir o cronista.
[Tiago Mota Saraiva]

Surto de «reaccionarismo primário e destrambelhado»

atinge extrema-direita do PS.
12115701_1228138530545646_3778989475376965845_n
[Samuel Quedas, a propósito da demissão de Sérgio Sousa Pinto do Secretariado Nacional do PS]

Afastar António Costa da liderança do PS o mais depressa possível,

eis o objectivo urgentíssimo da direita, com o apoio do senhor Presidente da República, dos liberais do PS e de Bruxelas. Em nome da defesa do interesse nacional, da sensatez e da estabilidade, dizem. «70% dos que votaram pediram um governo formado pelo PSD+CDS e pelo PS», insistem os mais “atrevidos”.

Ai, Portugal, Portugal!

portugal-bandeira

Nestes dias, pós-Legislativas, de dúvidas, incertezas, reuniões, de avanços e recuos, de negociações para a constituição de um governo estável para o nosso País, apetece-me dizer como canta o Jorge Palma, Ai, Portugal, Portugal!

PC viabilizaria governo à esquerda

Ena.
[DN]

Esquerda canhestra orgulhosamente só

cafeteira_para_masoquistas_jacques_carelman
Cafeteira para masoquistas (Catalogue des objets impossibles, Jacques Carelman)

A confirmarem-se os resultados das primeiras projecções, saberemos várias coisas.

1ª – que a massa abstencionista votou no PàF, compreendam isto de uma vez por todas. Gente desinformada, vítima do desinvestimento na Educação e na Cultura que o PSD/CDS e o PS têm levado por diante, que se abstém por não perceber que o sistema não confere a esse não-voto de protesto o significado que gostariam que tivesse. Gente doente, também.

2ª – que a divisão da esquerda é um desgosto para a esquerda. A ausência de estratégia roça a náusea: os compromissos que não querem fazer, de que não são capazes, revelam a sua doença – doença histórica, de gente de pensamento anacrónico, que faz tábua rasa da realidade que não foi capaz de impedir e a que agora oferece um tempo extra, em nome, também, da manutenção dos seus pequenos poderes locais.

3ª – que as fantasias dessa esquerda são indignas da esquerda: as dos que prosseguem sonhando com um apoio popular maciço, com a sublevação revolucionária, sonhos de que não abrem mão, enquanto o povo definha e o neoliberalismo decadente sobrevive mais uns anos.

4ª – que permanece por experimentar um compromisso inteligente e estratégico entre todas as forças à esquerda.

5ª – que está por realizar um diálogo de compromisso com os pequenos partidos, indistintamente considerados. Negociar acção legislativa com os pensionistas e reformados, negociar acção legislativa com os ecologistas, conversar tudo isso, fazer compromissos. Aprendam a ceder, a dar e a receber. O diálogo democrático é isso. Apenas o Livre parece ter percebido isso.

Eu voto Pedro Passos Coelho.

Pedro-Passos-Coelho

Actualizado às 14h38.

Eu acredito na social-democracia. Por isso inscrevi-me faz quase 25 anos no Partido Social Democrata. O fundador do PPD/PSD, o saudoso Dr. Francisco Sá Carneiro, consubstanciou o seu pensamento politico no ideário de Eduard Bernstein, de Karl Kautsky e no SPD Alemão, do pós – segunda guerra mundial, de Willy Brandt e de Helmut Schmidt, adaptando-o ao contexto cultural português e à nossa sociedade.  O programa de Godesberg teve também uma influência importante na definição do pensamento social-democrata fazendo, desta forma, um corte com o socialismo-marxista. Entendo e defendo a social-democracia como uma ideologia em que o estado social deve assentar em três pilares basilares, a saúde, a educação e a segurança social. E estes pilares devem ser garantidos pelo Estado.

Tenho a honestidade intelectual de reconhecer que o governo de Pedro Passos Coelho, em diversas situações, esteve longe do cumprimento do ideário social-democrata, mas também reconheço que a conjuntura económico/financeira em que encontrou o País não deixava muito margem para a sua execução. Nenhum político faz cortes com prazer. Faz porque é obrigado a fazê-los. E Passos Coelho assim foi obrigado. Não fez tudo bem. Entendo que poderia ter tomado outras decisões e fazer as coisas de uma outra forma. Elogiei muitas vezes o Primeiro-Ministro, mas também fui critico em função de algumas das opções tomadas. Mas ser Primeiro-Ministro não é fácil, muito mais, na conjuntura que teve que enfrentar. Passos Coelho traçou um rumo, trilhou um duro caminho, conseguiu recuperar a credibilidade do país junto dos nossos credores e a nossa economia começa a dar sinais de uma efectiva recuperação. É óbvio que estes resultados foram alcançados com o sacrifício de muitos milhões de portugueses. Mas é o próprio Pedro Passos Coelho o primeiro admitir que sem a colaboração dos portugueses nada disto teria sido possível.

[Read more…]

Sondagem Eleitoral realizada por um cidadão através do Facebook

Outras projecções. O relatório aqui.