Pr’á veia

estado viciado em impostos 

OE 2011 aprovado pelo PS e com a abstenção do PSD. Um Estado viciado em impostos vai receber ainda mais impostos. Diz que é para baixar o défice, ou seja para reduzir a quantidade de dinheiro que o Estado gasta. Faz sentido.

E depois do tango…

E depois do tango... … passando pelo cantar ao desafio, eis-nos chegados ao chá-chá-cháda.

Entretanto, alguém que faça o meu CV chegar ao governo, já que me parecendo fácil poupar mil milhões, mais facilmente chegaria aos 450 milhões.

E não, 450 milhões de impostos não cobrados não são perda de receita, como diz Teixeira dos Santos. Pelo contrário, constituem uma poupança de 900 milhões, contando com os 450 que não se gastam e com os outros 450 que ficam disponíveis para as pessoas.

(imagem primeiro publicada aqui)

Poupar 1000 milhões é fácil

Ricardo Rodrigues, o deputado dos gravadores, alinha com a posição do seu partido e diz que as propostas do PSD para o orçamento implicam uma "perda" (!) de receitas na ordem dos mil milhões de euros e pergunta onde se vai buscar esse dinheiro.

É simples:

  • não gastar 408 milhões em publicidade
  • usar os 400 milhões que afinal não vão para a Mota-Engil
  • poupar 200 milhões na iniciativa "Redes de Nova Geração"  do Plano Tecnológico (eu também quero um Porsche mas não tenho dinheiro)

E ainda sobram 8 milhões para termos o leite com chocolate com, no máximo, o mesmo IVA de uma garrafa de vinho tinto.

Simples, não é?