Pai Natal Costa

Pai Natal Costa

Clique para ampliar

A imagem diz tudo. A maioria das empresas paga mais do que o salário mínimo nacional, pelo que, para estas, o desconto na TSU foi uma verdadeira prenda de Natal, como lhe chamou Jerónimo de Sousa.

E que empresas são estas? Todas as que tenham trabalhadores especializados e outras, surpreendentemente, também. O Dinheiro Vivo contactou algumas empresas em Janeiro deste ano e concluiu que a IKEA Portugal, o Lidl, o Grupo Jerónimo Martins, o Grupo Dia, o Grupo Aki e Grupo Lena (maioritariamente) pagavam, nessa data, acima do salário mínimo. Para cerca três quartos dos empregos em Portugal, a baixa da TSU traduziu-se num saldo muito positivo, se não mesmo num autêntico desconto.

Com efeito, o governo agradou aos gregos quanto ao salário mínimo. Que se lixem os troianos.

Mais salário mínimo e menos TSU, ou como não se deve agradar a gregos e a troianos

O desconto de 1% proposto pelo Governo para um eventual acordo cobre, no mínimo, 14,9% no acréscimo de custos das empresas com o novo salário mínimo. Se forem abrangidas todas as situações, como agora, o desconto pode chegar a superar o acréscimo de custos. (Jornal de Negócios)

Os patrões da competitividade graças a salários baixos, em vez de graças à qualidade e eficiência, estão a levar a água ao seu moinho. Na prática, está-se a baixar a sustentabilidade da Segurança Social em troca do aumento de uns euros num salário miseravelmente baixo.

Se isto não geringonçar, já que PCP e Bloco não estão a alinhar no esquema, falta saber se PSD e CDS vão apoiar o PS. A verificar-se esta situação, o PS parecerá um Dr. Jekyll e Mr. Hyde, que nuns dias é geringonça e noutros é caranguejola. Quanto à direita, nada de novo. Estão do lado do capital, como habitualmente.

Aumento do Salário Mínimo

Diz o dinheiro vivo que é de 586 € em Portugal. A crise foi-se embora!

O salário mínimo é um incentivo ao desemprego?

0001(2)

A excelente  professora Merkel e o bom aluno Passos Coelho

Merkel debitou para a imprensa – através do diário Bild Zeitung citado pelo ‘Público’ – a teoria de que numerosos países europeus se confrontam com uma taxa de desemprego mais elevada do que a alemã, porque o salário mínimo garantido favorece o desemprego.

O axioma da dita teoria não constitui novidade para os portugueses. Passos Coelho, em inícios de Março passado, já havia garantido:

Medida mais sensata para combater desemprego seria baixar salário mínimo

Desconfiado de que a ignorância o obstaculiza a saber e pensar pela própria cabeça – excepto no prodígio de acções e disputas de golpes baixos – é um óptimo transmissor de recados da fonte inspiradora da ‘sensata medida’, a amiga Merkel.

Não é surpreendente que se mova e profira sentenças, sobretudo tolices, ao estilo de marioneta usada no mimetismo da figura caricata que o artista levou para divertir a criançada. O risco de Passos Coelho enveredar pelo absurdo é, de facto, muito elevado, submetendo-se ao papel de personalidade, acrítica e ignara, naturalmente manipulável e apropriada a objectivos de refinadas estratégias de especialistas da ‘realpolitik’, caso de Merkel, Schäuble e companheiros holandeses, austríacos e finlandeses, em especial. [Read more…]