Acordo de Londres sobre as Dívidas Alemãs

Roubado no facebook dos Indignados Lisboaaordo de londres

Faz hoje 60 anos – Acordo de Londres sobre as Dívidas Alemãs

Entre os países que perdoaram 50% da dívida alemã estão a Espanha, Grécia e Irlanda

O Acordo de Londres de 1953 sobre a divida alemã foi assinado em 27 de Fevereiro, depois de duras negociações com representantes de 26 países, com especial relevância para os EUA, Holanda, Reino Unido e Suíça, onde estava concentrada a parte essencial da dívida. A dívida total foi avaliada em 32 biliões de marcos, repartindo-se em partes iguais em dívida originada antes e após a II Guerra. Os EUA começaram por propor o perdão da dívida contraída após a II Guerra. Mas, perante a recusa dos outros credores, chegou-se a um compromisso. Foi perdoada cerca de 50% (Entre os países que perdoaram a dívida estão a Espanha, Grécia e Irlanda) da dívida e feito o reescalonamento da dívida restante para um período de 30 anos. Para uma parte da dívida este período foi ainda mais alongado. E só em Outubro de 1990, dois dias depois da reunificação, o Governo emitiu obrigações para pagar a dívida contraída nos anos 1920.

O acordo de pagamento visou, não o curto prazo, mas antes procurou assegurar o crescimento económico do devedor e a sua capacidade efectiva de pagamento. [Read more...]

Um banco cheio de comunas

Citigroup acredita que Portugal ainda vai ter de pedir perdão da dívida

Fonte

€ureka

Eureka, a “Europa” pariu um perdão: depois de três anos de hesitações, metade da dívida Grega foi perdoada. Mas será isto uma boa notícia? Tomemos como exemplo o BPN. O que começou por ser um problema bancário e privado acabou num problema de Estado e público. Quem foi chamado, em última análise, para tapar o buraco? Nós, como se pode constatar no jornal i “Estado assume dívida de empresas públicas e do BPN à banca”. E como confirma o Público: “Custo acumulado do BPN no défice é maior que o corte nos subsídios de Natal e de férias”.

O tempo nos dirá se este perdão à Grécia não passa de um hiato até que este valor chegue a todos nós todos, europeus, via novos impostos.