Tenho Comido Amoras do Caminho

Tenho comido frutos silvestres do caminho.
Amoras. Uvas. Inaudita doçura.
Paro.
Fico à beira-ruínas,
esticando muito o braço para alcançar os mais túrgidos.
Quinze minutos entre colher e comer. Às vezes mais.
Ignoro os carros que passam
e talvez pasmem por trás do meu atrevimento recolector.

Acho que voltei àquela espontânea pureza da primeira infância
de não andar nada preocupado
senão com cada minuto grávido de si-minuto no meu dia,
entre amar, cuidar, entre ler, escrever, correr.

Suor.

Todos os dias, a cada dia,
chova ou não, tenho o meu Mar só para mim,
adorado e tocado da minha praia,
já esvaziada de hereges cegos ao grande e macio verde,
já livre de apóstatas do sagrado rebrilho, espumoso, azul.
Uma hora a contemplá-lo e adestro-me para todos os combates estáticos
nas vastas estepes da consciência.

Cada onda, coleando por sobre rochas milenares, é minha e saúda-me.
Cada rumor de maré que brame e brade é voz interior para mim.
Setembro crepuscular. Embrenham-se os humanos no que os devora.
Conservar o ilusório possuído. Aumentá-lo.
Mínimo e Minimal, floresço mais leve, estável, feliz.

Nómada de todos os Possíveis,
minha Praia, meu Mar voltaram a ser só meus,
coisa-pleroma só para mim, único a vê-los.

Comments

  1. sinaizdefumo says:

    Amoras em iogurte natural… yammm. Texto 5*.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.