Sim, de fato

CB

http://bit.ly/19xjqzd

A verdade, porém, é que, apesar de o final do período de transição ainda se encontrar distante, ao nível do ensino, das instituições oficiais, nacionais e internacionais, e das restantes entidades públicas, o AOLP90 já foi quase plenamente aplicado, como o Estado determinou, sem problemas de maior

— ILTEC, Lisboa, 21 de Março de 2013

No entanto, passados seis meses:

  • “Discriminação do ato, fato ou contrato sujeito a liquidação”.
  • “As dívidas por taxas prescrevem no prazo de 8 (oito) anos a contar da data em que ocorreu o fato tributário”.
  • “A paragem dos processos de reclamação, impugnação e execução fiscal por prazo superior a 1 (um) ano, por fato não imputável ao sujeito passivo”.
  • “No âmbito do Capítulo VI, Seção IV do anexo I da Tabela de Taxas do presente Regulamento (…)“.

Peço desculpa pela interrupção.

Agora, já podem continuar a encolher os ombros e a achar que isto não está a acontecer.

Era Abaixo-do-Vazio

Afira-se pelos livros, portanto, pelos leitores.

Síndrome do Franganote

À medida que a informação é recolhida e se repetem nas TV as declarações martirizadas e autovitimizantes de Nuno Lobo, além do cansaço e do tédio que suscitam, percebe-se melhor e até se reforça o problema de afirmação que ali medra em gérmen. Nuno é um franganote. E não tem culpa nenhuma disso. É da sua natureza ser franganote e reagir como um franganote. Eu simplesmente sugeriria que da próxima vez que cerrar os punhos na cara do Caldeira e do Pinto da Costa a propósito de um ou dois golos irregulares de uma equipa de Lisboa, o faça devidamente ladeado por guarda-costas com papel meramente dissuasor. O que não vale é provocar insolentemente o adversário, ter resposta à altura, e depois vir choramingar para as TV e chamar em sua derradeira assistência, em modo brutamontes-capanga, a nossa já tão assoberbada Justiça. Isso é o síndrome do franganote: num primeiro momento, atrevido; num segundo, com medo e em fuga aflita. Assim se comportam as crias de muitos mamíferos. Por isso, onde se lê Lobo, dever-se-ia ler chihuahua. O chihuahua da AF Lisboa quer, mas a medo, a hegemonia da AF Lisboa no Futebol Nacional e levanta cabelo, mostrando existir lá, onde ainda não tínhamos dado por ele. O défice de afirmação física, fisiológica, vocal, e até moral de Nuno Lobo tornou-se um espectáculo deprimente a que nos deveria ter poupado. Somado ao de Jesus, barafustando a torto e a direito contra a acção legítima da polícia, em Guimarães, apenas para cair nas boas graças da Tribo Aquilina, a deprimência nessa trincheira sulista passou à categoria de lenda piolhosa e treta famigerada. Parabéns.

A voceízação toma conta da sociedade

voce_sabia3

Confesso que estou farta, cansada de tanto «você».
E este cansaço torna-me violenta. Ainda não bati em ninguém, mas já faltou mais.
Vou a uma loja da Zon, a funcionária, simpática e solícita atende um cliente. Depois de o meu oto-radar apanhar o primeiro e o segundo «você», pus-me à coca. Comecei a contar. Durante o atendimento a um cliente, a menina tratou-o por você seis vezes. Se fosse comigo, não sei se aguentaria. «Você pode escolher os canais», «Você é que selecciona», «Claro, você faz assim na sua televisão»,…
Um dia destes enquanto fazia voluntariado, uma das pessoas responsáveis pela instituição, no mínimo licenciada, ao que percebi: «Preciso que você me dê aqui uma ajuda», «Você depois faz assim»,…
Você, Você, Você!
Não aguento!
Serei só eu?
Caros leitores, se alguma vez me encontrarem na rua e falarem comigo, a menos que sejam um negão bem jeitoso que me diga com voz rouca «eu quero você», façam o favor de me chamar Noémia ou até senhora. Na dúvida tuteiem-me.
Você nunca!

Mau Gosto e Mau Português

Aí está o condicionamento psíquico do redil eleitor provindo das hostes socialistas-bloquistas-comunistas. Será isto justo para os bons candidatos sejam de que partido forem?! Ir a jogo lealmente, isso é que o desespero segurista não pode nem o dos outros. Primeiro, foram as impugnações manhosas na secretaria, festa do PS e do BE. Agora, a tentativa do tudo ao molho contra o PSD e CDS-PP e fé em Deus, como se subjacente a uma eleição local não repousasse o princípio de escolher os melhores e mais capazes. Não se deixem enganar: dia vinte e nove, votem no melhor candidato do BE, no melhor do PS, no melhor do PSD, no melhor do CDS-PP, no melhor do PCP/PEV. Se fosse possível que nos vingássemos do Governo com eficácia, jamais poderíamos perder a oportunidade de nos vingarmos do PS igualmente, porque devastou e porque é frouxo. Infelizmente, não nos podemos vingar do BCE, da CE e do FMI, senão fazendo o que nos pedem e o que a Alemanha, por trás, exige inflexivelmente.

Imagens do Bairro de S. Sebastião

Ontem, Carlos Esperança partilhou isto na sua página de Facebook.
Copio para aqui porque retrata o que muitos de nós sentimos. Já li e reli várias vezes este texto e a teimosa da lagrimazita continua a cair.
Quem dera que fosse o governo e os interesses tão egoístas a cair. O povo, esse, creio que ainda é solidário com quem sofre.

«Imagens do bairro de S. Sebastião

Avalio o que é chegar a casa, ver a alegria dos filhos, e reprimir a lágrima de quem não sabe se mantem o emprego e a capacidade de os sustentar. Até quando a sopa e o arroz com carne de segunda, onde já falta a fruta, poderão perpetuar a dieta mínima com que se criam os filhos?

Hoje, do outro lado da rua do prédio onde moro, em frente a uma garagem, por baixo da capela, dezenas de pessoas aguardavam a distribuição de víveres que uma instituição religiosa distribui regularmente. Havia gente de todas as idades, negros e caucasianos, homens e mulheres, numa fila que cresce, em cada semana que passa.

Por pudor, quando passei, baixei os olhos, mas reconheci várias pessoas cujas carências ignorava. Até quando é possível manter a fome escondida, esta sobrevivência ameaçada e a dignidade atingida?

Nos olhos tristes de quem pede vi o reflexo de uma sociedade em fila a estender a mão à caridade, perdidos os sonhos de uma vida digna, espoliada do direito á felicidade.

Do meu bairro vi o País.»

Texto escrito por Carlos Esperança e publicado na sua página de Facebook

Qualquer semelhança com a realidade é pura sorte

Montou-se a confusão no bairro e o epicentro foi a loja do Mukta. Quando vamos à loja dele tentamos incomodar o menos possível porque ele está a falar no skype com uma multidão que se sucede a um ritmo estonteante. Homens, mulheres, crianças, quiçá parceiros de negócio, primos, irmãos, sobrinhos, antigos vizinhos, vendedores de automóveis, cobradores de impostos, velhos amantes.

Falam todos muito depressa, como se pressionados pela fila que se vai formando atrás. E apesar de não entendermos uma palavra do que dizem, não podemos deixar de sentir que viemos interromper uma conversa e intrometer-nos em assuntos onde não eramos chamados.

É capaz de ser pelas constantes interrupções que o Mukta mostra sempre um rosto tenso quando nos atende, e uma certa expressão de censura pelos nossos hábitos descomedidos. Entrega o cigarro comprado avulso como quem lhe apetece dar-nos uma descompostura por sermos viciosos. O mesmo com a cerveja, o mesmo com a embalagem de gomas reluzentes de E-226 e açúcar.

Eu tinha acabado de entrar e a miúda já lá estava, a remexer na arca dos gelados, e logo avançou para a caixa com ar enojado e uma coisa verde nas mãos. [Read more…]

À Luz Insólita Ramos-rosiana

Foi na Faculdade que em mim primeiro cintilou o encantamento pela poética ramos-rosiana. A impressão do gosto, da suavidade, da linearidade rugosa do texto, da luz insólita, ficou-me como o frutado de um bom vinho tinto algures na degustação, ficou-me como se tivesse sido eu. Desde então, o meu escopo não era bem lê-lo, mas ser-lhe similar, acumulador em palimpsesto de aromas poéticos rumo ao meu projecto de me tornar num Novo Camões, num Super-Pessoa.

AD Lousada reentra a vencer

ad lousada supertaça carlos fernandes

A Federação Portuguesa de Hóquei iniciou oficialmente a época 2013/2014 com a Supertaça, disputada entre o campeão nacional (AD Lousada) e o finalista vencido da Taça de Portugal (CF Benfica), da época transacta, e atribuiu ao troféu um significado muito especial ao homenagear uma das mais reverenciadas figuras da modalidade, o recém-falecido Carlos Fernandes, que ficará desde agora ligado com o seu nome ao troféu.

A AD Lousada, começa, assim, esta época desportiva como finalizou a anterior: a vencer. E acrescentando ao seu palmarés a segunda Supertaça da sua história, depois  da dobradinha de 2012/2013. [Read more…]

Aí estão as sondagens

As sondagens são um instrumento de acção política utilizada pelas máquinas políticas, que as usam tal como um outdoor ou um espaço nas redes sociais. Não sei se os Partidos conseguem condicionar a forma como a Comunicação Social as divulga, mas se o PSD parece conseguir condicionar a CNE…

Do ponto de vista formal obedecem a algumas regras, uma das quais exige a sua publicitação na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Existe ainda uma dimensão de análise mais técnica que permite um olhar mais matemático sobre os dados disponíveis. O Pedro Magalhães ( Margem de Erro) é um dos melhores especialistas nesta área.

Vem isto a propósito da sondagem de hoje do JN sobre Matosinhos. Não sei se os dados estão martelados e por quem – não vou perder um minuto com isso. A minha pergunta é outra. Podemos ler, na publicação que “Foram efetuadas 838 tentativas de entrevistas e, destas, 123 (14,7%) não aceitaram colaborar no estudo de opinião.

Isto é, 715 pessoas poderá ser uma amostra representativa do concelho?

E o que dizer sobre “a selecção foi feita de forma aleatória na lista telefónica”?

Quem é que hoje tem telefone fixo com indicação na lista telefónica? A propósito, ainda há listas telefónicas?

Requiem pelo I Programa de Resgate?

Se houver um segundo resgate é porque a política, o jornalismo e o comentário político falharam. Não sou, jamais serei, como outros que imputam quase exclusivamente a Passos Coelho o malogro do Primeiro Programa de Resgate. Não suporto a linha discursiva ultradestrutiva de Pacheco Pereira. Estranho muito João Gonçalves cujo conhecimento privilegiado da experiência governativa recente não se traduz em qualquer expectativa favorável para Portugal, em confiança no nosso destino, ou no recato de uma lealdade básica, mas apenas no ressabiamento, justificado ou não, pela própria evacuação com a saída de um dos melhores ministros, Álvaro Santos Pereira. Não podemos alegrar-nos por Portugal cair de borco; não se pode fazer figas por que naufraguemos, dadas as desavenças com o timoneiro em plena borrasca.

Como é que há gente lucidíssima que traz para a arena pública nada mais que a incontinência dos seus maus fígados, vísceras viciosas de quem detesta outra gente por razões muitíssimo pessoais?! Em todo o caso, se este Primeiro Programa de Resgate falhar, falha por razões bem amplas, até longínquas. Falhará porque terá estado errado? Sem dúvida, especialmente na tentativa de concentrar no tempo um sofrimento esmagador sobre milhões de nós. [Read more…]

Ah-Ah! ou «Arrá, ti peguei!»

Esta gente está a revolucionar o humor em Língua Portuguesa e com recursos absolutamente pechincha. Os textos têm qualidade. Os desempenhos são artesanais, espontâneos, conseguidos.  O efeito é viral.

Portugal não é a Grécia

Repitam comigo – a Universidade em Portugal não é a Universidade na Grécia.

Eleições autárquicas

Mais um Prospector de Protagonismo

Tinha de ser. Portugal e o Mundo têm agora o privilégio de conhecer Nuno Lobo. Ora, who the fuck is Nuno Lobo? Ninguém. Ninguém que importe. Não é o Papa Francisco. Não é Nelson Mandela. Não é João José Cardoso. Não é o Palavrossavrvs Rex, não é sequer a Catarina Martins de olhos arregalados e voz flauteada. Não é nada de importante, salvo se, provocando despudoradamente os elementos convidados do meu clube, FC Porto, no último Estoril Praia vs. FC Porto, em pleno Camarote, agora se faça de vítima, arrastando a atenção dos media sobre si e mostrando de que é feito um homem: de litigância. Há problemas, um bate-boca, um arrufo, uma cena mais viril, um anda cá a ver se não bebes?! Litiga-se. Há chatices entre homens, empurra-daqui, filho-da-puta-dali?! Litiga-se. Nuno Lobo, tinha de ser, é mais um a querer mimo, atenção e festinhas, para efeitos auto-promotores e tentativa de denegrir outros, arrastando a sua nula importância e ainda mais nula existência à custa do meu FC Porto. Consta que é o Presidente da AF Lisboa. Pois. Mas what a fuck vem a ser a AF Lisboa?!

Pergunta idiota

Posso dizer do António Ramos Rosa, dele não li um poema que me fosse às ventas e logo me ajoelhasse?

Voto branco e nulo = abstenção

A dolorosa a visão do país político que as autárquicas desvendam, as estradas de repente minadas de outdoors com engenheiros anafados a prometer mais do mesmo, a criatividade bacoca, as frases-feitas e os lugares-comuns acordizados, os discursos da obra feita em que não cabe o povo que agoniza na miséria do desemprego e da carência mais abjecta: o país real. Mas há mais mundo, cidadãos por Coimbra e outros por outros lugares, e haverá sobretudo mais País se não entregarem os pontos e forem votar. Não em branco, que não serve de nada (e nem mesmo se os milhões que se abstiveram nas últimas eleições votassem em branco), mas em alternativas ao marasmo corrupto e liberalíssimo de quem pensa a política como uma escada de ascender ao poder de subjugar todos os outros. Vão votar. A vossa abstenção não pune ninguém senão vocês próprios (sois masoquistas porventura?) e premeia os que conseguirem juntar mais votos, tanto menos necessários para serem vencedores quanto mais cidadãos se abstiverem de votar – assim funciona o sistema eleitoral.