Goldfinger à moda da casa

Lembram-se daquela cena de Golfinger em que o arqui-vilão, depois de promover uma luta de morte entre dois peixitos combatentes, dá o vencido a comer ao seu gato que aguardou sabida e pacientemente ao colo do dono? Ocorreu-me isto ao constatar que os donos da direita têm uma nova tarefa para os seus servidores: aproveitar a luta pela direcção do PS e, promovendo combates televisivos vários, alimentar-se dos despojos.

Ainda ontem, duas figuras de segunda linha – Brilhante e Perestrelo – se degladiaram ferozmente perante um Paulo Magalhães que, normalmente provocador e reacionarote, se deleitou deixando falar livremente os intervenientes, na certeza de que quanto menos interrompesse mais eles se enterravam. Como aconteceu. E não se espere ouvir nestas discussões uma ideia, um projecto, uma proposta concreta. Tudo o que se obtém é má língua, indiscrição, deslealdade. Só uma proposta concreta se ouviu: a redução do número de deputados, alteração das leis eleitorais e bipolarização forçada. E foi isto que me motivou esta nota. Esgatanhem-se, devorem-se, mas deixem-nos em paz.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.