O molusco

O molusco esteve em auto-contenção durante muito tempo, não fosse algum espirro fazê-lo sair da concha, deixando-o à mercê da necessidade de tomadas de posição claras. Conteve-se muito e cimentou a sua concha à rocha. Enfim, qual é a pressa? A extrema-direita também precisa de tempo.

Há um je ne sais quoi de Bento em Deschamps

E vice-versa!

Ambos foram médios. Raçudos e bons. E carregadinhos de mau feitio. Paulo e Didier, que até iam mudando de penteado com a idade, foram internacionais enquanto jogadores, nunca se lhes apontou grandes sequelas que a inteligência lhes tivesse outorgado, mas sempre foram considerados, por quem com eles viveu no campo e fora dele, pessoas honestas, de dar o litro. Havia até quem os considerasse frontais, até houve quem vendesse a imagem de que eram solidários, ao ponto de darem tudo pelo semelhante, desde logo a figura do jogador de futebol. Eram uma espécie de sindicalistas, defensores da classe. O que me parece uma extrapolação perversa, mas não sei.

Agora, o que ressaltou ultimamente é que ambos têm ódios de estimação, defendem-se bem dentro de uma clique de “amigos”, mas o grupo não pode nem ser grande nem prolixo, e, quanto menos egos, melhor. Continuar a ler “Há um je ne sais quoi de Bento em Deschamps”

coisas deliciosamente formidáveis

Quando Tozé Seguro enfrentou Francisco Assis nas eleições para a secretaria-geral do PS, a concelhia do partido do concelho do qual sou natural (Águeda) escolheu Assis. Assis perdeu mas o presidente da Câmara Gil Nadais (re-eleito pelo PS dois anos antes) fez acordo com Seguro para lhe ser granjeada qualquer coisita numa secretaria de estado caso o PS vença as próximas legislativas com o candidato a candidato Seguro como candidato a primeiro-ministro. Logo que a bronca estoirou entre Costa e Seguro, a concelhia local reuniu-se e aprovou uma moção que pede à nacional um congresso extraordinário, vontade inicial de Costa, manifestando o presidente da Câmara que estará com Seguro. Já o secretário concelhio, Edson Santos, vereador da CMA, foi recentemente constituído arguido depois de uma mega operação de investigação desenrolada pela Polícia Judiciária pela presunção de utilização indevida de verbas concelhias enquanto chefe de gabinete do referido presidente de câmara. Continuar a ler “coisas deliciosamente formidáveis”

Processos de selecção que precisam de ser melhorados

passos

(na foto: Passos Coelho observa o infinito, o único limite conhecido à sua cara de pau)

Passos Coelho entende que o processo de selecção dos juízes do TC deve ser melhorado. Uma preocupação que faz todo o sentido tendo em conta que são indivíduos como Passos Coelho que os escolhem. São factores de risco que, ainda assim e apesar de todas as vergonhosas pressões a que estão sujeitos por um governo incapaz de respeitar a Constituição no exercício das suas funções, não têm impedido o TC de trabalhar. Haja algum órgão de soberania neste país que o faça!

Continuar a ler “Processos de selecção que precisam de ser melhorados”

não iremos ceder porque isso seria ilegítimo perante o esforço que os portugueses…

chega de retórica. trabalho diariamente com mercados. sei o quanto são explosivos. o quanto são narcisistas. o quanto gostam de enriquecer, mesmo que a riqueza seja paga à custa de suor, de sangue, de ataques cardíacos, de prol suja, de fome, de miséria, de despejos, de incumprimentos contratuais, de salários mínimos ou meias rotas.

temos 133% de dívida pública. juros de dívida perto dos 4%. uma meta de consolidação orçamental fixada nos 4%. o nosso país ainda não tem financiamento garantido nos mercados, mesmo apesar destes 3 anos de chumbos do TC, avanços e recúos, diminuição de rendimento das famílias, destruição do poder de compra das mesmas, destruição da procura interna e consequentemente, destruição de 1\3 do tecido empresarial português. teremos possibilidade de emitir títulos de dívida muito amiudemente, sempre com mediação do Banco Central Europeu, podendo o estado português leiloar com maior e razoável (utilitarismo acima de tudo) regularidade bilhetes do tesouro desde que, por um período igual ou superior a 12 meses e com uma procura que não faça os juros pedidos pelos investidores ultrapassar a razoável barreira dos 0,6% (no passado mês de março, o estado português conseguiu financiar-se em 320 milhões de euros a 0,487% a 9 meses a 925 milhões a 0,587% a 12 meses). Continuar a ler “não iremos ceder porque isso seria ilegítimo perante o esforço que os portugueses…”

2014 NBA finals game 1

spurs

Disse que ia dormir no último post, mas não vou. Vou ver o jogo 1 das finais da NBA. Exercício sagrado desde 1996. Desde o tempo em que via Michael Jordan (sou bulleano assumido) voar mais rápido para os anéis de campeão do que para os seus próprios afundanços. Estou pelos Spurs. Não menosprezando LBJ, estou por quem derrote os Heat, estou por Duncan, estou por Pop mas, pela primeira vez, parece-me que os homens da Flórida estão realmente a jogar como colectivo.

Amanhã trago novidades sobre o assunto.