Bipolaridade lusa

Gosto muito deste nacional optimismo em relação à selecção nacional: acreditar sempre, crer que é possível, lutar até ao fim e coisa e tal.
É exactamente o oposto quando se pergunta acerca do país e da crise: isto não tem remédio, estamos desgraçados, este país está findo e blá blá blá.
Futebolândia 1 – Pátria 0.

Quando o Brasil sabe a México

portugal selecçao 1986 méxico

Antes do jogo, não acreditando embora desejando um milagre, fica aqui a minha declaração de voto: Paulo Bento conseguiu um lugar ao lado do grande Torres no memorial do futebol português, pedestal enormes  jogadores, péssimos seleccionadores.

O erro é o mesmo: colocar relacionamentos pessoais acima do óbvio,  joga quem está a jogar melhor, e quem se arma em parvo (o que no caso do Torres nem foi bem assim, os jogadores até tinham razão) fica em casa.

Fica isto publicado às 16h do dia 26 de Junho de 2014, com uma vaga esperança de ao fim do mesmo voltar aqui assumindo a minha idiotice, falta de patriotismo, crença, visão da Portugal como terra de milagres a começar no do Ourique que ninguém sabe onde foi. Era porreiro pá.

 

Resumindo em poucas palavras…

cocaine

Pelas “noticias” percebe-se que, logo, a equipa portuguesa terá que fazer o que nunca fez e esperar que a equipa alemã decida fazer o que não precisa. É isto que se ouve no folhetim “noticioso” desde que a selecção começou a arrumar as botas. Algo novo que justifique a repetição? Ora! O que faltava agora era começarmos a falar de critérios jornalísticos.

 

As americanas andam loucas

 

 

meeks-bild

Ele há coisas que me ultrapassam.

Uma delas é a maluqueira que gira em torno de Jeremy Meeks, um rapaz de 30 anos, um ladrão, praticante de assaltos à mão armada e até, diz-se por aí à boca cheia, envolvido em tráfico de mulheres. Foi apanhado e levado para o lugar que melhor lhe assenta.

A mamã do menino, cheia de pena do seu rebentinho, fez o que que faz qualquer mamã em desespero para salvar os seus filhos: criou uma página no Facebook, pois claro, para angariar fundos para tirar o seu anjinho da cadeia, que lá a vida é dura e o menino, coitadinho,acorda todos os dias a chorar. Logo ele, que nem merece ver o sol aos quadradinhos. Ele, que até estava a endireitar e só tinha uma armazita para protecção. E pelos vistos, a página ia em 50.ooo likes. Fiquei chocada. Fui verificar. Tem 3 páginas, duas como comunidade e outra como figura pública. No momento em que escrevo este post, uma das páginas tem mais de 203.000 likes, outra tem mais de 92.000 e a última tem cerca de 70.000. Um total de mais de 365.000. Trezentos e sessenta e cinco mil!

Continuar a ler “As americanas andam loucas”