Salazar, o precursor da corrupção moderna em Portugal

Fico sempre muito comovido, quando leio por aí que, no tempo do canalha fascista, Portugal era um paraíso de honestidade e boa gestão pública. Não era. Salazar é o precursor da corrupção moderna em Portugal. Foi comprado e serviu as mesmas famílias que ainda hoje compram e instrumentalizam políticos. Com a diferença que o canalha fascista reprimia a população e censurava qualquer tentativa de revelar a sua submissão aos Espíritos Santos e restantes traficantes de influências. Pena não ter apodrecido na prisão.

Comments

  1. JgMenos says:

    Todo o poltrão se sente gente a vilipendiar Salazar.

    Salazar é a assombração de uma esquerdalhada que nem tem noção do que seja a seriedade e para quem o serviço público é tudo o que lhe traga dinheiro ao bolso.

    • José Peralta says:

      Ó “menos”

      Vilipendiar salazar ? Assombração ? Continuas com os mesmos e humorísticos “vícios” de análise ! E o pior, (para ti, é claro…) é que pareces estar convencido da TUA VERDADE…

      Mas pelos vistos, só tens “aplausos” de alguns “saloios” empedernidos, como tu ! E, por muito que te esforces, não convences ninguém ! Vens aqui, exercer o teu direito democrático à livre expressão, que no tempo do botas, te daria uns belos “safanões a tempo”, uma “boa” tortura do sono, e umas “boas” chicotadas na lombeira…se não te acontecesse pior…

      Seriedade, serviço público ? Bufos e pides infiltrados na Função Pública, nas empresas, nos “sindicatos” corporativos, nos cafés, e em todo o lado…e pagos por todos nós !

      Não havia corrupção no “ditoso regime” que defendes ?

      Os poltrões dos ministros do manholas e as suas sinistras esposas hirsutas e vestidas de negro da “obra das mães pela educação nacional” ! A mortalidade infantil ! O analfabetismo. Os direitos da Mulher, etc., etc.

      Ó “menos”, vens aqui, para nos provares que a DEMOCRACIA, HOJE…EXISTE e…consegues !

      E, mal por mal, também, mesmo que por omissão, consegues provar que ELA é um bem precioso que é necessário preservar, para que não voltemos aos manholas com botas ou não, que começam a perfilar-se na Europa !

      • JgMenos says:

        À treta costumeira só lhe falta repudiar o Afonso Henriques por não ser democrático.
        Corrupção moral é pretender ignorar que o regime de Salazar sucedeu à Primeira República, que herdou um país falido e paupérrimo, que herdou um Império que já nos levara à Grande Guerra, que a menos de 10 anos da tomada do poder teve a Espanha em chamas e que de seguida teve o mundo em guerra mais de 6 amos, e que apesar de tudo isso o país cresceu economicamente e que o bem-estar da população sempre melhorou na Europa e fora dela.
        E quem negar este factos é um aldrabão.

        Uma palavrinha para as ‘vítimas do fascismo’.
        Pela maior parte treteiros e desertores, os mais queixosos eram antes demais vende-pátrias e agentes soviéticos: e quem não vir na descolonização e no PREC essa corja em acção, é parvo.

        E depois, nem teve subsídios nem empréstimos, e a tecnologia então disponível está a anos-luz da que hoje me permite dizer o que penso ante a frustração dos censores incapacitados de o serem.

        • Paulo Marques says:

          Tanto cresceu que quase todos tinham dinheiro para sapatos.

        • Mário Reis says:

          Oh menos és UM FACHO!
          É só ódio aos trabalhadores como o inimigo e mal do mundo… Execráveis e servis ideias que põe no céu uma casta de “eleitos” de exploradores e parasitas e no inferno os despojados e ignorantes, a quem não lhes resta senão servir.
          Nenhum problema se diante dessas ideias feudais com mofo, a ignorante condescendência de oportunismos e oportunistas do campo dito “democrático” não se estivessem a banalizar e construir uma ideia da representação que semeia e alimenta o projeto de poder politico que melhor fortalece o grande capital e alta finança: o fascismo!

          • JgMenos says:

            «É só ódio aos trabalhadores como o inimigo e mal do mundo…»
            Como todos os esquerdalhos, desonesto e treteiro, buscas na invocação dos trabalhadores a legitimação da tua desonestidade.

        • Nicolau Leocadio says:

          Nasci em 60 e vi as filas na casa do padre , vi octagenarias a carregar molhos de manhã para aquecer o casebre…encontravam-se mortos por falta de assistência e fome…lembro de minha mãe vir carregada de couves , alface , grelos e que mais e deixar nas portas alguma hortaliça e azeitonas que levava para no regresso as deixar , lembro de ela dizer que “não têm nada para comer” .
          Esse era o Portugal de que tu tanto gostas.
          Cada vez que vou ao passado é do que me lembro quando miúdo , as filas , as portas e o ajudar a puxar os molhos além de ter somente 8 a10 anitos.
          Ah , lembro também do chefe dos correios , o tal que abria as cartas a certas famílias e dava o carimbo para selar as cartas a outras para se poder escrever para o ultramar á vontade e sem medo de as abrirem…era neste terror e servidão que gostavas de viver.

          • abaixoapadralhada says:

            Nasci nos anos 40 e conheci bem o que se passava como relata.
            Esse salazarista JgMenos, não tem pinta de saber do que fala, pois o botas morreu em 1969.
            A maior parte dos que tem saudade desse tempo, ou eram uns previlegiados e assim percebe-se a sua imensa saudade, ou ou falam por ouvir falar, que deve ser o caso da ratazana fascistoide citada.

          • JgMenos says:

            Suponhamos que nasceste em 1960.
            Suponhamos que nasceste numa aldeola lá para trás do sol posto.
            Suponhamos que havia lá um padre que tinha algo para dar aos pobres.
            Suponhamos que terias uns 7 ou 8 anos de idade, para que tenhas tão clara memória.
            A probabilidade de estares a aldrabar para projectar uma ideia do pais que provavelmente é verdadeira nos anos da 2ª GG, é igual a 1, isto é, uma certeza.

            Original não és, pois todo o coirão esquerdalho sempre vem com esse discurso, com fotografias de mulheres vestidas de preto e de lenço atado -á cabeça, e o mais que é de uso em aldrabões que só fazem raiar o sol em 1974.
            Uns tristes, num país com demasiados sem-abrigo e putas por todo o lado.

          • Paulo Marques says:

            Tanta coisa para nada dizer, Cruz. Se quem ainda sobrevive diz sempre o mesmo, não é à visão de um idiota útil de subsidiodependentes que alguém vai ligar.

          • JgMenos says:

            Continua o Marques a babar-se por falar com o tal Cruz.

            Os sobreviventes dos anos 60 têm menos de 60 anos grande besta!
            E dizem todos o mesmo só na tua cabeça de imbecil.

    • Paulo Marques says:

      Para quem a seriedade é a subsiodepencia de quem lhe paga para tirar o dinheiro do país…

  2. Saloio says:

    Como não são capazes de fazer melhor, limitam-se a esgravatar incessantemente os alegados defeitos dos outros. Quem vos dera !

    • José Peralta says:

      Saloio

      “Como não são capazes de fazer melhor, limitam-se a esgravatar incessantemente os alegados defeitos dos outros” ?

      Para já, os “alegados defeitos do salazar” não são alegados, mas reais e milhares de Portugueses, de uma maneira física os sofreram na pele,, uns à distância outros nas perseguições,nas cadeias, nas torturas e assassínios da pide, nos tribunais fantoches.

      A história do manholas de S.ta Comba, TODA A GENTE a conhece.

      (Excepção feita a “alguns” saloios distraídos ; mas não é por tentarem, sem êxito, “dourar a lata” que ela deixa de ser a lata mais ferrugenta e pôdre… Ah ! E tenha cuidado com o tétano, ao… “dourar” !)

  3. abaixoapadralhada says:

    João Mendes

    Essa historia do Salazar toda a gente sabe. Mesmos os ainda hoje Salazaristas, como o JgMenos e outros saloios, conhecem bem o que ele fez e o que permitiu fazer.

    Aplica-se ao “botas” o dito popular: tão ladrão é o que vai à vinha como o que fica ao portão.

  4. JgMenos says:

    Sempre o horror ao lucro de alguns mobiliza as almas indiferentes à corrupção institucional e larvar de sistemas estatizantes. O horror aos corruptores vai de par com a entronização de sistemas corruptos.
    A trilogia – livre, independente e honesto – define um ideal que dizem burguês e que sempre que requerido a políticos logo se ouvem vozes reclamando que juízos de carácter não devem ser carreados à análise política!

    • Paulo Marques says:

      Como se não fosse o lucro desregulado que leva à corrupção endémica, como na banca e o que acontece aos fundos europeus.
      O Cruz deve ter achado que o Vara estava a falar a sério e só lhe deram robalos, ou que o Vieira só oferece camisolas.

  5. Isaac says:

    Ó Mendes,vai a um psiquiatra para ver se te curas do teu ódio pelo Salazar!!

    • Paulo Marques says:

      No tempo do teu querido era mais uma célula numa masmorra. Vá lá que os fascistas também aderiram ao SNS, é qualquer coisa.

  6. Julio Rolo Santos says:

    E os outros? Salazar viveu e morreu pobre, disso não há dúvida. Ladrões e corruptos continuam por aí e, no entanto, estamos em democracia. Estamos?

    • abaixoapadralhada says:

      “Salazar viveu e morreu pobre”

      Volto a dizer:

      “Aplica-se ao “botas” o dito popular: tão ladrão é o que vai à vinha como o que fica ao portão.”

      • Julio Rolo Santos says:

        Isso é o que diz o ditado popular porque quem vai á vinha é quem fica com o produto do roubo. Neste caso, Salazar limitou-se a ficar ao portão e olhe que não sou salazarista, muito menos salazarento.

        • abaixoapadralhada says:

          “Salazar limitou-se a ficar ao portão…”, mas permitiu que o Almirante Henrique Tenreiro, membro do seu séquito politico, fosse o mandante em todo o negocio do peixe, com o controle politico do SAPP (Serviço de Abastecimento de Peixe ao País), como pode ver no anuncio de 1967 inserido no blog abaixo. Henrique Tenreiro era o Delegado do Governo de Salazar, junto do SAPP, bem como junto dos Grémios de Armadores de Pesca

          https://restosdecoleccao.blogspot.com/2018/02/sapp-servico-de-abastecimento-de-peixe.html

          • JgMenos says:

            Ou és ignorante ou desonesto, provavelmente tens as duas ‘qualidades’.
            Logo os abrilescos caíram em cima desse almirante: fortuna – não havia; serviço público – em abundância.

          • abaixoapadralhada says:

            O salazarista Menos, gosta de chamar nomes a quem não concorda com ele.
            Mas é comovente o carinho que tem pelos fieis salazaristas, nomeadamente pelo Almirante Henrique Tenreiro, que para alem de delfim de Salazar, foi seu fiel servidor como chefe da Legião Portuguesa, organização fascista criada por Oliveira Salazar, para alem dos serviços prestados no negocio do bacalhau. Com a morte de Salazar a sua influência diminuiu e ele próprio entrou em decadência mesmo perante os novos senhores do poder com Marcelo Caetano.
            Quem quiser saber mais sobre H Tenreiro, pode consultar a obra de Álvaro Garrido sobre o assunto.

            Abaixo alguns trechos da referida obra:

            ““Sempre que a delicadeza do momento político sugeria o cerrar de fileiras ou quaisquer iniciativas de sentido coreográfico, Tenreiro era chamado.Assim o fez em diversas contra manifestações que o próprio organizava,servindo-se dos membros e dos meios logísticos da Legião Portuguesa e da obediência dos funcionários da Organização das Pescas, de modo a espicaçar confrontos e a justificar a intervenção das forças policiais. A mais significativa dessas acções «espontâneas» ocorreu por ocasião da chegada triunfal do general Humberto Delgado à estação de Santa Apolónia, em Lisboa, a 16de Maio de 1958. Nestas e noutras manifestações, Tenreiro coordenava as forças de segurança, distribuía tarefas e sobrepunha as suas funções aos poderes dos ministros.Em 1964 e 1969 apresentou aos ministros da Educação Nacional planos pormenorizados de neutralização dos elementos mais «subversivos» do movimento estudantil, ora mobilizando os meios legionários e brigadas da PIDE para reprimir manifestações mais ou menos previsíveis, ora apoiando a acção de grupos radicais de direita”.

            “O declinar dos anos 50 e toda a década de 60 constituem o período de maior consolidação dos poderes de H. Tenreiro. As várias dezenas de «organizações das pescas» mobilizam alguns milhares de funcionários, cujo recrutamento se presta a um intenso tráfico de influências e se submete a um permanente escrutínio político22. Até 1974 a Organização das Pescas funciona como agência política do regime, espécie de ministério informal onde se exercem as mais diversas e insólitas práticas de informação, mobilização e favoritismo políticos. Estamos perante uma rede tentacular que estendia as suas influências a certos domínios da administração pública e da administração colonial, nas quais Tenreiro colocava gente de «boas referências» e de insuspeita fidelidade sempre que era possível atender os inúmeros pedidos que lhe faziam chegar membros e ex-membros do governo, legionários e agentes da PIDE, altos funcionários da Organização das Pescas ou gente influente na sociedade lisboeta “

            “No período em que as guerras coloniais mobilizavam o governo a reforçar o investimento na «informação» da opinião pública, Tenreiro empenhou-se vivamente para obter do Ministério das Finanças subsídios para os jornais Diário da Manhã e A Voz. Mesmo que a contragosto de alguns ministros,obtinha deles tudo aquilo que pedia. No crepúsculo do regime, a eficácia do seu trabalho político, feito de influências e poderes pessoais, a todos se impunha como algo incontornável, de extrema importância na sobrevivência do «sistema» e na preservação de uma energia militante e mobilizadora à qual já poucos aderiam ”

            “Oriundo da marinha, Tenreiro fizera a tarimba política na organização corporativa. Nos tempos de descrença do pós-guerra acabou por ser um dos que mais contribuíram para projectar e legitimar as pretensas virtudes do sistema corporativo. Actuou sempre na linha de um estreme corporativismo de Estado— obsessão doutrinária que, de resto, nunca o preocupou —, antiliberal,paternalista e preventivo da repressão. Foi seguramente um dos homens que tornaram a organização corporativa mais comprometida com o poder político.De 1936 a 1974, H. Tenreiro actuou como uma espécie de condottieri para quem todo o poder foi sempre pouco. À medida que consolidou poderes cuja mobilização o regime não dispensou, fez das pescas um património pessoal para seu engrandecimento político. Com o decorrer dos anos, a racionalidade política cedeu o passo à ambição e a uma volúpia de poderes de escrutínio personalista e de fundamentos emotivos.“

          • JgMenos says:

            Estavamos a falar de corrupção económica?
            A propósito vem a atoarda «fosse o mandante em todo o negocio do peixe, com o controle politico do SAPP ».

            Em final o treteiro refugia-se na luta política e nos meios de um Estado autoritário.

            Cu ou calças?


  7. E porque se teima em concretizar-se um suposto Museu Salazar sendo designado de Centro Interpretativo do Estado Novo em Sta. Comba Dão, e pq surgiu e mt. bem uma petição que já foi enviada ao primeiro ministro- 17 mil e muitas mais assinaturas- e porque surgiu ainda uma outra Petição “Museu Salazar sim” ,
    e porque esse veio viscoso salazar/fascista alastra e invade :

    http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2019/08/museu-de-salazar-nao-informacoes.html

    O texto do presidente da Câmara veio tarde e a más horas. Há muito tempo que ele e o sobrinho do Salazar sonham com este projeto e nunca lhe haviam chamado Centro Interpretativo.

    Fazer um museu em Santa Comba é um insulto à memória de todas as mulheres e de todos os que foram perseguidos, torturados e assassinados.

    …” … aprofunde-se e ensine-se o que foi a ditadura fascista de Salazar. Homenageiem-se os sobreviventes à tortura e à brutalidade do regime nas cadeias para onde conduziam aquele bravos que discordavam da politica praticada

    Inadmissível a tentativa de branqueamento da ditadura. Ainda mais inadmissível quando isto acontece por proposta de um Presidente da Câmara eleito numa lista PS (muito diferente de ser socialista).
    A irresponsabilidade política, ideológica e histórica deste Presidente de Câmara inscreve-se perfeitamente num quadro cultural onde as referências liberdade, igualdade de oportunidades e fraternidade são substituídas por custo, valor, investimento, negócio, resultado, publicidade, reação puramente emocional, agressividade e ausência de memória crítica.
    Se quer abordar o tema da ditadura proponha um Museu da Ditadura onde, entre todo o espólio possível, reproduzisse salas de tortura onde fossem projetados filmes e fotos que as mostrassem. Isto assim seria um digno trabalho a favor da democracia e da civilização….”

    • JgMenos says:

      Insulto é negar aos portuguesas a sua história para tudo cobrir com o ranho esquerdalho que os reduz a esta mediocridade de 45 anos de marxismos medíocres e de negação do que fomos com nação.

      Canalha abjecta que tudo querem reduzir a uma quartelada tornada comuna e esquerdalha.

      E todo bardamerda se associa às vítimas de horrendas torturas do sono quando sempre jovialmente conviveram com Gulags, Mao e PolPots.

      SEM VERGONHA!


    • Alvíssaras !! Valeu !

      11 de Setembro 2019 :

      Museu de Salazar? Não! foi chumbado !

      O voto apresentado hoje na Assembleia da República pelo PCP, contra a «criação de um “museu” dedicado a Salazar em Santa Comba Dão»,
      foi esta tarde aprovado com os votos do PS, PCP, BE e PEV (e abstenção de PSD e CDS).

      PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS
      Grupo Parlamentar

      Voto de condenação n.º 876/XIII-4ª

      Da criação de um “museu” dedicado a Salazar em Santa Comba Dão
      O Presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão tem vindo a anunciar a criação
      para breve de um “museu” dedicado à memória do ditador Oliveira Salazar.
      Ainda que autodenominado de “centro interpretativo” e criado sob o pretexto de um
      projeto académico, mas com um espólio baseado em objetos pessoais do ditador, tal
      instalação, desprovida de elementos de denúncia real da natureza da ditadura fascista
      que durante quase meio século oprimiu o povo português, liquidou as mais elementares
      liberdades, condenou o nosso país ao atraso e à miséria, reprimiu, torturou e assassinou,
      mais não seria, a ser concretizada, do que um local de romaria de antigos saudosistas da
      ditadura e de novos apoiantes de uma extrema-direita que se pretende assumir cada vez
      mais como ameaça à democracia.
      A intenção agora reiterada já não é nova. Em 2007 deu origem à Petição n.º 412/X/3.ª,
      na qual se considerava a criação do Museu Salazar na casa onde viveu o falecido ditador,
      uma verdadeira “afronta a todos os portugueses que se identificam com a democracia e
      o seu acto fundador do 25 de Abril”, para além de desprovida de qualquer relevo para o
      estudo objectivo da história do Estado Novo.
      Nos últimos dias têm-se sucedido as manifestações de repúdio de inúmeros democratas
      perante a iniciativa da criação do “museu” dedicado a Salazar. Foi o caso da tomada de
      posição de mais de duzentos antigos presos políticos e apoiada por um abaixo-assinado
      subscrito por mais de 16.000 cidadãos.
      A Assembleia da República, órgão de soberania representativo da democracia
      portuguesa, reunida em Comissão Permanente no dia 11 de setembro de 2019,

      Condena firmemente a criação de um “museu” dedicado à memória do ditador
      Oliveira Salazar em Santa Comba Dão, independentemente da sua designação,
      considerando essa criação uma afronta à democracia, aos valores democráticos
      consagrados na Constituição da República e uma ofensa à memória das vítimas
      da ditadura.
      Apela aos promotores da criação de tal “museu” para que reconsiderem a sua
      posição e a todas as entidades, públicas e privadas, para que não apoiem, direta
      ou indiretamente essa iniciativa.

      Assembleia da República, 11 de setembro de 2019
      Os Deputados,
      JOÃO OLIVEIRA; ANTÓNIO FILIPE; PAULA SANTOS

      • JgMenos says:

        Só faltava que os agentes soviéticos não viessem reclamar a manutenção do seu estatuto de vitimados!
        O resto da comunada apoia e os abrilescos deixam naturalmente passar.

        Espero que os de Santa Comba os mandem à merda!

        • Democrata_Cristão says:

          “agentes soviéticos”

          Passaste-te de vez, Menos.
          Tem cuidado com o que andas a fumar !

          • JgMenos says:

            Duvidas que foi nesse papel que adquiriram os estatuto de vítimas?
            O chefe deles recebeu a Ordem de Lenine “Era equivalente em prestígio à medalha de Herói da União Soviética, mas concedida após um longo período de méritos na esperança de que eles continuassem, enquanto a segunda era concedida após um grande feito, único e que não poderia ser repetido”

            Muda o nome e conserva a sigla Dormente_Cristão.

        • Paulo Marques says:

          E o resto continuam a não passar de cobardes, né, fofo? O problema de Salazar foi como o do Adolfo, os outros cidadãos todos.

  8. Dora says:

    • JgMenos says:

      Mesmo apalhaçado fala do que à esquerdalhada é alheio: Portugal como Pátria.

      • abaixoapadralhada says:

        Sempre a mesma cassete, grunho

        • JgMenos says:

          Cassete com cassete se paga, treteiro.

          • Democrata_Cristão says:

            Vou começar a contar as vezes que escreves a palavra treteiro.
            Estás com um português muito rico e diversificado.
            Fazes-me lembrar o “boi-cavalo” também chamado de Américo Thomaz

          • JgMenos says:

            Fica descansado que não vou desperdiçar uma palavra que sempre pressupõe um discurso coerente, num asno como tu,

          • Democrata_Cristão says:

            Atenção que o Menos, vai emitir ” uma palavra que sempre pressupõe um discurso coerente ”

            Deixa-me rir, como dizia o outro..

            O menos é :bla,bla,bla, “treteiro.”…
            Depois tra la ra la ra “treteiro”

            Discurso coerente ?????

          • JgMenos says:

            Ri-te palhaço que estás no teu melhor.

  9. Ricki Wenger says:

    Só dementes e acraneados fazem tal afirmação. Como podem psicopatas correr à chuva para não se molharem?

  10. Nuno says:

    Afinal, comunóides, socialóides e a esquerdalhada de um modo geral são todos uma cambada de fascistas!!!!!!! Quem diria…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.