O racismo do anti-racismo

Sei que sou eu contra o mundo todo, mas não consigo compreender esta coisa do BLM e as manifestações por todo o mundo.

O que se passou com George Floyd é dantesco. E, realmente, há uma enormíssima hipótese (muito perto da certeza absoluta) de que o que lhe fizeram, fizeram porque ele era negro. Mas reagir a este episódio pela perspectiva racial, é tão ou mais racista que o racismo que histericamente pretendem combater.

Se o objectivo é um mundo onde as diferenças raciais não sejam factor de restrição de direitos para qualquer ser humano, considerar o que acontece a quem quer que seja pela cor da sua pele, é, inexoravelmente, uma forma de distinguir, de desigualar.

Não seria muito mais progressista considerar o que fizeram a George Floyd apenas pelo prisma da inaceitável exorbitância de brutalidade policial e desdenhando a cor da pele da vítima? Porque se o fizéssemos, se apenas nos indignássemos com o comportamento homicida do agente policial, é ou não verdade que estávamos, desde logo, a recusar desigualdades, a sermos aquilo que, insistentemente, reclamamos: um povo que não distingue ser humanos pela cor da sua pele?

Tentando explicar um pouco melhor, se o que aconteceu tivesse acontecido a um branco, ninguém falaria de racismo. Então porque é que nós próprios o fazemos quando a cor da pele muda? Somos ou não os primeiros a ser racistas? Somos ou não os primeiros a recusar aos negros a possibilidade de serem tratados pela condição que nos é (a todos) essencial: ser humano?

Volto a dizer, sei que sou eu contra o mundo até porque o mundo precisa destas manifestações ridículas que se destinam muito mais a exorcizar os fantasmas e as inseguranças de quem nelas participa do que, propriamente, a lutar contra o segregacionismo.

Mas não acredito que o racismo se combata com racismo mesmo que bem (?) intencionado.

Comments

  1. abaixoapadralhada says:

    “Sei que sou eu contra o mundo todo, mas não consigo compreender esta coisa do BLM e as manifestações por todo o mundo.”

    Infelizmente há mais fascistas para alem de ti

    “Tentando explicar um pouco melhor, se o que aconteceu tivesse acontecido a um branco, ninguém falaria de racismo. ”

    Mas não acontece e tu sabe-lo bem. Estás para alem de facho, a ser desonesto intelectualmente, o que não é de admirar

    Maldito liberocas

    • miguel fonseca says:

      Não acontece?
      Então e o infeliz do Ucranianino no aeroporto de Lisboa?
      Estás para alem de facho, a ser desonesto intelectualmente, o que não é de admirar!
      Maldito liberocas

  2. Albino manuel says:

    Sei que sou contra todo o mundo…

    Um problema de psiquiatria. Há por aí rilhafoles.

  3. Paulo Marques says:

    Pare, escute, e ouça. Depois percebe a diferença.

  4. Elvimonte says:

    Mr. Timpas & Mr. Floyd, um branco e um negro, ambos mortos às mãos da polícia americana em circunstâncias semelhantes.

    https://heavy.com/news/2019/08/tony-timpa/

    Alguém ouviu falar de Mr. Timpas? A vida de Mr. Floyd era mais importante do que a vida de Mr. Timpas? Mr. Timpas não padeceu do mesmo sofrimento inflingido a Mr. Floyd? Dos dois polícias que mataram Mr. Timpas um deles não era negro? Só existe racismo quando um negro é morto?

    Está tudo doido? Está tudo cego? Apenas as vidas dos negros contam? E as vidas dos brancos, não contam? Porque foi silenciada a morte de Mr. Timpas? Porque não deu origem a ondas de protestos inflamados, a que se juntaram os cocktails molotov acompanhados de tijolo burro? Porque era branco? Apenas porque era branco?

    Sussuram-me que “todos os animais são iguais, mas há uns que são mais iguais do que os outros”.

    Percebi. Finalmente, o triunfo dos porcos!

    PS – Da cintura para cima estou vestido de vermelho. Que venham as marradas e os insultos.

    • anticarneiros says:

      Elvira

      Vai-te catar

      • Elvimonte says:

        Mais uma marrada entre muitas. É para isso que me visto de vermelho.

        • POIS! says:

          Pois cuidado!

          Olha a parte de baixo! Olha!

          Pronto! Já foste! O bicho era anão!

          Bem! Ganhou-se mais um soprano para o Coro da Gulbenkian!

    • Paulo Marques says:

      Porque o assédio dos porcos não se limita ao assassinato, é só o mais visível, e #fuckthepolice não tinha a mesma base de apoio.

    • George Floyd says:

      Só mesmo um néscio consegue afirmar que o Mr. Tony Tímpa foi morto por um polícia negro. Em todo o filme, o polícia negro tem uma participação quase de mirone, com excepção de uma situação, em que ajuda a imobilizar o pretenso criminoso.
      Mas mesmo neste caso, qualquer analogia é abusiva. O homem não foi estrangulado. Levou sim um sedativo, que misturado com as drogas, deverá ter sido fatal.
      Basta ver o vídeo.

      https://m.youtube.com/watch?time_continue=2&v=_c-E_i8Q5G0

  5. rui de campos says:

    Muito tempo livre, carregado de empralhes pelos ouvidos, dá nisto. Pouco descernimento, e mais demonstrações de baixo QI.
    Cuidem-se, vai ficar tudo bem.