Bolsonaristas feministas

Brasil é cheio de sinhazinhas que usam o discurso do feminismo para manter privilégios , conforto e perpetrar o ódio. Os castigos ,dado até as crianças negras e indigenas no Brasil colonial, é um tema indigesto. As mulheres negras eram mutiladas depois de serem estupradas pelos senhores, a mando das sinhás.

Conheci várias descendentes. Evocam uma luta por conveniência. Dão escândalo e promovem grande caça-a-bruxas nas redes mas na hora H  são capazes de dar crianças a cães ou jogar no elevador.

Um dos episódios recentes foi a prisão de uma delas, defensora ferrenha do bolsonarismo e ideias de supremacia branca. Ridícula e perigosa.

Muito cuidado com elas meus queridos.

Percepções

A motivação e o propósito de Costa nunca foi o governo do País. Muito menos, o bom governo do País. O único objectivo que o motiva, é a gestão das percepções que os Portugueses têm do que faz.

Não lhe interessa nada se, na verdade, crescemos economicamente, se os Portugueses ganharam poder de compra, se baixamos a nossa dívida pública, etc., e mais recente e preocupantemente, se a gestão da pandemia em Portugal foi competente e eficaz. Não, o que realmente pretende é que os Portugueses (ou pelo menos, a sua maioria) pensem que sim. E para isso, vale tudo. Mentiras, meias-verdades, omissões e de vez em quando, mesmo muito de vez em quando, até a realidade. Se der jeito.

Durante os governos de Costa ultrapassamos máximos históricos (isto quer dizer que nunca e em momento algum foram tão altos) quer no montante global da nossa dívida soberana quer no valor de impostos que pagamos. Isso é importante? Para nós, sim. Para Costa, o importante é que as pessoas tenham uma percepção diferente. Que pensem que acabou a austeridade e que estamos a dever menos. E se para compor o ramalhete for necessário um superavit orçamental, ele arranja-se. Como? Fácil. Por exemplo orçamenta-se 10ME para um qualquer sector (educação, saúde, etc.), mas, na prática, só se autorizam gastos no máximo de 5ME porque se cativa outro tanto. E depois lá vem o deslumbrado do Centeno anunciar: olhem, sou tão bom que até ponho esta coisa a dar lucro. E os Portugueses arregalam os olhos e, boçalmente, acreditam.

Com a pandemia foi e é a mesma coisa. Somos o 15º País do mundo com o maior número de mortes por milhão de habitantes. Explicando, somos o 15º País do mundo onde mais se morreu por covid-19, em termos comparativos. Isto é, temos 14 Países onde a coisa, realmente, correu pior, mas temos mais de 180, repito 180 onde correu melhor e muito melhor.
Na última semana, somos o 2º País da UE com mais infectados novos. Ou seja, somos o 2º País da UE onde o controlo da pandemia se encontra mais longe, ou melhor, somos o 2º País com maior descontrolo. Claro que até aqui andamos a comer com a história do milagre português e ficamos muito ofendidos quando a Áustria ou a Grécia abrem as suas fronteiras a quase todos, mas não a nós.

E neste País em que o futebol reina (confesso que também faço parte desses súbditos) haverá algo melhor para ajustar a percepção que quatro quartos de final, duas meias finais e uma final da Liga dos Campeões? E onde? Na cidade que, ainda, não nos deixou conseguir o controlo da pandemia e que nos últimos 15 dias nos colocou, mesmo, na cauda da UE. Uma cidade que só não viu ser-lhe imposta uma cerca sanitária porque, enfim…é a capital.

E os ganhos que esses jogos nos trazem superam os riscos que vamos correr? Não, claro que não. Mas para parolos como nós somos, isso não interessa nada. O que interessa é a imbecil vaidade de receber a decisão da Liga dos Campeões.

E, realmente, vista por este prisma de pequenos pavões provincianos, a escolha de Lisboa começa a não parecer completamente estúpida.