Discurso fofinho

Obviamente que isto não é discurso de ódio.

Já um cartaz a dizer: “patada ……..(preencher a gosto) na boca dos comunistas” seria completamente inadmissível por, evidentemente, incitar comportamentos violentos e, por si só, razão mais que suficiente para convocar outros 2 ou 3 protestos públicos onde se tentaria alcançar o máximo histórico de 23 manifestantes.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Em matérias como o racismo e homofobia, o PCP não é um partido muito aberto a grandes manifestações ou debates. Vive numa espécie de penumbra. É contra o racismo o quanto baste. No caso da homofobia ainda é mais conservador. Agora estão mais preocupados com a festa do Avante do que com as manifestações anti racismo.
    Contudo, eu diria que esta pretensa manifestação com 23 insurgentes, é na realidade fofinha. Fossem todas assim. Sem correntes, capacetes, mocas, suásticas e botas cardadas. Mesmo com um cartaz desta ferocidade, empunhado por uma mulher enraivecida.
    Já uma manifestação de 23 pessoas com caras tapadas e tochas acesas me parece algo irracional, para não dizer mesmo perigoso. Ou será que aqueles rapazes do Klu Klux Klan, cujos manifestantes pretendiam imitar, são um exemplo recomendável?
    Na verdade as diferenças são muitas. Por exemplo, estas mostram as fuças. O que é sempre bom, pois algumas até são giras. Estás são identificáveis. Nenhuma delas traz o rolo da massa, instrumento perigosíssimo nas mãos de uma mulher. Já os outros escondem-se atrás de uma máscara, o que mostra cobardia. Estas não mandam e-mails a deputadas, activistas e outros personagens, mesmo não sendo comunistas, com ameaças. Já os outros parecem conhecer bem a vida pessoal de cada um/uma delas.
    Eu diria que este tipo de analogias entre manifestações feministas e da extrema direita, me faz lembrar o “Síndrome de Robles”.
    O Síndrome de Robles, como bem se lembrarão, foi aquela tentativa da direita arranjar um corrupto eleito pelo BE, para tentar demonstrar que afinal eram todos iguais. Ou seja, Robles seria comparável a Duarte Lima, Oliveira e Costa, Isaltino Morais, Sócrates, Vara, etc, etc. Não, não era. Nem sequer a Miguel Relvas ou a Dias Loureiro, quanto mais aos anteriores. Robles não corrompeu ninguém, não roubou, não praticou peculato, nem fugiu ao fisco. Robles não foi sequer constituído arguido ou acusado de nada, na justiça. Robles foi quando muito, incoerente, por defender uma coisa e supostamente fazer outra. Doença essa comum à maioria esmagadora dos políticos, diga-se.
    Todos os pecados dos políticos fossem esses. Todas as manifestações tivessem 23 pessoas iradas com cartazes destes, sem sinais de violência.

    • Filipe Bastos says:

      Robles foi quando muito, incoerente…

      E hipócrita, e chulo, e parasita, e um grandíssimo balde de trampa que o Berloque branqueou, impingiu e a quem deu tacho apenas pelos seus lindos olhinhos… esqueceu-se, Naldinho.

      Quando as moçoilas são usadas pelo seu físico, na publicidade e noutros lados, ai ai a opressão da sociedade patriarcal, a objectificação da mulher… já quando é o Berloque a fazê-lo, no feminino ou no masculino, está tudo bem. Pois.

      Quanto à manif, de acordo menos – outra vez – na dualidade de critérios: se é a direita a dizer, tudo mal. Se é a esquerda tudo bem… ou não faz mal. Já não pega, Naldinho.

      A malta está farta de dois pesos, duas medidas. Então a esquerda não é pela igualdade? E está farta da constante vigilância do politicamente correcto dos Berloques e Guardians. É por isso que a direita cresce. Ainda não reparou?

      • Paulo Marques says:

        Certo, camarada. Vou já acabar o seguro de saúde e retirar o capital dos fundos em empresas de ponta, para depois juntar à herança e colocar nas mãos de um dos maiores donos de terrenos do país em nome da revolução que se avizinha.

        • Filipe Bastos says:

          Certamente não me toma por comuna / carneiro do PCP, pois não, Paulo? Acho que é o mínimo de consideração.

          Sou, ou tento ser, isento. Está fora de moda, bem sei.

          • Paulo Marques says:

            É indiferente. Votarei sempre no que acredito, que vai contra o herdado e investido. Como os eleitores discordam, faço pela vida e aproveito o berço de, vá, prata.

    • Azeitona says:

      O PcP não vive na penumbra no que concerne o racismo
      Simplesmente o PcP não toca tambor para maluco dançar 💃

      • POIS! says:

        Pois claro!

        A não ser na festa do “Avante!”. Este ano parece que são permitidos 33.333 malucos, cada um com 9 metros quadrados para se espraiar.


  2. Tadinha…tanto amor pelos outros… só pode ser em sentido figurado!

    • POIS! says:

      Pois tenha cuidado!

      Com a dentadura. Estão cada vez mais caras, não vale a pena arriscar…

    • POIS! says:

      Pois, mas realmente, pensando bem…

      JgMenos, um homem que transpira amor por todos os poros, que coloca a Mulher num lugar supremo, no mais alto pedestal da sala de costura, não merece tal tratamento.

      A culpa é, obviamente, do regime abrilesco. Na época salazaresca as mulheresnão era permitido ás mulheres praticarem artes marciais e coisas dessas, até porque o quimono revelava completamente as formas que andavam lá por baixo o que poderia por em causa o seu valor matrimonial ( o desfrute da surpreza era, nessa altura, uma virtude muito cultivada).

      • POIS! says:

        Pois é, na última linha, “surpresa”. E na segunda, “ás mulheres” está repetido.


        • Não te preocupes com a escrita, sempre tudo acaba em parvoíce.

          • POIS! says:

            Pois tá bem!

            Só estava preocupado porque V. Exa, educado que foi no espírito salazaresco aproveita tudo, nem que seja para fazer croquetes que, como todos sabemos, são a base da célebre dieta “JgMenos Peso” que seguem várias celebridades do nosso país.

            E assim poderia ter tendência a aproveitar alguma frase para outra da suas conhecidas atividades: o de escrever epitáfios por encomenda para serem transformados em lápides para todos os fins.

            Ora já viu o que poderia acontecer? Imagine uma lápide como esta:

            Apanhado de surpreza,
            De surpreza me sumi.
            Inda ontem aí estava,
            E agora estou aqui.

            Ficava mal, não acha

  3. Paulo Marques says:

    À valente, pronto a defender os mais vulneráveis das sorridentes jovens de cartão na mão e máscara na cara. O que seria do mundo sem estes corajosos lambedores de botas a proteger-nos dos perigos do trabalho para todos que ponha comida na mesa.


  4. A cambada nem sabe reconhecer que a pequena é uma doce!
    Escreve aquelas coisas para participar no conbibio e porque lhe dizem que os esquerdalhos são boa gente.
    Ignora a coitada do que eles são capazes logo que que vejam que podem roubar sem serem presos e sanear sem que se cubram de ridículo!

    • Paulo Marques says:

      Deixamos a pedofilia para o Menos.

      • POIS! says:

        Sim. E também aquela fábula que mete um animal matreiro e um cacho de uvas. Por razões de caráter ambiental, nesta versão, o animal, pelo Menos é substituído.

        Mas o desfecho é o mesmo: estão verdes!,

  5. Azeitona says:

    Os comunistas não têm nada a ver com isto e não usam esta linguagem

  6. Manuel Lopes says:

    Odeio a guerra, o crime e a fome. Também odeio o fascismo e outras misérias humanas.
    Sou odioso (fofinho) por isso?

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.