«Estejam Quietas com a Cama!»

O trabalho jornalístico de Miguel Carvalho, adiante citado, é primoroso e merece boa leitura. Aprende-se muito. Todas as leituras complementares da figura Salazar que nos dêem os figurantes aleatórios que o rodearam, como Rosália Araújo, complementam-nos a nós, compõem a portugueseologia que nos falta, especialmente nesta hora em que recolhemos, impotentes, temerosos e com esta raiva amordaçada, os agraços dos anos ávidos da jacobinada socialista, a factura da grande devastação lesa-pátria socialista, os efeitos nocivos da democracia tomada como pretexto para a impunidade da criminalidade política mais crassa, essa inter-partidária, mas notoriamente mais de assinatura socialista, dado a recente capitulação e pré-falência nacionais terem sido obra sua. Depois de Salazar, veio Soares. Com ele, começou a medrar todo um sistema malicioso dado à permissividade selectiva: ao mesmo tempo que nos castiga e oprime no plano económico e fiscal, vai perdoando largamente a políticos gangsters qualquer crime, a reiteração de qualquer crime, qualquer prevaricação, qualquer abuso de poder, qualquer veleidade de auto-eternização no cargo. No fim, vêem-se premiados com as delícias do furto aos contribuintes e condenando milhões de cidadãos à mais vexatória penúria, ancorados a dívidas incomportáveis pelas décadas das décadas. Não poderiam tais consumadas bestas democráticas ter ao menos a virtude de não falhar na sustentabilidade do Estado Português e nos pressupostos da nossa soberania garantida, coisas em que Salazar não falhou?!: «Em São Bento, onde Salazar por vezes vegeta, há quem veja miragens de melhoras. «Não se iluda, senhor director! Ele mija na cama e borra-se todo!», dirá o motorista Furtado a Costa Brochado, jornalista e intelectual salazarista. No palacete, escasseiam as visitas ao morto adiado, abundam fraldas, transfusões e preocupações. «Era do cadeirão para cama e da cama para o cadeirão.» O tremor de terra que assusta Lisboa em 1969, abana os candeeiros em São Bento e apanha o ditador prostrado, entre lençóis, com as enfermeiras em volta. «Estejam quietas com a cama!», atirou ainda Salazar, emergindo por momentos dos confins da alma.» Miguel Carvalho

Destra Sinistra 15 Jan 10: os blogues que eu leio são melhores que os teus

Foi com a Devida Comédia própria destas coisas, nos tempos da Origem das Espécies, que o irmão Lúcia lhes deu um Pontapé no Cu provocando a Ira dos Mansos. Assim se prova que os blogues que ando a ler são melhores que os teus:

É caso para se dizer que o Miguel foi à Madeira e borrou-se todo, eheheheeh

http://adevidacomedia.wordpress.com/2010/01/13/o-virus/

Miguel no A Devida Comédia

O Irmão Lúcia também anda com desarranjos intestinais (será que foi à Madeira?) ou então é um tipo com enorme paciência para leituras alternativas…

http://irmaolucia.blogspot.com/2010/01/portugal-e-cada-vez-mais-um-pais-de.html

Pedro Vieira no Irmão Lúcia

Terminando os apontamentos intestinais, nada como uma descoberta tardia…

http://qualquerdiadou.blogspot.com/2010/01/morte-lenta.html

Sardanisca no Pontapé no Cu

É vermelho vivo! Isto está tudo ligado…

http://airadosmansos.blogspot.com/2010/01/5-internacional.html

Rafael Fortes na Ira dos Mansos

Está no ADN de qualquer espécie, independentemente da sua origem, colocar o dedo na ferida!

http://origemdasespecies.blogs.sapo.pt/1103258.html

FJV no A Origem das Espécies

Boas Leituras #1:

Mentalfetaminas – ESTE

A Devida Comédia – ESTE

Delito de Opinião – ESTE

Blasfémias – ESTE

Arrastão – ESTE

Jugular – ESTE

…e continuação de Boas Leituras!