Almada, Pessoa e a coincidência entre uma e outra coisa

Só o sinal é constante, os símbolos são epocais.
Almada Negreiros

Uma coincidência é uma incidência, ou seja, uma ocorrência (acidental), de dois ou mais fenómenos. Anteontem, dia 13, foi o aniversário natalício de Fernando Pessoa. Hoje, dia 15, é o quinquagésimo aniversário da partida de Almada Negreiros. Ontem, dia 14, com a ajuda do Almada, entre uma e outra coisa, como diria Caeiro, escrevi esta defesa de Pessoa contra aqueles que dele se querem apropriar, sejam eles liberais, socialistas, linguistas, comunistas, biólogos, anarquistas, tradutores, democratas, advogados, fascistas, médicos, escultores, empregados de café, fachistas, taxistas, empregados bancários, electricistas, pintores, afagadores, tachistas, modistas, tradutores, achistas, intérpretes, obamistas, engenheiros, agricultores, professores, trumpistas, mecânicos, investigadores ou outros quaisquer. Ontem, houve uma coincidência.

***

Diário da República, 24 de Março de 2015

De facto, é preciso enfrentar o fato:

Processar prestações de invalidez, velhice e morte e outras
que com elas se relacionem ou sejam determinadas pelo mesmo fato e se insiram na área de atuação do respetivo núcleo.

Efectivamente, “em Portugal, as novas regras estão a ser aplicadas sem atropelos” e “sem problemas de maior”:

Certificar os fatos e atos que constem dos arquivos municipais, sem prejuízo da competência nesta matéria confiada a outros serviços.

dre2432015Post scriptum: Foi há cem anos: [Read more…]