Bye, Bye, Brasil?

Empatar a três golos com Israel, sofrer até ao fim e escapar à derrota por um cabelo, ficar com a qualificação para o Mundial ainda mais tremida, não é mau, é péssimo. Ficar a ver passar israelitas em direcção à baliza, jogar pouco, empenhar-se quase nada, dá nisto.

Quem tem Ronaldo (o único que puxou pela equipa) é obrigado a mais. E Ronaldo, o melhor jogador de futebol em actividade, a par de Messi, não merece ver o mundial brasileiro pela televisão.

A última ficha ainda não caíu, mas falta pouco. Bye, Bye, Brasil?

Hoje dá na net: Estação Carandiru


Em «Estação Carandiru», mais um grande filme do cinema brasileiro, o médico Drauzio Varela narra a sua experiência na prisão de Carandiru, bairro de S. Paulo onde ocorreu um massacre, em 1992, que culminou com a morte de mais de 100 reclusos. As condições das prisões brasileiras, a forma como os presos são tratados e as incongruências do sistema presidiário brasileiro são explorados de forma magnífica neste filme realizado por Hector Babenco.
Carandiu é, a par do bairro, também o nome da Estação na qual o médico saía para se dirigir à prisão.

Hoje dá na net: Cidade de Deus

«Cidade de Deus» é um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos. Retrata fielmente o crescimento do crime organizado na sociedade brasileira e em particular na Cidade de Deus. As desigualdades sociais no Brasil estão bem evidentes neste filme, cujo enredo desenvolve a história de Buscapé, um jovem sensível que acaba por conseguir escapar ao destino que lhe estava reservado.

Hoje dá na net: Quem matou Pixote?


Na sequência da apresentação, ontem, de «Pixote – A Lei do Mais Fraco», segue-se hoje o filme «Quem matou Pixote?», de José Joffily (1996). Um filme que retrata a curta vida de Fernando Ramos da Silva, o menino de rua protagonista de «Pixote – A Lei do Mais Fraco» e precocemente morto pela Polícia depois de entrar no mundo do crime.
Não sendo um grande filme, e tendo sido um fracasso de bilheteira, vale ainda assim por relembrar a triste história de um menino utilizado pela indústria cinematográfica brasileira que não soube lidar com a fama e com o sucesso e terminou a vida de forma trágica.