Os mercados são “gajas”

Alexandre Teles

Os mercados são sensíveis, qualquer coisa que se lhes diga e pumba (acabam-se as actividades recreativas de quarto), de vez em quanto chateam-se connosco e nós não sabemos porquê, quanto tentamos fazer alguma coisa só pioramos a situação, pois afinal não é suficiente ou então é demais (e essa austeridade, não é assim), os mercados só gostam dos outros países, porque eles é que têm muito capital e porque eles é que têm um sistema fiscal melhore etc.., só os outros países lhes dão as prendas que eles querem, só sabem dizer que temos que os tratar bem e nos arranjar para eles (que é como quem diz, arranjar leis, desregulamentos) e que já não os tratamos como antigamente e que é por isso que agora já não nós passam credito, os mercados dizem que já não podem confiar em nós, já não merecemos a confiança deles, os mercados não só se zangam com o que dizemos e nós muitas vezes não sabemos o que é que dizemos, como pela maneira como dissemos( que pode levar a interpretações das acções e medidas futuras), são controladores e queixam-se de tudo o que fazemos que nunca esta bem e que à outros países a fazer melhor, os mercados são instáveis e emotivos e intuitivos, principalmente em alturas especificas, os mercados tentam gostar das mesmas coisas que nós e principalmente tentam que gostemos das mesmas coisas que eles, concluindo os mercados são “gajas”.

E o Homem conseguiu o seu máximo ao personificar uma “instituição” virtual criada por ele mesmo  controladora do mundo com a qual a única maneira de tentar controlar é namorá-la.

Non-sense

momentos nos quais se abate em mim a certeza que anda tudo doido, de um lado e do outro da barricada…