Admnistração Trump vs. geringonça

Nos EUA Michael Flynn omitiu informação e já passou à história, em Portugal Mário Centeno permanece agarrado ao lugar como lapa…

Até tu, Brutus?

Juiz nomeado por Trump para o Supremo, critica Trump…

O Discurso.

Crónicas do Rochedo X – Trump e Europa

494483504

Escrevo este texto num computador americano. O meu telemóvel é americano. O meu carro é americano (e alguns dos meus carros de sonho são americanos). Compro música (sim, ainda sou dos que compra música) num site americano e muita da minha música é americana (a minha banda de música preferida não sendo americana tem um álbum, o seu melhor até hoje, feito e inspirado nos EUA). As minhas calças preferidas são de uma marca americana. Assim como as minhas botas. Um dos meus escritores preferidos é americano. E por aí fora. Os EUA fascinam-me. Desde miúdo.

É um país excepcional. Como todos os outros, a começar pelo nosso, com virtudes e defeitos. É o expoente máximo da liberdade e, até por isso, no seu seio podemos encontrar desde o mais retinto racista aos mais perigoso fanático religioso passando pelo mais básico dos básicos. Sendo um verdadeiro “país continente” nele se encontra de tudo. E em doses à imagem e semelhança do seu tamanho. O que o torna ainda mais fascinante.

Ora, os americanos decidiram, através do voto, escolher Donald Trump para seu Presidente. Se é verdade, a mais pura verdade, que ainda estou em choque com a escolha, também o é que não falta muito para me obrigarem a defender o homem. Quando ouço o Presidente francês comentar como o fez (tanto no tom como no conteúdo) o resultado das eleições americanas; quando ouço as últimas declarações de Junker fico pasmado com a lata.

[Read more…]

Um conselho a Donald Trump…

Juncker afirmou que Trump desconhece o funcionamento da Europa, pelo que teremos dois anos desperdiçados até que o próximo inquilino da Casa Branca adquira a noção da realidade para lá das fronteiras dos EUA. Talvez seja avisado Trump perguntar ao antigo Secretário de Estado, Republicano, nascido na Europa, Henry Kissinger, se já tem o indicativo para marcar o número e fazer a chamada para o cada vez mais velho, ultrapassado e irrelevante Continente…

Quo vadis USA 

Escolher entre tragédia e catástrofe…

Ele é tão evidentemente estúpido… É um rufia, um cão, um porco, um aldrabão, um artista da mentira, um vadio que não sabe do que está a falar

E quem o disse foi o Robert de Niro. É esta capacidade que os homens das artes têm: expressar o que nós temos dificuldade em dizer. E, tudo o que se possa dizer sobre o imbecil do Trump será pouco, mas os U2 também já nos ajudaram a expressar o que vai na alma do Mundo perante tal personagem.

A Trampa que o Trump diz

donald-trump-hair-4O Sr. Trump já nos habituou – felizmente, mais aos americanos do que a nós – à porcaria que aquela lixeira em forma de boca vomita. Ultimamente, não raras vezes com a posterior justificação de que estava a brincar, tem atacado de forma violenta Hillary Clinton. Se na semana passada, já os limites do razoável foram mais uma vez atingidos com a sugestão de que a Rússia deveria espiar a conta de email da adversária, ontem, 3ª feira, dia 9/8/2016, a coisa foi muito para além do aceitável. Este nojo com duas patas, este ser do mais podre que há, apelou a que, se Hillary ganhasse as eleições, os defensores da 2ª emenda a abatessem. Esta coisa devia ser impedida de continuar a concorrer à presidência dos EUA.

Que nojo!

Never Trump

Não será contra os ilustres do Partido que o idiota conseguirá ser eleito.

Ventos de mudança nos EUA

As próximas eleições americanas poderão colocar em causa o establishment do bi-partidarismo. Há muito que pequenos partidos procuram sem sucesso um lugar no sistema. Se H. Clinton está longe de assegurar o pleno nos Dems, que dizer de Trump no GOP? Gary Johnson e William Weld representam em 2016 uma séria ameaça ao sistema. Com sondagens oscilando entre 5 a 10%, recolhendo cada vez mais apoios, nomeadamente de figuras destacadas do Partido Republicano, que não se revêm em Trump…

Será obviamente difícil para não dizer impossível que Gary Johnson venha a ser o próximo presidente dos EUA, mas não deixaria de ser interessante que obtivesse vitórias estaduais, Novo México e Utah são possíveis, que garantissem alguns votos e impedissem Trump ou Clinton de obter os 270 votos necessários para a eleição no colégio eleitoral. Venha ou não a atingir o objectivo, a candidatura libertária tem para já o mérito de lançar sementes para o futuro na esperança que algo mude na América, retirando poder ao governo em benefício do cidadão.

Quero saber qual é o NIB deste senhor!

12821617_1029971623742825_6080574308032984422_n

Encontrado no mural do Sérgio Cordeiro.

Aquilo que todos sabem, mas que ninguém…

Norte-americanos elegem Português do Brasil a 2ª Língua mais feliz do Mundo

adao_e_eva_g_guimaraes_cronica_radio_logo

Gaza: Uma mensagem com um bordalesco manguito aos senhores que mandam na guerra

adao_e_eva_g_guimaraes_cronica_radio_logo

Parece mentira…

… mas, a meses de fazer 100 anos,  os conflitos anteriores à primeira guerra mundial parecem de novo erguer-se.

Acidental

Tinha quatro anos e matou a mãe. Sim, foi no País das oportunidades. Outra vez.

Biografia breve do PAI NATAL

Séc. XX, Dezembro 1952, Aeroporto, Ilha de Santa Maria

A chegada do Pai Natal ao Aeroporto da Ilha de Santa Maria
(Dezembro 1952) © Grupo Facebook Memorias Santa Maria

QUEM É O PAI NATAL?
Chamêmos-lhe S. Nicolau, Papai Noel, Papá Noel, Père Noël, Viejito Pascuero (chileno), Santa Claus, Joulupukki (finlandês), Father Christmas, Ded Moroz (russo), ou Kris Kringle (um nome que se julga derivar do alemão Christkindl – Menino Jesus – apropriado pelo «vernáculo» dos primeiros colonos norte-americanos), é tido hoje como verdadeiro que mora longe, muito longe da grande maioria dos beneficiários da sua acção benévola: para lá do círculo polar árctico, no sopé de uma misteriosa montanha chamada Korvatunturi, com os seus duendes ajudantes, as suas renas e, enfim, toda a parafernália de espantosas excentricidades a que já nos habituou. Trata-se da mais intricada das fantasias demiúrgicas do nosso tempo, pejada de zonas sombrias, contradições e, claro, grandes cedências ao marketing, constantemente necessitado de renovados ícones.

Um concorrente de Jesus
Patrono dos marinheiros (sobretudo dos holandeses), dos comerciantes de todas as latitudes, dos guardas-nocturnos arménios, dos meninos de coro italianos, das raparigas solteiras e casadoiras, o multinacional padroeiro Nicolau terá sido antes de mais um protector dos fracos e dos oprimidos, fama que se por um lado o tornou amado um pouco por todo o mundo cristão, por outro o colocou em franca posição de concorrência com Jesus, o que terá determinado (juntamente com a Reforma protestante que aboliu o culto dos santos, e com a escassez de documentação sobre a sua vida) a decisão do Papa Paulo VI em retirar, em 1969, as festividades de São Nicolau do Calendário Oficial Católico. [Read more…]

Morreu “O” homem da lua

Neil Armstrong morreu. Tenho na memória televisiva aquele homem que cumpriu o sonho da Humanidade. Ele era O homem da lua, muito mais do que apenas o 1º homem na lua.  Parece até que ficou à espera da chegada do Homem a Marte, ainda que numa versão robotica.

Quem consegue dizer mais nomes de Homens que colocaram os pés na Lua? Eu não, mas também o que é que isso interessa? Nada. Mas como o post é meu eu é que mando e se eu digo é porque é, pelo menos antes do primeiro comentário deste post que corre sérios riscos de se tornar o mais estúpido por mim escrito, mas é mesmo assim – detesto ver gente morrer. Detesto.

Fotografias dos soldados americanos

Mais uma vez as imagens da nossa civilização no LA Times. E não admito o debate publique-se ou não se publique. O debate é: a guerra serve para isto? É esta a FORÇA da Democracia?

Fosse outro o presidente dos EUA…

Uma operação militar dos EUA, comandada directamente a partir da Casa Branca, sob ordens directas do presidente Barack Obama, logrou capturar e abater o hediondo terrorista Osama Bin Laden. Acontece que o inimigo público nº 1, o homem mais procurado planeta, terá sido abatido apesar de desarmado, segundo admite a própria Casa Branca, porque teria oferecido resistência. Assim a modos, “expliquem-me como se eu fosse muito burro”, como conseguiria alguém desarmado, resistir a uma ordem de detenção por militares de forças especiais? Será que Bin Laden era, e nós desconhecemos, um mestre de Kung-fu?

Fosse ainda George W. Bush presidente dos EUA, e teríamos nesta altura uma histeria na esquerda europeia, que se tem mostrado subserviente e acéfala desde que a Casa Branca mudou de inquilino.  [Read more…]

Mudam-se os tempos – II

Deve existir algum equívoco nesta notícia, seria lá possível que as forças armadas comandadas por um Prémio Nobel da Paz, lançassem mísseis sobre um país soberano, visando derrubar um governo, mesmo que liderado por ditador sanguinário. Até a França, outrora crítica das sucessivas administrações americanas, parece estar envolvida, acredito pois que se trata de uma bem intencionada operação de paz. Até a esquerda europeia, portuguesa incluída, permanece no mais absoluto silêncio, sem vigílias pela paz ou bandeiras americanas queimadas, o folclore habitual nestas circunstâncias. Mantenho no entanto a ideia que tudo seria diferente caso George W. Bush ainda ocupasse a Casa Branca.

Mudam-se os tempos…

Felizmente o sanguinário George W. Bush já não está na Casa Branca, as posições dos EUA no Conselho de Segurança da ONU são agora motivadas por razões exclusivamente humanitárias, sem interesse em petróleo como aconteceu no passado no Iraque, hoje com o Prémio Nobel da Paz, Barack Obama na presidência, a defesa da Democracia e dos Direitos Humanos, são a única prioridade da administração americana, como acontece em relação à Líbia, país onde todos sabemos existir apenas areia e deserto, para além da genuína vontade popular em estabelecer um regime democrático com respeito pelo direito das minorias. Não é à toa que ainda não existem vigílias ou manifestações pela paz nas capitais europeias, afinal Muammar al-Gaddafi é bem pior que Saddam Husseim, não me ocorre qualquer outra razão para ver os outrora anti-americanos, hoje na primeira linha da opinião pública a defenderem uma intervenção da ONU, bem sei que a palavra NATO ainda lhes é difícil de pronunciar, talvez num eventual segundo mandato de Obama o consigam, mas para já, defendem que seja estabelecida uma zona de exclusão aérea na Líbia. A vontade dos habitantes de Tripoli, ou de outras cidades fiéis ao regime, não faz parte da equação…

Uma crise com nomes

image

Comissão diz que reguladores e bancos são culpados de uma crise financeira que era “evitável” *

* Sim, é nos States. Mas tanto gostam de olhar lá para fora para nos comparar, como por exemplo neste recente caso de Espanha, podemos desta vez também fazer comparações, certo?

E se a Alemanha sair do Euro ?

E voltar para o seu Marco alemão, forte, consistente e não ter que andar a segurar países que não fazem o trabalho de casa?

As sondagens dão acima de 70% dos Alemães a quererem sair do euro a que há a somar-lhe os USA que nunca viram, nem vêm, com bons olhos uma moeda forte a disputar-lhe a primazia de moeda mundial e a valer mais que o seu dólar.

Os avultados montantes de moeda que estão a ser injectados na economia podem originar daqui a uns anos uma hiperinflação que acaba com o resto das economias e das finanças dos países mais endividados. Nessa altura a Alemanha paga novamente a factura?

Há, evidentemente, problemas imensos que se colocarão no caso de acontecer o regresso às moedas nacionais, o maior dos quais, será a desvalorização dos activos que estão cotados em euros. E a própria Alemanha deixa de ter um mercado de 400 milhões de pessoas para a sua super balança comercial, embora, nada que não consiga equilibrar a exportar para países emergentes e com economias a crescer.

Infelizmente, se em termos de economia todos estão avisados, em termos políticos, que foram as verdadeiras razões que levaram os pais da UE a ver longe, as incertezas e a violência que sempre caracterizaram o centro da Europa, podem estar de volta.

O aprofundamento da coesão política da Europa exige, que os actuais 1% do PIB, como contribuição para o Orçamento da Europa, suba para perto dos 7% ! Não vejo a Alemanha a largar mão de uma tão grande fatia do seu Orçamento e do seu poder !

Isto de porreiro não tem nada, pá!

Presidente Obama – já valeu a pena !

Com a entrada de 40 milhões de americanos pobres no Sistema Nacional de Saúde, feito que muitos tentaram mas mais ninguem conseguiu, Obama dá, internamente, esperança a quem apostou na sua eleição.

Com o tratado de não proliferação nuclear assinado hoje com a Rússia que  diminuiu em 74%  as ogivas nucleares na posse de ambos os países, Obama dá esperança a quem, externamente, rejubilou com a sua eleição.

Para certa Direita nada vale a pena porque o paraíso há muito que está alcançado, para certa Esquerda nada vale a pena porque há muito que o destino é o inferno!

Mas a vida mostra todos os dias que há razões para haver esperança. Obama é capaz! Obama merece!

yes, we can!

Non-sense

momentos nos quais se abate em mim a certeza que anda tudo doido, de um lado e do outro da barricada…

Um ano de Obama Presidente:

Já uma vez escrevi sobre Obama no Aventar, AQUI, a propósito do Nobel da Paz.

Hoje, um pouco por toda a blogosfera, em especial na blogosfera destra, se procura analisar um ano de presidência e se possível sublinhar os aspectos negativos ou menos conseguidos. O contraponto é sempre o mesmo: a sinistra criticou Bush por tudo e por nada e agora leva o troco. Se Bush era estúpido, o que é Obama? Se Bush transpirava Iraque, como explicar que os EUA ainda por lá andem? Os republicanos isto, então os democratas aquilo, etc, etc, etc.

Não vou por aí. Nem preciso de sublinhar a reforma na saúde, as melhorias da economia e outras, desculpem lá, questões laterais. Para mim, o legado de um ano de Obama traduz-se, pelo menos até agora, numa outra forma como o Mundo está a olhar para os Estados Unidos da América. No capital de esperança que Obama ainda representa. Vamos esperar, continuar atentos e manter a esperança.

Repito o que escrevi em Outubro: A eleição de Barak Obama marca um corte radical com um passado recente pleno de tiques imperialista e representa, estou certo, uma alteração no futuro político do ocidente cujas consequências e repercussões só serão visíveis daqui a alguns anos. Os EUA souberam assumir o erro de anos e anos de administração Bush e souberam interpretar, como ninguém, a mudança necessária, diferente, para tempos igualmente diferentes. A Academia Sueca percebeu que estamos perante uma das mais importantes alterações políticas desde a queda do muro de Berlim, uma revolução silenciosa iniciada nos Estados Unidos e, como uma gripe, contagiante a todo o mundo ocidental. A Academia Sueca, com esta escolha, está a premiar todo um povo por ter oferecido a um mundo de políticos cinzentos, uma luz de esperança. Sou um utópico? Tenho dias…

Haiti:

Para garantir que a ajuda continua a chegar sem problemas, os EUA assumiram o controlo do aeroporto de Port-au-Prince, onde a cada 20 minutos aterra um avião e para onde partiu esta tarde um C-130 português. Apesar deste fluxo contínuo de ajuda que continua a chegar ao Haiti de muitos países do mundo, toda a ajuda parece ficar aquém das necessidades da população“. (O testemunho de uma portuguesa).

Espero que tudo o que se está a fazer no Haiti possa ajudar as vítimas e a reconstrução deste país mas, notícias como ESTA são reveladoras da natureza de algumas pessoas…

Obama e os bancos salvos da bancarrota

A gente nem acredita, mas a verdade é que há países que têm regras, onde se chamam os bois pelos nomes, se pedem responsabilidades e ajuda aos que entraram com os seus impostos, para salvarem bancos na bancarrota.

“Os bancos dos Estados Unidos receberam assistência extraordinária da parte dos contribuintes americanos para reconstruir a sua actividade e, agora que estão outra vez de pé, esperamos deles um compromisso extraordinário de apoio à economia”

Os banqueiros americanos, com as castanhas fora do lume, recuperados do risco de colapso, voltaram à conversa dos prémios e a querer travar a reforma do sistema regulatório do sector financeiro. Esta posições resultam do facto de o governo americano já ter cobrado grande parte das ajudas que concedeu, o que permitiu que os bancos recuperassem parte da sua autonomia habitual.

Nos argumentos do Presidente Americano, entra o facto incontroverso de que grande parte da culpa do que se passou deve ser assacada aos próprios bancos, pelo que é inaceitável que tudo volte ao mesmo e nenhuma, ou poucas lições, sejam retiradas.

E, basicamente, o que pede, para além do pagamento integral das ajudas que receberam? Que facilitem o crédito às Pequenas e Médias Empesas, para assim relançar a economia!

É parecido com a política cá do burgo, não é ?

Recuperar a liderança – USA

America Must ‘Reassert Stability and Leadership’”, foi exactamente isso que postulo há mais de uma década e agora o afirma uma importante personalidade norteamericana. Isto é um primeiro passo na direcção certa. Todavia, falta saber qual seria exactamente a estratégia a usar para alcançar o resultado pretendido. Já sabemos: a continuação do uso de meios militares surtirá efeitos contrários.

Rolf Dahmer – convidado

SPIEGEL ONLINE, 12/12/2009

———————————————————————

Interview with US Economic Recovery Advisory Board Chair Paul

Volcker: America Must ‘Reassert Stability and Leadership’

———————————————————————

Paul Volcker, 82, is one of US President Barack Obama’s leading economic advisors. SPIEGEL spoke with him about the economic challeges facing the US, whether new taxes are needed to address public debt and how America can return to a position of economic leadership.

You can download the complete article over the Internet at the following URL:

http://www.spiegel.de/international/business/0,1518,666757,00.html

Rolf Dahmer