São Ulrich

Quando tudo parecia desmoronar-se, quando muitos de nós desesperavam, quando tantos se preparavam para desistir, eis que se fez luz e uma voz troou no deserto da austeridade oferecendo-nos a redenção, a esperança, a força que nos abandonava e, não exagero, a salvação.

Uma frase epistolar, apenas uma frase, dispensou-nos do conhecimento de novos evangelhos, de rituais encenados e complicados, de opulências púrpura e vestes douradas. Uma frase, uma simples frase, penetrou no coração dos povos e ofereceu-lhes aquilo que desde o início dos tempos procuravam: uma fé tangível, concretizável, transformadora, ao alcance de todos. Hoje não há quem no planeta, em momentos de dor e aflição, não junte o resto das suas suas forças e não grite bem alto

Se o Ulrich aguenta, porque é que eu não? [Read more…]

O que significa a frase “Rio és um fdp”?

A inscrição surgida na capa de um guia de restaurantes do Porto com os dizeres “Rio és um fdp” pode, segundo algumas versões, ter sido manipulada digitalmente e nunca ter existido no local. Nesse caso, a ser verdade, terei de dar razão às medidas que a CMP hoje anuncia.

Curiosa, no entanto, é a interpretação que o editor da revista fornece, o qual

nega ainda que a frase “Rio és um fdp” seja uma ofensa ao autarca. “Que eu saiba, “Rio” é um substantivo próprio que significa um curso de água e o resto são três iniciais, um verbo e um artigo”

Perante tal conclusão, resta-nos adivinhar o significado da frase. Suponhamos que se refere ao rio Douro. No espírito do manipulador poderiam estar ideias tão poéticas como, por exemplo: [Read more…]

O ex-espião, os sms e a jornalista

Tenho um ex-espião que me manda sms sem eu lhe solicitar.  Ele é clippings pela manhã, listas de nomes à tarde, sugestões de gente a empregar à noitinha. Coisas de espionagem, zero, segredos militares, niente, manobras de bastidores e ameaças à segurança do estado, nem sinal. Esses recebe-os um vizinho meu, reenviados por um cunhado que mora em Alguidares de Cima e por via de um outro ex-espião que faz o favor de os partilhar com o dito cunhado.

O meu vizinho, que é um tipo porreiro mas algo linguarudo e com a mania de armar aos cucos, volta e meia descai-se e revela-me algum material confidencial a que chama top-secret.

Ora, o homem, se mos mostra, dá-os também a conhecer ao resto da vizinhança. Andávamos nisto, fazíamos uns petiscos, bebíamos uma cervejinha no café cá do bairro e, como se acabou a bola, íamos conversando sobre coisas de espiões e segredos de estado.

Nunca, como nos últimos tempos, os moradores da minha rua se deram tão bem:

– Já sabes aquela da tal célula terrorista que anda a preparar um atentado?

– Sei, pá, sei, contou-me o Lopes que foi informado pelo Teixeira do 3º esquerdo. Até me disse os nomes dos cabecilhas mas eu não fixo nomes estrangeiros.

O pior foi ter aparecido aí uma jornalista a fazer perguntas. Quer dizer, o pior nem foram as perguntas, foi a jornalista ter dito ao meu vizinho que precisava de ter respostas em trinta e dois minutos. [Read more…]

E o ex-ministro do ambiente era…?

É tudo bons rapazes, eu sei, com tendência para a honestidade e para a verdade só comparável ao Grilo Falante gritando conselhos ao Pinóquio.

No entanto – e vale o que vale- um senhor inglês, daqueles que não hesitam entre lucro e ética, disse hoje em tribunal que outro senhor inglês (daqueles que não hesitam entre ética e lucro) lhe disse que um ex-ministro do ambiente recebeu uns trocos ilegais em troca da licença ambiental para a construção do Freeport em Alcochete.

Eu, que tenho fraca memória, bem puxo pela cachimónia e não consigo descortinar quem possa ter sido tal aventesma. Um ex-ministro desonesto? Em Portugal? Deve ser da tal lendária mania de superioridade inglesa. Mais um bocado e ainda dizem, fleumaticamente, que o dito cujo chegou a primeiro ministro.

Dou um doce, dos grandes, a quem me disser o nome de um único ex-governante português desonesto e, em particular, do tal ex-ministro do ambiente. Têm cá uma lata, estes ingleses!

A Barragem do Tua não é uma Barragem

Aborrece-me vir aqui desvendar segredos de estado mas, na verdade, não posso compactuar com as injustiças com que têm sido tratados os nossos iluminados governantes. O segredo tem permanecido guardado para não ser roubado pelo Duero espanhol, pela região francesa de Champagne ou, até, pelos italianos da Provincia del Chianti que, como sabemos, são sempre imitadores das boas coisas lusas.

Que a electricidade fornecida pela chamada Barragem do Tua será pouco mais do que residual, é facto conhecido. Claro – desvendo eu aqui -, precisamente porque aquilo não é, sequer, uma barragem, pelo menos tecnicamente falando. Aquilo, é a pedra de toque de um projecto nacional que ofuscará para sempre as Disneyland e as Isla Magica deste mundo: o Tualand, um gigantesco parque de diversões que encherá o Douro de turistas e de oportunidades sem fim.

Mas aproveito o balanço e revelo o segredo completo: [Read more…]