O bonitinho climático é fácil

Com que então o Ministro do Ambiente mais os secretários de Estado da Educação e da Energia (não é aquele que diz que devemos consumir mais energia para compensar os investimentos da EDP?) vai reunir com cinco membros da organização Greve Estudantil Climática na próxima terça-feira?  Muito bem!

Contudo, se não é apenas para fazer bonitinho, o governo só precisa, na próxima reunião do Conselho Europeu de 21 e 22 de Março, de votar contra os mandatos de negociação propostos pela Comissão Europeia para um acordo comercial com os USA sobre bens industriais e “avaliações de conformidade” (num eufemismo adoptado para evitar nomear a lúgubre “cooperação regulatória”, destinada a eliminar barreiras não regulamentares por via de comités opacos, fora do alcance dos parlamentos nacionais e amplamente sujeitos à influência dos lobbies).

É que… a UE não prometeu que só negociaria acordos comerciais com os países signatários do Acordo de Paris sobre o Clima?  Ora o Presidente Trump não declarou que retirará os EUA do Acordo de Paris? E não anda a impingir como se não houvesse amanhã gás liquefeito maioritariamente proveniente do super poluente fracking?

Pois aí está, na próxima semana, uma extraordinária e excepcional oportunidade de o governo português, aliando-se aos governos da França, Itália, Bélgica, Espanha e Luxemburgo, ser coerente e mostrar à evidência que a sobrevivência do planeta é mais importante do que o negócio. E é só isso que interessa aos estudantes.

E já agora, os senhores eurodeputados e as senhoras eurodeputadas terão ocasião já nesta quinta-feira de provar o mesmo, quando o Parlamento Europeu votar recomendações (não vinculativas) em favor ou contra os mesmos mandatos de negociação com os EUA.

Perante a actual relação de forças no PE, não há razão para optimismo.

E o ex-ministro do ambiente era…?

É tudo bons rapazes, eu sei, com tendência para a honestidade e para a verdade só comparável ao Grilo Falante gritando conselhos ao Pinóquio.

No entanto – e vale o que vale- um senhor inglês, daqueles que não hesitam entre lucro e ética, disse hoje em tribunal que outro senhor inglês (daqueles que não hesitam entre ética e lucro) lhe disse que um ex-ministro do ambiente recebeu uns trocos ilegais em troca da licença ambiental para a construção do Freeport em Alcochete.

Eu, que tenho fraca memória, bem puxo pela cachimónia e não consigo descortinar quem possa ter sido tal aventesma. Um ex-ministro desonesto? Em Portugal? Deve ser da tal lendária mania de superioridade inglesa. Mais um bocado e ainda dizem, fleumaticamente, que o dito cujo chegou a primeiro ministro.

Dou um doce, dos grandes, a quem me disser o nome de um único ex-governante português desonesto e, em particular, do tal ex-ministro do ambiente. Têm cá uma lata, estes ingleses!

Freeport: a TVI ataca outra vez

«Se estamos face a uma possível rejeição (chumbo) do estudo de impacto ambiental, é pouco provável ser possível inverter uma tal decisão seja em que circunstância for, a dois dias da sua rejeição (chumbo) formal por parte do Ministro do Ambiente».

 

Consta de um fax hoje divulgado pela TVI. Dois milhões de libras de suborno, assumido.

 

Freeport outra vez. Já não há eleições, pois não?

Mas lembrando o que aconteceu com outro fax, nada de relevante, excepto o pormenor de este fax estar na  posse da polícia britânica. Pode ser que o caso seja julgado por lá. Por cá, nem nisso acredito.