Imprima-se a lenda

 

A Arthur Machen (1863-1947), escritor galês que ficou conhecido pelos seus relatos de terror e sobrenatural, aconteceu a fatalidade que atinge alguns ficcionistas: não foi capaz, ainda que muito tenha tentado, de convencer os seus leitores de que aquilo que contara não tinha acontecido.

Em Setembro de 1914, publicou no jornal londrino “The Evening News”, um conto sobre a Batalha de Mons, o primeiro embate entre forças inglesas e alemãs durante a I Guerra Mundial, no qual os alemães, apesar da superioridade numérica (160 mil contra 80 mil ingleses) sofreram mais do dobro das baixas (não há consenso sobre os números, mas fala-se em perto de 5000 contra as pouco mais de 1500 do lado inglês). Machen descreveu um momento crucial da batalha, quando tudo parecia perdido para os ingleses e estes, com a fleuma que se lhes conhece, previam, entre comentários sardónicos, a inevitabilidade da derrota face a um inimigo muito mais poderoso. Um soldado inglês lembra-se, então, de uma figura de S. Jorge que havia visto anteriormente e, ao evocá-la, surge, em pleno campo de batalha, uma fileira de anjos arqueiros, que em instantes dizimam as forças alemãs, para assombro dos ingleses que assistiam à intervenção sobrenatural. [Read more…]

Momentum

index

Depois de ler este post do vitorcunha no Blasfémias, resta muito pouco para dizer sobre o que os sindicatos andam a fazer ao País, aos Alunos, aos Pais dos Alunos e aos próprios Professores.

Não tenho dúvidas que surgirão argumentos para tentar desmontar o indesmontável. Serão mais ou menos rebuscados, mais ou menos lógicos, mais ou menos estultos consoante o grau de cegueira, de desinteresse ou de comprometimento do seu autor. Para ajudar, deixo já aqui alguns que podem usar sem qualquer limitação: Marte está no signo de Capricórnio, foi o Pinto da Costa, isto tem dedo da CIA ou só falo na presença do meu Advogado.

[Read more…]

Álvaro Santos Pereira critica o governo

Santos Pereira: “Sinto que o que estamos a fazer incomoda”