As alternativas a Sócrates

Começa a falar-se nas alternativas a Sócrates. António Costa, o candidato mais óbvio, diz que só indo a votos e que há compromissos com Lisboa. Pudera, Santana Lopes serviu de lição a todos.
Em contrapartida, sugere o nome de de António Vitorino. Quem? Por favor, de gente com esqueletos no armário já nós estamos cheios! Quem não se lembra do caso Eurominas, do monte alentejano ou das pressões na TVI?
Fala ainda de Jaime Gama, mas passando ao lado da Casa Pia, cujo envolvimento nunca se confirmou cabalmente, é caso para dizer que tenha juizo. Fala ainda de Teixeira dos Santos, o rosto da política socratista nos últimos anos…
Quanto a Vitalino Canas, diz que é preciso reunir… para encontrar um nome consensual.

Nem Maquiavel faria melhor…

A estratégia de José Sócrates é simples: conseguir a tudo o custo a queda do Governo entre Março e Junho, ir a eleições e conseguir uma nova maioria absoluta. É assim que se explica toda esta polémica comezinha por causa de 50 milhões de euros.
Agora, a estratégia passa por pôr a «batata quente» no Presidente da República: ou veta a lei, ou vai haver consequências políticas graves. Ou seja, se se demitir a culpa é dele.
A chamada de Manuela Ferreira Leite a S. Bento, num momento em que até Jaime Gama já abandonou o seu papel de imparcialidade, inscreve-se em todo este cenário.
Brilhante! Nem Maquiavel faria melhor…

Contas do Orçamento do Estado estão erradas

Pela exposição feita pelo Ministro Teixeira dos Santos, percebeu-se já um erro nas contas do Orçamento do Estado para 2010.

O Ministro disse claramente na televisão, que este Orçamento assentava em dois princípios basilares:

1) Na confiança;

2) Na sensibilidade social;

3) No rigor.

Afinal não são dois, mas três!

Um escândalo!

Uma vergonha!

Pior do que a história do défice!

Mais a mais, 22 horas e 22 minutos não são horas para apresentar o Orçamento a Jaime Gama. Coitado do homem…

Como se não bastasse, Teixeira dos Santos não usou um Magalhães, mas sim um portátil da concorrência.

Outra vergonha!

Abaixo o Governo!