Parque Expo, CDS-PP e o branqueamento do compadrio

NGPMS

Sobre o caso dos ajustes directos da Parque Expo a altos dignatários do CDS-PP, cometi um erro ao afirmar, numa publicação da passada Quinta-feira, que o ex-ministro Mota Soares seria um dos proprietários do escritório Nobre Guedes, Mota Soares, Sociedade de Advogados, RL, isto apesar Pedro Mota Soares integrar, tal como outros destacados militantes do CDS-PP, os quadros do referido escritório.

Mas já que volto a este assunto, e porque a rede de amigos e convivas politico-partidários que mediatizou este caso não deixou de existir, não posso deixar de comentar o direito de resposta enviado pelo escritório Nobre Guedes, Mota Soares, Sociedade de Advogados, RL para o Observador, que procura branquear a ligação do ex-ministro de Passos Coelho àquele escritório, afirmando, no ponto 4, que Pedro Mota Soares “não é, nem nunca foi, sócio da sociedade de advogados Nobre Guedes Mota Soares e Associados“. Quem lá isto por alto pensa que foi aqui cometida uma grande injustiça mas não foi. Pedro Mota Soares não é sócio mas é associado, logo integra os quadros do escritório e o conflito de interesses não se dissipa. [Read more…]

A Parque Expo e os negócios nebulosos do CDS-PP

O presidente do Conselho de Administração da Parque EXPO, John Antunes (E), cumprimenta o membro do Conselho de Administração do Grupo Jerónimo Martins, José Soares dos Santos (C), após a assinatura do contrato de alienação das ações da Oceanário de Lisboa à Sociedade Francisco Manuel dos Santos, no Parque Expo em Lisboa, 15 de julho de 2015. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Encostado à esquerda na fotografia em cima está um homem bem encostado à direita. Trata-se de John Antunes, conselheiro nacional do CDS-PP, nomeado em 2011 por Assunção Cristas para presidir à Parque Expo, após ter integrado a comissão de honra da candidatura às Legislativas da mais que provável próxima líder do CDS-PP.

A tarefa de John Antunes era a de liquidar a empresa até ao final de 2013. Porém, e à imagem do governo que o incumbiu de tal missão, o centrista falhou a sua meta e o plano de liquidação não seria aprovado até Outubro de 2014. Desde então, a gestão do centrista gastou cerca de 700 mil euros em aquisição de bens e serviços, de um total de 3,9 milhões de euros desde Agosto de 2011, correspondentes a 103 contractos que, com a excepção de 16 concurso públicos, foram assinados na modalidade preferida do poder: ajuste directo. Para uma empresa a liquidar, convenhamos que dinheiro não parece faltar. [Read more…]