Rock in Rio, a Maria Leal dos festivais de Verão

O Rock in Rio não é um festival de Verão como os restantes. No início tentou ser, e ainda fazia jus ao nome, com dois dias de rock mais ou menos pesado, mas hoje não passa de um parque de diversões, atropelado por uma avalanche de publicidade, com um cartaz que, no essencial, é feito de nomes de música pop, quanto mais mainstream, melhor, preços altamente sobrevalorizados e cartazes cada vez piores e com menos diversidade. Claro que isto é apenas a minha opinião. E haverá por aí muito boa gente a defender a necessidade de existir um festival de música pop pastilha elástica com estas características. Mas hoje descobri que a Lili Caneças está no alinhamento de um dos palcos e tudo fez mais sentido. O Rock in Rio é a Maria Leal dos festivais de Verão: até pode ter alguma piada (os Muse vão lá), mas no geral é uma pimbalhada em avançado estado de parolização.

O BE devia estar mais atento ao mundo cor-de-rosa

No BE fala-se em renovação. Não sei se falam de idades ou de imagem. Seja como for a pessoa que recomendo não tem idade e tem a imagem sempre renovada. E é trotskista, já o era nos tempos do salazarismo:

Foi então que percebi que o mundo não era um conto de fadas, e que não havia liberdade. Lia Marx e Trotsky, os meus amigos eram maoistas. Eu sempre fui mais trotskista…

Além disso tem a experiência da luta de classes vivida na pele…

Nunca sentiu que podia estar a ser usada?

Senti. Na maior parte das vezes, usada, abusada e deitada fora.

… a ponto de ter de usar roupas emprestadas…

Fica com as roupas ou tem de devolver?

Claro que tenho de devolver. Agora vou lá devolver o vestido que usei esta manhã. Por isso é que estava cheia de medo de o estragar nas fotografias.

… foi vítima de machismo…

O meu ex-marido não me deixava trabalhar [Read more…]