Estes governantes são uns pândegos…

Continuo sem perceber a razão porque os sucessivos governos preferem enterrar o que chamam dinheiro público, na verdade é dinheiro esbulhado ao contribuinte, nos Bancos portugueses. Primeiro Sócrates não permitiu a falência do BPN e BPP, mais tarde Passos Coelho fez o mesmo com o BES e por último António Costa com o BANIF. A somar a tudo isto ainda temos os juros pagos à troika, pelo empréstimo destinado a ajudar o sistema financeiro, que supostamente ficaria forte, mas não ficou. [Read more…]

Do lado dos cidadãos: BE e PCP

eurocrata-sobre-o-manifestantesbesser

A resiliência e competência do movimento cidadão de protesto contra o CETA e o TTIP (os acordos comerciais da UE respectivamente com o Canadá e os EUA) tem sido notável. Entre vitórias e derrotas, há mais de três anos que se vem organizando, adquirindo conhecimento e até perícia em todas as áreas que o acordo abrange, bem como sobre os meandros do processo de aprovação, informando a opinião pública, reunindo milhões de assinaturas, declarando mais de 2.000 zonas (municípios) livres desses acordos, juntando centenas de milhares de pessoas em manifestações.

Quando, no passado dia 15 de Fevereiro, a meio da semana e em horário de trabalho, várias centenas de pessoas se juntaram na manifestação em frente ao Parlamento Europeu, todas elas sabiam que não havia esperança: os eurodeputados de direita e uma grande parte dos que se intitulam de centro-esquerda, iriam abrir as portas para mais um passo no sentido de uma ordem injusta e destruidora do planeta. [Read more…]

Cavaco, as influências negativas e o elogio ao PCP e ao Bloco

csgang

Diz a imprensa, que não há paciência para ler 600 páginas escritas pelo sultão da democracia portuguesa, já chega ter que o manter ad aeternum a caviar, que Cavaco Silva, a propósito do episódio dos avanços e recuos da lei da interrupção voluntária da gravidez, terá afirmado que PCP e Bloco exercem uma “influência negativa” na governação do país.

Muito poderia ser dito sobre as declarações de um indivíduo com tantos amigos a exercer a mais nefasta das influências sobre o nosso país. Amigos que contribuíram activamente para a destruição da economia portuguesa, que roubaram e corromperam, e com quem Cavaco até fez bons negócios. Não admira que tantos estivessem na sua comissão de honra quando se recandidatou em 2011. De bancos percebe ele. [Read more…]

É mesmo para acabar.

“Com a retirada de Obama e a entrada em cena do Luís XIV da Quinta Avenida, o mundo entra noutra fase. Podemos chamar-lhe incerteza mas incerteza é o que menos existe” – Clara Ferreira Alves, Expresso, 21 de Janeiro de 2017.

Quando acabei de ler o artigo desta semana de Clara Ferreira Alves na revista do Expresso fiquei a pensar que nunca como nos últimos tempos concordei tanto com aquilo que ela escreve. Sempre gostei de ler os seus artigos e ainda mais quando discordo das suas opiniões. Mas este seu texto, com o título “É para Acabar”, é do melhor que tenho lido nos últimos anos. Está ali tudo, devidamente retratado e colocado no seu real contexto:

captura-de-ecra-2017-01-21-as-21-42-26

captura-de-ecra-2017-01-21-as-21-40-21

A maior prova, se tal seria necessário, foram os resultados das eleições nos Estados Unidos. A imprensa a fazer campanha contra Trump e o resultado foi ao contrário. O mesmo se diga no que toca ao Brexit. Retomando o texto de Clara Ferreira Alves:

captura-de-ecra-2017-01-21-as-21-40-45

Estou plenamente convencido que assim será. Um a um, eleição a eleição os “Trump” mais ou menos letrados por esse mundo fora, a começar pelas próximas eleições em França, vão vencer com o voto popular. Porque o povo está farto. Completamente farto e prefere o “quanto pior, melhor”. As elites merecem que assim seja, para desgraça de todos. Voltando ao artigo de Clara Ferreira Alves:

captura-de-ecra-2017-01-21-as-21-41-02

Subscrevo tudo isto que a Clara Ferreira Alves escreveu. Para mal dos nossos pecados, estou convencido que assim será. É mesmo para acabar…

As contas dos partidos

O JN noticiou que o PS estará falido, andará inclusive a pedir dinheiro aos militantes. Olhando para as contas do PS ao longo dos últimos anos, de certeza que eu não queria ser fornecedor deste partido. Está em falência técnica há três anos, seguindo uma trajectória preocupante. O PS já veio negar a falência, se formos estritamente correctos não está falido, enquanto os credores aguentarem a situação pode permanecer como está (algo me diz que o PS não terá dificuldade em encontrar quem compre esta dívida e não se importe de a manter…).

Deixando de lado estas questões, a situação é esta:

PS
2015 2014 2013 2012 2011 2010
Activo 15 411 702 14 049 518 27 781 206 10 989 719 12 359 989 14 429 389
Capital (6 260 353) (4 804 742) (1 269 233) 2 403 136 4 384 697 7 248 345
Passivo 21 672 055 18 854 260 29 050 439 8 586 583 7 975 291 7 181 044
Resultado (1 044 243) (3 533 709) (3 837 136) (589 886) (3 152 075) 1 324 001

Valores em EUR

Como estarão os outros partidos?
[Read more…]

Geringonça? Sim, OBRIGADO!

A GERINGONÇA é para muitas pessoas de Esquerda uma primeira experiência de poder. É para muitos a primeira vez em que se olha com Esperança para o Governo. E, só por isso, já valeu a pena – está quebrada uma barreira que nos impedia de aceder ao poder, algo muito pouco democrático nos primeiros 40 anos de Democracia.

Mas, esta solução governativa não é perfeita, nem tão pouco isenta de erros. Obviamente irão acontecer e cá estaremos, como sempre estivemos, para os apontar. Como diz um amigo, respira-se melhor, mas as vantagens na oxigenação da democracia não nos podem inibir de ver e criticar o que não estiver bem.

A trapalhada comunicacional em torno do IMI foi um exemplo de como há muito para aprender com a desonestidade da direita – alô Cristas. E a história das viagens no Euro foi outro aspecto onde a Geringonça não esteve bem – bastaria, por exemplo, perguntar onde estão os Panamá Papers…

Não vou é confundir a árvore com a floresta – acredito na Geringonça e quero muito que ela funcione porque é a melhor solução para Nós, pessoas normais, que vivem longe das mordomias e dos lucros das empresas privadas penduradas no estado. A forma como o Bloco e em especial o PCP se comprometeram nesta solução é um elemento que reforça a força desta equipa.

Vamos, até por isso, continuar a lutar por esta solução governativa que, na Educação, por exemplo, tem muito para melhorar, mas o caminho faz-se assim mesmo, caminhando. Sem cegueiras, mas atentos aos cotovelos da direita.

Perigo iminente de golpe de Estado em Portugal

PSD em negociações com o BE sobre o objecto da comissão de inquérito à CGD. A geringonça absoluta.

Pedro Passos Coelho e o síndrome de Estocolmo

Refém

As lideranças do PSD e do CDS-PP, com o apoio das suas tropas estacionadas na comunicação social, vêm insistindo na narrativa de um governo refém dos partidos com quem firmou o acordo pós-eleitoral. Em declarações recentes, em que acusou o governo de ser “comandado” pelo Bloco de Esquerda, Pedro Passos Coelho afirmou

Há uma coisa que impressiona – não é o Partido Socialista, que escolheu um candidato a primeiro-ministro derrotado, estar à frente de um Governo; é que um partido, que é o Bloco de Esquerda, que tem 10% de resultado, esteja a comandar o Governo em Portugal.

(…) se a moda pega noutros países europeus (…) Não é aquele (regime) em que eu quero viver e democrático é que ele não é.

[Read more…]

Aplaudamos a estupidez em pé: a JSD está de volta

JSD

Lembram-se do episódio do cartaz do BE, que tanta polémica causou? Lembram-se dos argumentos dos indignados que, à direita, vociferavam contra o desrespeito pelas crenças e sensibilidades de terceiros que eram cruelmente violentados pela brincadeira de mau gosto do Bloco? Estão recordados?

Pois bem, a JSD elevou a fasquia. No mesmo campeonato, ou não fosse a JSD parte integrante do PSD, as camadas jovens do partido que até integra um grupo parlamentar europeu onde se destaca o ditador fascista da Hungria voltaram a fazer das suas com um cartaz que compara Mário Nogueira a Stalin. Isto é imbecil de muitas maneiras, e a imbecilidade fica bem patente nas palavras do deputado e líder da JSD, Simão Ribeiro, que afirmou ao Negócios tratar-se de iniciativa que visa firmar “uma posição política e fazer entender ao país que falta um debate sério sobre o modelo educativo desejável”. Portanto este anedótico ser afirma pretender um debate sério e a forma que encontrou para o iniciar foi comparar um líder sindical eleito pelos seus pares e um ditador sanguinário. Aplaudamos a estupidez em pé. [Read more…]

As manhas de um Correio

CM

O BE entregou no Parlamento três projectos de resolução onde recomenda ao governo o fim das portagens nas auto-estradas A4 (Porto/Quintanilha-Bragança), A24 (Viseu/Chaves) e A25 (Aveiro/Vilar Formoso), defendendo que tais medidas contribuirão para aliviar as pressões sociais e financeiras sobre Viseu e Vila Real, dois distritos economicamente deprimidos. Importa recordar que as três estradas nasceram como vias sem custos para o utilizador.

O jornal com mais tiragem do país achou que, parafraseando a minha fonte, assim dava mais estrondo. E dá. Dá porque os jihadistas anti-esquerda adoram partilhar estas coisas e, de hoje para amanhã, o BE é um partido irresponsável que quer acabar com as portagens em todas as auto-estradas deste país, privando assim o Estado de uma importante fonte de receita. Porque são demagogos. Porque são populistas. Porque são despesistas. Porque querem entregar tudo aos funcionários públicos, esses nababos. E assim se cria um boato que dará a volta ao mundo das redes sociais, transformando-se em verdade absoluta para alguns. Acontece todos os dias. Nada de novo.

Tweet via Os Truques da Imprensa Portuguesa

Deus tenha compaixão de ti, Nuno Melo

NMPP

No seu mais recente artigo de opinião no JN, Nuno Melo pede a Deus que perdoe o Bloco pelo episódio do cartaz, esse violento tiro no pé que muita água fará ainda correr debaixo da ponte da estratégia política. Lamentavelmente, o eurodeputado foi mais longe e decidiu misturar alhos com bugalhos, metendo lá para o meio brinquedos sexuais, drogas leves e até uma música do Gabriel o Pensador que versa sobre paz e tolerância. Malditos bloquistas que ousam fazer humor com Jesus Cristo e ainda usam vibradores, fumam charros e ouvem rap brasileiro. Hão-de arder todos no fogo do Inferno! [Read more…]

Uma ofensa gratuita à sensibilidade das pessoas

CDS

O polémico cartaz do Bloco de Esquerda foi, de longe, a melhor coisa que aconteceu aos partidos de direita nos últimos meses. Retirou o foco da derrota esmagadora que para eles significou a aprovação do OE16, com a cereja da Moody’s no topo, e forneceu um argumento populista e mediático a PSD e CDS-PP, que colocou na sombra o estado comatoso em que ambos os partidos se encontram.

Penso ser mais ou menos consensual que o cartaz foi um tremendo erro da parte do BE, sendo que a imediata demarcação de Marisa Matias e de Francisco Louça do mesmo, a que se seguiu o acto de contrição de Catarina Martins, são ilustrativos disso mesmo. Não obstante, o aproveitamento político imediatamente orquestrado pela direita não é um erro menor e diz-nos muito sobre a actual travessia do deserto que se vive por aqueles lados. E quer-me parecer que o CDS-PP perdeu uma boa oportunidade de ficar calado. [Read more…]

Jesus também tem sentido de humor

JC

Se a doutrina/mitologia (escolher a opção que melhor se adeque às suas crenças) cristã estiver certa, Jesus Cristo está no céu e, creio, a rir-se de toda esta polémica em torno do cartaz do BE. Até porque, rezam os livros, o filho de Deus era um tipo impecável e os tipos impecáveis tendem a ter sentido de humor.

Sobre o tiro no pé do Bloco, pouco haverá a acrescentar àquilo que o J. Manuel Cordeiro aqui escreveu. Era totalmente desnecessário, o timing foi péssimo e só beneficiou a estratégia dos partidos de direita de tentar branquear esse conseguimento que foi a aprovação do orçamento. Com o cartaz da discórdia, o BE chamou a si todos os holofotes e eclipsou por completo o terramoto que se fez sentir no Caldas e na São Caetano à Lapa. Passos e Portas Cristas agradecem. [Read more…]

Um dia histórico para Portugal

OE16

E o PCP que teima em não roer a corda.

Foto: Manuel de Almeida/Lusa@DN

TAP uma sociedade a 50% em que ninguém manda

foto@expresso

foto@expresso

O Estado, conforme o negócio político feito entre o PS, BE e PCP que sustenta o actual governo, voltou a ter 50 por cento da TAP, sendo que a gestão da empresa vai continuar a ser efectuada pelo consórcio Atlantic Gateway.

Esta reversão do negócio polémico feito pelo anterior governo, no final da legislatura, vai custar agora quase dois milhões de euros .

Mas este negócio pode vir a tornar-se ruinoso porque a factura a pagar nos próximos anos pode vir a ser muito pesada, podendo vir a custar muitos milhões de euros ao País.

A isto acresce ainda que estamos agora numa sociedade a 50% em ninguém manda!

O BE, mas sobretudo o PCP, não aprovam o negócio por razões político/ideológicas, que pode vir a ter repercussões ao nível da CGTP. Por outro lado Passos Coelho pede esclarecimentos.

Agora a palavra é de António Costa e do seu governo.

PS começa a dar os primeiros sinais de cedência a Bruxelas

orcamento_estado A proposta de orçamento apresentada pelo governo socialista ainda não passa de um draft mas já está a ser alvo de críticas e a levantar muitas dúvidas de vários sectores nomeadamente de Bruxelas.

Aliás ainda hoje Carlos César, líder parlamentar do Partido Socialista, admitiu que poderão vir a ser feitas algumas cedências à Comissão Europeia.

Este anúncio de Carlos César penso que é estratégico vindo assim abrir caminho a algumas cedências prévias de António Costa que amanhã terá que enfrentar os deputados na Assembleia da República.

E não tenho dúvidas que este será o tema forte do debate quinzenal no Parlamento.

Estou curioso para ver a estratégia que Pedro Passos Coelho vai começar a trilhar na oposição ao governo agora que se conseguiu libertar de alguns dirigentes do PSD que o condicionaram, nos últimos anos, mas que agora passaram a meros figurantes.

Mas será também interessante observar os primeiros sinais de um novo CDS que está claramente num processo de mutação que vai implicar um novo posicionamento político do partido que vai passar a ser liderado por Assunção Cristas.

[Read more…]

Ao cuidado das senhoras e senhores que lideram PS, BE, PCP e PEV

yes

Estimadas senhoras e senhores,

Antes de mais gostaria de vos saudar por aparentemente terem conseguido colocar o interesse nacional à frente das diferenças que vos separam. Enquanto cidadão que se identifica com uma matriz ideológica de esquerda, é com grande satisfação que encaro o vosso empenho na procura de um entendimento que permita a criação de uma alternativa à austeridade extremista que coloca o poder financeiro à frente das reais necessidades de uma sociedade empobrecida e massacrada pelo radicalismo financeiro que comanda a Europa. [Read more…]

Abaixo a estabilidade governativa!

phpThumb

Miguel A.Lopes,EPA

É evidente que não basta que os nossos defeitos sejam iguais aos dos outros para que sejamos melhores. Ser igual a outro que padeça dos mesmos vícios deveria ser fraco consolo, especialmente se o outro for agressivo, desonesto ou mesmo portista.

Ainda assim, não deixa de ser divertido assistir ao triste espectáculo de ouvir e ver gente como Passos Coelho e Paulo Portas a acusar outros de falta de seriedade e de desonestidade e de golpadas. É importante não esquecer, por exemplo, que Passos Coelho ganhou eleições com base em mentiras.: não ia aumentar impostos, não ia cortar salários, não ia sobrecarregar a classe média.

É igualmente tocante a enorme preocupação de Cavaco com a solidez das propostas de António Costa, já que, apesar de ser Presidente da República, conseguiu desprezar a Constituição de que deveria ser o primeiro garante, explicando que não há nada mais importante que o Orçamento de Estado. Além disso, manteve em funções um primeiro-ministro que fez exactamente o contrário do que prometeu e não tem um comentário a fazer ao facto de esse mesmo primeiro-ministro, sem surpresas, ter anunciado, antes das eleições, que devolveria 35% da sobretaxa de IRS cobrada em 2015, devolução essa reduzida a zero menos de dois meses depois. [Read more…]

Moção de Rejeição do BE na íntegra

via Scribd.

Não há nim possível para o PC

No nosso parlamento são estes números:

  • PaF: 107
  • PS: 86
  • BE: 19
  • CDU: 17
  • PAN: 1.

Logo, a alternativa a uma “minoria” da PaF só poderá acontecer envolvendo, pelo menos, três partidos: PS, BE e PCP para um total de 122. Uma colaboração entre o PS e o BE só teria 105 deputados. E, se estas contas, parecem dar importância ao PC, mostram também que um acordo entre o PC e o PS também não seria suficiente. Ou seja, para este efeito, ou estão os três, ou nada feito, o que, mais vírgula menos vírgula, tem vindo a ser dito por António Costa.

Ora, a espuma noticiosa tem vindo a colocar as negociações à esquerda num impasse: PS e BE estão de acordo, enquanto o PC continua no nim. Para comentar esta possibilidade podemos recorrer à expressão “não há fumo sem fogo” ou então ao clássico “isso é a direita a tentar condicionar o PC”.

As greves nos transportes ou a manifestação em frente ao Parlamento podem ser uma forma do PC continuar a condicionar o rumo das negociações, mas, prefiro continuar a pensar que a Manifestação da próxima semana é uma manifestação de apoio a um governo de esquerda e, se assim for, até simpatizo com a ideia, mas para isso, mais do que exigir o deita abaixo, devem dizer queremos a Esquerda a governar.

Verdade ou não, creio que em Democracia é a primeira vez que o sonho de muitos se poderá concretizar. E, o Partido Comunista Português não pode desta vez deixar de estar na parte da solução. Seria mais confortável dizer que não, que continua apenas na luta e a liderar a classe operária, mas neste momento há uma forma muito mais simples de colocar a coisa:

  • ou o PC está ao lado do PS e do BE e permite um governo liderado por António Costa, ou, então, junta-se ao Assis e permite um governo liderado pelo Marco António.

 

O capitalismo é o pior dos sistemas, à excepção de todos os outros…

Nem vou aprofundar a discussão sobre apoios governamentais ao sistema financeiro, desde 2008 que publicamente discordo de tal medida, por mim qualquer Banco ou Seguradora se economicamente inviável deve falir como a mercearia da esquina. Aos que defendem a nacionalização do sistema financeiro, respondo que antes guardar o dinheiro no colchão a ser atendido por meia dúzia de antipáticos e mal encarados que acham que me prestam um favor, quando sou eu e todos os clientes que lhes pagam o salário. Vade retro, ainda me lembro do tempo em que os Bancos encerravam à hora do almoço e chegavam a fazer greve causando prejuízos incalculáveis aos clientes, impossibilitados de dispor do seu próprio dinheiro. A morte de um familiar próximo obrigou alguém ainda mais próximo a pedir dinheiro emprestado ao vizinho para conseguir assistir ao funeral a 200 kms de distância, tudo em nome dos direitos e conquistas de Abril. Óbvio que esse inenarrável episódio aconteceu antes do advento do Multibanco e privatização da Banca. [Read more…]

Os eleitores do PSD votaram na CDU?

Loures

Sim, eu sei que a gestão de uma autarquia não tem nada a ver com a gestão do país. Mas não é a gestão dos destinos da sociedade que está aqui em questão. É antes esse tema do momento, central na argumentação da direita radicalizada, que confronta os eleitores dos partidos à esquerda com a seguinte pergunta: os eleitores do PS votaram no partido com a perspectiva de um entendimento com o BE e a CDU? E os eleitores do BE e da CDU, terão eles votado nestes partidos com a perspectiva de uma aliança com o PS?  [Read more…]

Ai, é assim que queres brincar?

Então, vamos a isso: à Esquerda, entendam-se e escolham um só candidato a Belém! Começaremos a mudança por aí.

“O investimento no País seria hipotecado pela instabilidade governativa”

Contra-argumento #4.
E o empreendedorismo, e a competitividade, e a credibilidade junto dos mercados.
Pelo sim pelo não, o melhor será não correr riscos.
arguing

À saída de Belém II

António Costa:esquerda

Veremos se daqui sai um saco de gatos

Há uma maioria que votou na esquerda mas não existe uma força de esquerda maioritária. Se o PS, PCP e BE não avançarem com uma proposta de governo composta pelos três partidos, limitando-se, alternativamente, a uma proposta de governo PS com apoio parlamentar do BE e do PCP, terá a esquerda uma derrota em toda a linha. Em primeiro lugar, não se conseguirão estabelecer como alternativa a uma minoria de direita. Em segundo lugar, ficará claro que a abertura do BE e do PCP foi meramente táctica. E, por fim, Costa acabará a dar força à coligação de direita, que esta capitalizará afirmando-se como o garante da estabilidade.

SACO-DE-GATOS

(corrigido)

No pasa nada…

Ainda não me pronunciei sobre o cenário político da choldra, mas passadas 2 semanas das Legislativas considero que a múmia Cavaco Silva deve indigitar Passos Coelho como Primeiro-Ministro do próximo governo constitucional e após conhecer o elenco ministerial dar posse ao mesmo tão rápido quanto possível. A partir daí o governo terá obrigatoriamente que apresentar programa na A.R., não estando obrigado a apresentar moção de confiança ou sequer submeter o programa a aprovação, mas fica sujeito a eventual apresentação de moção de rejeição, que produzirá efeito se aprovada. Sabido que Catarina Martins anunciou que iria apresentar tal projecto caso o P.R. desse posse ao actual P.M., e não vislumbro outro cenário possível, António Costa fica duplamente “entalado”. Ou aprova a moção e derruba um governo que praticamente nem chegou a entrar em funções, ou se abstém deixando cair a ideia de governo de esquerda. Caso decida votar favoravelmente a moção do BE dificilmente conseguirá mobilizar os votos da totalidade da sua bancada parlamentar, o que o deixaria exposto ao ridículo caso a coligação sobrevivesse à moção com o hipotético apoio do PS. Face ao exposto, uma eventual abstenção do PS não pode ser posta de lado, mas António Costa terá que atirar para BE e PCP o ónus da mesma… [Read more…]

Será II

Não pode ser. Ela não tem idade.

Nem a chantagem dos mercados sabeis fazer, palermas!

Sapo

Perante a ameaça de a democracia não seguir o rumo pretendido pela nação pafista e se transformar naquilo a que as claques se referem como sendo o “frentismo” ou a “ditadura de esquerda”, o spin que desceu à terra para iluminar o caminho dos justos não podia ser mais claro, ameaçador e digno de rebelião: os mercados não vão perdoar. Ressuscite-se a Rede Bombista que isto já só lá vai com sangue e sedes do PCP a arder.

Ontem, para reforçar as instruções enviadas às caixas de ressonância, a coisa até correu bem: o PSI-20 a cair 2% (como se fosse preciso muito para que isso acontecesse) e os juros a subir há alguns dias (apesar de ontem até terem descido ligeiramente mas isso não interessa nada) só podiam significar uma coisa e o título do Expresso não deixava margem para dúvidas: “Acções descem e juros sobem com medo de um governo de esquerda”. Oh, o medo! O terror! Deus nos acuda que o PREC está de volta. Fujam todos carago! [Read more…]

Já só pode ser adiada,

«a realidade nova que, mesmo que o PS lhe falhe», faz sorrir o cronista.
[Tiago Mota Saraiva]