O Super Bock Super Rock e o egoísmo imbecil travestido de liberdade

Julho de 2011. Desci o país em direcção ao Meco, na única edição do Super Bock Super Rock em que acampei na Herdade do Cabeço da Flauta, ainda no tempo em que o rock não se esgotava no nome. Por lá passaram Artic Monkeys, Tame Impala a dar os primeiros passos, The Legendary Tiger Man, Arcade Fire, The Strokes e um gigante chamado Slash, entre outras coisas boas como Portishead, Rodrigo Leão ou Sven Väth. Um senhor cartaz.

Foram três dias bem passados, quase perfeitos, não fosse um pequeno detalhe: a viagem para o Meco. A viagem não. A viagem fez-se bem. Refiro-me àqueles 10km finais, que separam Fernão Ferro do recinto do festival, e que demoraram umas quatro horas a fazer. Ou mais, mas fiquemo-nos pelas quatro horas.

[Read more…]

O Avante em tempos de Covid

Quero começar por dizer que, da parte que me toca, sou tão favorável à realização da Festa do Avante como a favor das praias a abarrotar sem controle algum, das portas escancaradas ao turismo no Algarve, com os seus holandeses e ingleses ela semear covid-19 no Algarve e o aeroporto de Faro a rebentar pelas costuras, das peregrinações em Fátima, dos concertos no Palácio de Cristal, das manifestações contra o racismo e a favor dele, ou até de algumas enchentes verificadas nas feiras do livro do Porto e Lisboa, para não falar nos comícios do Chega, onde a malta da extrema-direita, que ainda olha para o problema pela óptica bolsonariana da “gripezinha”, faz questão de se apresentar sem máscaras. Isto para vos dizer que, na minha opinião, qualquer organização, de qualquer natureza, que dê origem a grandes ajuntamentos não deveria ser permitida. [Read more…]

Rock in Rio, a Maria Leal dos festivais de Verão

O Rock in Rio não é um festival de Verão como os restantes. No início tentou ser, e ainda fazia jus ao nome, com dois dias de rock mais ou menos pesado, mas hoje não passa de um parque de diversões, atropelado por uma avalanche de publicidade, com um cartaz que, no essencial, é feito de nomes de música pop, quanto mais mainstream, melhor, preços altamente sobrevalorizados e cartazes cada vez piores e com menos diversidade. Claro que isto é apenas a minha opinião. E haverá por aí muito boa gente a defender a necessidade de existir um festival de música pop pastilha elástica com estas características. Mas hoje descobri que a Lili Caneças está no alinhamento de um dos palcos e tudo fez mais sentido. O Rock in Rio é a Maria Leal dos festivais de Verão: até pode ter alguma piada (os Muse vão lá), mas no geral é uma pimbalhada em avançado estado de parolização.

O Melhor Festival de Verão

Além de melhor festival de verão, o Milhões de Festa é o único que põe tudo na piscina. Viva Barcelos…