Carta do Canadá – Um rapaz do meu tempo

Acabo de saber da morte do Mário Wilson e fico triste. Não que eu seja grande coisa em futebol. Na verdade, o pouco que sei aprendi-o na emigração. Saudade é assim. Sempre que há jogos internacionais, lá estou a ajeitar o horário para me pôr frente à TV, a sofrer e a rejubilar. Mas tenho memória e lembro bem os tempos gloriosos da bola, que arrastavam multidões aos estádios. E, naturalmente, houve nomes que fixei. Um deles foi o de Mário Wilson.

Mário Wilson

Mário Wilson (foto via Diário Digital)

Mas vivíamos em mundos diferentes e separados. Nunca me passou pela cabeça conhecer um jogador de futebol. E, no entanto, isso aconteceu. Em 1976, fui convidada a ir a São Miguel, nos Açores, assistir a um desafio amigável entre o Benfica e o Sporting que iria inaugurar um estádio local. O convite partiu de João Rocha, então presidente do Sporting e amigo de alguns jornalistas que, durante o PREC, defenderam a liberdade e a democracia contra a ditadura à sua maneira. O pretexto foi calcular que eu estaria a precisar duns dias de repouso e que apreciaria ter por companhia nos passeios sua mulher e filha. [Read more…]

Morreu um de Nós

Obrigado. Até ao Terceiro Anel.

“tenho dois amores: um é a Académica de Coimbra (…) o outro é o mesmo que o teu, Eusébio! É o BENFICA”

Ninguém pára o Benfica

É verdade, ninguém pára o Benfica. Pára? A sério? Sim, pára. Claro.

abola 1742013