Outra vez, Benfica?

Novas suspeitas de branqueamento de capitais e fraude fiscal, buscas domiciliárias e ao Estádio da Luz e seis novos arguidos. Deve ser a tal “cavala” de que se falava há uns dias…

E se o Benfica não for pentacampeão?

Confesso: tenho muito medo de que o Futebol Clube do Porto seja campeão nacional. Esse medo não nasce do meu já lendário benfiquismo, sendo antes resultado da minha profunda amizade por alguns portistas.

Na verdade, alguns dos meus amigos adeptos do extraordinário clube que é o Futebol Clube do Porto cultivam uma fé cega (o que é, talvez, uma redundância) na certeza de que os sucessos do Benfica assentam exclusivamente na corrupção, num domínio absoluto da arbitragem, através de uma multiplicidade de meios e de uma rede tentacular – mesmo octópode. Esses meus amigos têm, desde o início do campeonato, a certeza absoluta de que o Benfica será campeão nacional, ao contrário de mim, que acredito sempre que, enquanto for matematicamente possível, está-se sempre a tempo de não ficar em primeiro lugar. Isto quer dizer que, apesar da minha natureza essencialmente corrupta, tenho pouca fé na corrupção e chego, até, a duvidar de Jonas. [Read more…]

Luís Godinho é moralmente corrupto e um digno sucessor de Bruno Paixão

Não sei se houve ou não dinheiro envolvido naquilo que o árbitro Luís Godinho fez no Sábado durante os 90 minutos do Setúbal – Benfica. Suponho que não. Pelos mails, percebemos que esse não é o “modus operandi” do Benfica. Ou, pelo menos, não é o principal.
O esquema é tão simples que corre por si próprio sem que sejam necessários contactos entre as partes.
O Conselho de Arbitragem é apoiado pelo Benfica e dele depende para se manter no cargo – dele fazem parte José Fontelas Gomes, que pelos mails sabemos que tinha um camarote privativo no Estádio da Luz nos tempos da APAF; e João Ferreira, o tal que «pode ser» numa das escutas que a equipa do Apito Dourado decidiu ignorar – Luís Filipe Vieira negociava então, com Valentim Loureiro, a escolha do árbitro para um jogo do Benfica.
Sabendo que está nas mãos do Benfica, que por sua vez tem nas suas mãos um conjunto alargado de clubes, conseguidos através de diversas prebendas (do empréstimo de jogadores ao pagamento de verbas avultadas pelo direito de opção de um jogador «a escolher» e que nunca chega a ser exercida), o Conselho de Arbitragem faz as nomeações dos árbitros que mais interessam ao clube. Era assim no tempo de Vítor Pereira e nada mudou com Fontelas Gomes.
Neste processo, têm um papel fulcral os classificadores de árbitros e, entre eles, o seu responsável máximo. Até há dois anos, era Ferreira Nunes, aka Franck Vargas, a quem o Benfica pagou pareceres jurídicos, bilhetes e noites em hotéis. Hoje em dia, deve ser um outro Ferreira Nunes qualquer.
Os árbitros sabem que, se quiserem ter uma boa nota dos seus classificadores, têm de favorecer o Benfica. Melhores notas são o garante de nomeações para mais jogos, logo, mais dinheiro.
Não por acaso, Luís Godinho é o líder das nomeações nesta temporada. Um dos internacionais-proveta do tempo de Vítor Pereira, que na época passada foi contra um jogador do FC Porto, Danilo Pereira, e expulsou-o por causa disso, num episódio anedótico que correu toda a Europa. Aliás, nesse jogo em que era preciso arrumar o FC Porto da Taça da Liga, conseguiu-o: expulsou Danilo e Brahimi e roubou um penalty descarado.
A recompensa pelo bom trabalho que tem feito aí está. Na presente época, foi nomeado para mais jogos do que todos os seus colegas. Entre eles, três jogos do Benfica, dos quais os dois contra o Setúbal. Jornada de pré-clássico é jornada de Godinho – Fontelas Gomes sabe-a toda. [Read more…]

Seis milhões de corruptos

O mundo do futebol fora das chamadas quatro linhas é ainda mais feio do que um jogo do campeonato português. Em Portugal, nos últimos anos (dez, vinte, trinta?), o discurso sobre futebol passou a ignorar o jogo e transformou-se em acusações de corrupção e em debates intermináveis sobre erros de arbitragens sempre propositados ou, na melhor das hipóteses, grosseiros. Mesmo os erros dos jogadores, até aqui poupados às quotidianas teorias de conspiração, passaram a ser vistos com desconfianças cada vez mais confiantes. Tudo isto nasceu nos gabinetes dos dirigentes, propagando-se, com a pestilência dos cadáveres em decomposição, para os adeptos, seguidores fiéis de directores de comunicação capazes de tudo. E o delírio passa de pais para filhos e já vai em netos, ampliado pelas redes sociais, essas megatabernas em que os ébrios do apito só versam o tema dos roubos.

O adepto típico, hoje em dia, sabe o nome de todos os árbitros, árbitros auxiliares, a que se junta agora o videoárbitro (amanhã, será o audioárbitro, ficando a  faltar três sentidos – incluindo o paladar, porque pode haver árbitros de comer e chorar por mais), e lembra-se de todas as vezes em que roubou o seu clube ou a sua selecção, que também só é eliminada por artes de conspirações mundiais, com agentes secretos e tudo. [Read more…]

António Costa é um pateta alegre

Transformar um gravíssimo caso de corrupção da Justiça num fait-divers, entre duas piadolas de mau-gosto, não é coisa de primeiro-ministro, mas de um pateta alegre.
O que não vale estar em causa «o clube que nos une».

José Augusto Silva, uma “toupeira” muito acessível

Tem razão, o advogado Paulo Gomes, que representa José Augusto Silva no processo e-toupeira, quando afirma que existem neste país pessoas que recebem milhões de euros de corrupção sem que nada de particularmente grave lhes aconteça. Acontece que, se ficarem provadas as suspeitas que pendem sobre o informático que está no centro da tempestade vermelha e branca, o cliente de Paulo Gomes não se limitou a receber umas camisolas e uns bilhetes para o Estádio da Luz. Violou a lei e comprometeu processos judiciais em curso.

A confirmarem-se as acusações, José Augusto Silva não será um pobre inocente que recebeu umas camisolas e uns bilhetes por ser um adepto exemplar, como se de um simples bode expiatório se tratasse. José Augusto Silva terá usado a sua posição profissional e os seus conhecimentos informáticos para usurpar as credenciais da magistrada Ana Paula Vitorino, violar o segredo de justiça e aceder ilegalmente a dados de processos em curso, que colocam o SL Benfica numa posição extremamente delicada, entregando-os ao director jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves.

José Augusto Silva terá então subvertido o normal funcionamento da justiça, deixando-se corromper para o efeito, e isso, por si só, não é coisa pouca. E se a isto juntarmos o emprego que o SL Benfica deu ao seu sobrinho ou os vários convites para o camarote presidencial da Luz, por norma reservado às mais altas individualidades do desporto, da política e do mundo empresarial, fico com a sensação que a margem para dúvidas se reduz drasticamente.

É óbvio que precisamos de uma justiça mais competente, capaz de prender políticos, banqueiros e empresários corruptos, que os há em demasia neste país de compadrios. Mas se queremos um país onde a justiça funcione, não podemos tolerar que os seus funcionários vendam informação confidencial sobre processos em segredo de justiça a dirigentes desportivos corruptos, seja a troco de um milhão de euros, seja a troco de um bilhete para a bancada Coca-cola. E o mais grave no meio de tudo isto é perceber o quão barato pode ser corromper alguém com acesso privilegiado a informação tão sensível. Se é assim com processos relacionados com o futebol, imaginem como será quando o tema são falcatruas bancárias ou corrupção político-partidária.

O Acordo Ortográfico de 1990 explicado por um jogador do Benfica

On dit souvent que, depuis Copernic, l’homme souffre de savoir qu’il n’est plus au centre du monde : grande déception cosmologique. La déception biologique et cellulaire est d’un autre ordre : elle nous apprend que le discontinu non seulement nous délimite, mais nous traverse : elle nous apprend que les dés nous gouvernent.

– Michel Foucault “Croître et Multiplier

***

Jonas, jogador brasileiro ao serviço do Benfica e actual melhor marcador do campeonato português de futebol, acaba de dar uma ajuda preciosa, embora involuntária, ao explicar de forma concreta o busílis do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

Em entrevista concedida ao jornalista brasileiro Tébaro Schmidt, da globoesporte.com (e não globoesportes.com, como se lê na notícia da versão europeia – já lá vamos), o futebolista menciona a maior decepção no Benfica. Efectivamente, a maior decepção.

 

Os serviços de tradução do jornal A Bola decidiram verter para português europeu esta parte da entrevista e o resultado é o seguinte:

Sem AO90, não é necessário traduzir decepção. Sem AO90, há decepção em Portugal e no Brasil. Com AO90, só há decepção no Brasil. Como o jornal A Bola decidiu aderir ao AO90, dando o seu contributo para a bem conhecida – aqui e alhures – «defesa da unidade essencial da língua portuguesa», eis a necessidade de explicar aos leitores portugueses o significado de decepção, através de uma das muitas aberrações ortográficas (deceção) criadas pelos autores do AO90 (há mais, sim, há mais).

Obrigado, Jonas.

***

Vitória de Setúbal ganha com facilidade ao Belenenses

É uma vergonha! Esta vitória deveria ter sido do Benfica, como estava combinado! E a Federação não faz nada?

Quando o Belenenses (aparentemente) não colabora…

Há sempre um plano B. O de ontem chamou-se Bruno Paixão e Rui Oliveira. A roubalheira do costume. Parabéns aos nomeadores. Hoje há mais padralhada em Moreira de Cónegos.

O PSD já retirou a confiança política a Sérgio Azevedo?

Sérgio Azevedo, o espião do Benfica na Assembleia da República.

Mário Centeno já se demitiu?

 

Ministro das Finanças pediu 2 bilhetes a Luís Filipe Vieira, para ver jogo «contra o Porto», apesar de aquele ser arguido do caso BPN por suspeita dos crimes de burla qualificada, de falsificação e branqueamento de capitais.
Recebimento indevido de vantagem dá prisão de 1 a 5 anos.
Dizem que Mário Centeno é o CR7 da política. Cá para mim, é mais o Fábio Veríssimo da política. Já se demitiu?

2018

2018

(aka benfica’s worst nightmare)

Os emails do Benfica e a Comunicação Social prostituída


Os últimos emails do Benfica que foram revelados mostram uma incrível promiscuidade entre o clube e a Comunicação Social. Nesses emails, podemos ver José Manuel Delgado, «jornalista» de «A Bola», a conspirar com Paulo Gonçalves contra o FC do Porto e a combinar notícias que serão publicadas nos dias seguintes. Outros «jornalistas», como Rui Pedro Braz, Nuno Farinha e tantos outros também aparecem nos emails a desempenhar exactamente o mesmo papel.
A Comunicação Social portuguesa, hoje como há muitos anos, não passa de uma prostituta ao serviço do Benfica.
Notícias sobre os emails? Zero! Zero!
Bem pode o Benfica processar todos aqueles que divulgarem os emails. Processem-me, caralho!
E bem podem clamar também pela protecção da intimidade – estamos a falar de crimes graves e isso sobrepõe-se a tudo o resto. Para quem estiver com ideias, visto que estamos a falar de padres, a confissão não entra na equação.
A quem elogiou Julian Assange, Edward Snowden e os autores dos Panama Papers, entre tantos outros, aconselho uma grande dose de coerência. É enternecedor falar sobre o conteúdo quando estão em causa os outros, mas pôr em causa a origem quando falam de nós.
Pudesse eu queixar-me à ERC!
Infelizmente, após o mandato do cangalheiro, que desempenhou a função com a eficácia própria do epíteto, a ERC está hoje entregue a uma Brigada do Reumático que, para além de ser benfiquista, percebe pouco do assunto.
Quanto ao FC do Porto, responde (em campo) da única forma que pode responder.

Pedro Guerra na corrida à presidência do SL Benfica?

via Expresso

Ser Portista

Sou portista e a favor que os árbitros roubem o Porto e favoreçam o Benfica. Considero que é uma questão de elementar justiça.
A nós, os do Porto, sendo grandes, eternos e profundos, não assiste o direito de exibir a superioridade outorgada por Deus, esmagando os adversários com os quais o mesmo Deus não terá sido justo, fazendo-os cruelmente inferiores, desanimados, incompletos, atentos somente à perfídia da batota e ao desalento da falta de jeito para jogar à bola.
O árbitro, como o Minotauro, nasceu para roubar os que, como os do Porto, não encontraram nos obstáculos naturais da vida a dificuldade necessária à expressão plena da sua vontade, da sua força e do seu talento transmundano, cuja imagem mais fiel é o próprio Céu de Deus, lugar cuja maravilha, contudo, fica aquém do trono verdadeiro do Portista, coluna inamovível, sustentáculo do Universo e do que além dele se desconhece.

Padres pedidos: «Era o João Pinheiro por favor» (sim, «o João pode ser»)

Há umas semanas, Luís Filipe Vieira, coagindo os poderes instituídos (porque quem pode, pode), queixou-se de que o árbitro João Pinheiro nunca apitava o Benfica.
Hoje, Fontelas Gomes, o Presidente do Conselho de Arbitragem, fez-lhe a vontade. Foi o que se viu: 2 expulsões perdoadas a jogadores do Benfica por agressão, na primeira parte; golo do Benfica num fora-de-jogo igual ao do Benfica – Portimonense do «aguenta aguenta»; golo anulado ao Estoril por mão; penalty perdoado ao Benfica por mão de Luisão exactamente igual ao golo anulado ao Estoril  e ao do FC do Porto – Benfica.
Na BTV,  o antigo árbitro António Rola já disse: «É um árbitro promissor». Está tudo dito. João Pinheiro tem 29 anos, vão ser mais 16 disto.
E o VAR, esse ceguinho, não viu nada. Nunca vê nada. No campo, é um ser humano e o caralho, tem o direito de errar. Na televisão, é o quê? Neste caso, é Manuel Oliveira, aquele que na época passada não viu 3 penaltys a favor do FC do Porto contra o Setúbal. 7 jogos a apitar o Benfica, 6 vitórias e 1 empate, sendo que nesse empate marcou um penalty que salvou o Benfica da derrota (o resumo desse jogo é qualquer coisa) a 5 minutos do fim- aí, já viu. Também está tudo explicado.
Fontelas Gomes, o tal que ficou a saber nesta semana que o Benfica monitoriza as tatuagens da sua esposa, Dina Mimoso, deve estar a dar pulos de alegria. As suas nomeações continuam a dar os resultados pretendidos. Semana após semana.
Como dizia outro antigo árbitro, o Benfica vai ter os padres que escolheu e ordenou, nas missas que celebrou. E nem precisa de jogar bem.
Só mesmo neste charco putrefacto que se chama Portugal é que um árbitro apanhado a pedir favores ao Benfica pode apitar impunemente um jogo desse mesmo clube e passar o jogo a roubar a seu favor. É obra e mostra uma sensação de impunidade tal que, a sério!, ultrapassa a minha compreensão. Isso e um Presidente do Conselho de Arbitragem escolher para um clube o árbitro que o presidente desse clube escolheu publicamente. Sim, o João pode ser.
E para o Setúbal – FC do Porto de amanhã, sr. Fontelas Gomes, qual é o padre que nos está reservado?

Karma is a bitch

não é, Benfica?

O Benfica é um Estado dentro do Estado

A vergonhosa actuação do árbitro Jorge Sousa e seus colegas no último FC do Porto – Benfica, provavelmente uma das mais vergonhosas da história de 83 anos do Campeonato Nacional de Futebol, foi apenas mais um episódio da palhaçada em que se transformou a modalidade em Portugal.
Não sei se Jorge Sousa é corrupto ou incompetente. Ou melhor, sei que é incompetente – uma miséria de árbitro. Se é corrupto ou apenas manipulável pela forma como o Benfica põe e dispõe da classificação dos árbitros nos últimos anos, isso já não sei.
Numa actuação completamente branqueada pela Comunicação Social, conseguiu roubar 2 grandes penalidades flagrantes ao FC do Porto, daquelas que não oferecem dúvidas, sobretudo depois de vistas na televisão – e anular, também ao FC do Porto, um golo perfeitamente limpo em que todos os jogadores estavam a ser postos em jogo, mas muito, por um jogador do Benfica.
Curiosamente, quem levantou a bandeirola, Álvaro Mesquita, é de Vila Real. Como também é de Vila Real Nuno Cabral, o «menino-querido» do Benfica. Ou Gonçalo Martins, o 4.º árbitro deste jogo e o inenarrável árbitro do Benfica – Portimonense desta época. Ou Tiago Pinto, o dirigente do Benfica que pontapeou a bola no FC do Porto – Benfica para atrasar a reposição do jogo. Coincidências?
Não, não é coincidência. Álvaro Mesquita fez de propósito. Sabia que ia ser golo, sabia que nenhum jogador do FC do Porto estava em fora-de-jogo (só se fosse cego) e que uma revisão da jogada em sede de VAR (vídeo-árbitro) ditaria a sua legalidade, logo, enveredou pela única solução possível: inviabilizar a jogada e impossibilitar o visionamento pelo VAR. Caso contrário, se houvesse dúvidas (que não havia), deixava seguir e a televisão decidiria.
Não teria sido necessário ser tão radical. No VAR, estava Hugo Miguel, ali colocado pelo consciencioso Fontelas Gomes. E todos sabemos como Hugo Miguel decidiria. Decidiria como decidiu nas 2 grandes penalidades flagrantes não marcadas: a favor do Benfica.
Hugo Miguel, relembre-se, é o árbitro que, há pouco tempo, no Facebook, em alusão ao FC do Porto, disse que «gosto tanto de os ver provar do próprio veneno». É o árbitro que viu no recente Rio Ave – Benfica uma grande penalidade que mais ninguém viu quando o Benfica estava a perder, mas que, no mesmo jogo, não conseguiu ver uma selvática agressão do jogador Pizzi com o jogo parado. Uma agressão selvática mesmo à sua frente – ele estava a olhar!
Que a Comunicação Social tendenciosa e vendida queira equiparar isto tudo a um cartão amarelo não mostrado ao jogador Felipe por uma falta dura, enfim, é mais do mesmo.
Ao fim destas 2 semanas, em que o FC do Porto estaria com 8 pontos de avanço sobre o Benfica se não tivesse sido escandalosamente roubado através de 2 arbitragens incríveis, percebemos melhor as declarações de Luís Filipe Vieira na Assembleia-Geral do Benfica. «Não vamos abdicar da conquista do penta. É o que está pré-estabelecido». Ou aquela frase segundo a qual o Sporting este ano não vai ganhar nada – já se percebeu que esses vizinhos da 2.ª Circular serão as próximas vítimas logo que for preciso – e vai ser já em Janeiro.
Realmente, está tudo pré-estabelecido. Há muito. E está tudo pré-estabelecido porque, de uma forma ou de outra, está tudo comprado. De uma forma ou de outra e de uma ponta à outra.
Parabéns ao Benfica. É assim que gostam de ganhar? Que bom. Podem encomendar as faixas.

[Read more…]

Ortografia à bruta

Deus morreu, Marx também e o Benfica não se sente muito bem, diria Woody Allen, se fosse benfiquista e não hipocondríaco. O atropelamento sofrido pelo clube da Luz em Basileia deixou sequelas e o facto de Rui Vitória ter interrompido inopinadamente uma conferência de imprensa pode ser uma manifestação dessa dor, porque, na verdade, é difícil articular quando se está magoado.

Sendo eu benfiquista, ou por ser benfiquista, como qualquer adepto de qualquer clube, tenho sempre a secreta esperança de que amanhã tudo pode melhorar e lembro-me de derrotas copiosas que até acabaram em campeonatos. Enfim, a esperança é a última a morrer, enquanto for matematicamente possível, não podemos baixar os braços e temos de levantar a cabeça. [Read more…]

Os gays

Depois dos Ciganos e dos Pretos, André Ventura vai atirar-se aos gays.

58,3% considera que há tráfico de influências ou corrupção activa no caso dos emails do Benfica

diz o mais recente estudo da Eurosondagem.

Causa e consequência?

Ainda a propósito das viagens.
Em Maio de 2014, António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, recebeu como prenda uma viagem a Turim, Itália, oferecida por uma empresa de Lisboa cotada em Bolsa.
Em Fevereiro de 2015, 8 meses depois, a Câmara Municipal de Lisboa a que António Costa presidia perdoou quase 2 milhões de euros em impostos a essa empresa .

O Partido Comunista ao serviço dos capitalistas

 

 

 

 

 

 

 

Há uns anos, ninguém diria que um dia o Partido Comunista Português iria ser um mero serventuário dos mais ferozes capitalistas portugueses.
Mas é verdade. Afinal, de suportar um Governo com políticas de Direita até apoiar capiltalistas, vai um pequeno passo. É uma questão de hábito.

Ontem, o Partido Comunista Português decidiu declarar o seu apoio a capitalistas condenados que devem milhões a um Banco cujo resgate foi e será pago por todos nós, contribuintes.
A presença da deputada Rita Rato no beija-mão ao presidente do Benfica vincula todo um Partido.
É que o presidente do Benfica não deixou falir um restaurante. O presidente do Benfica deve 500 milhões de euros. O PCP sente-se confortável com isso.
No fundo, não é surpreendente. De um Partido que disse não acreditar que houvesse ditadura na Coreia do Norte, não é de espantar. De uma deputada analfabeta que desconhece os gulag, também não.
E quanto ao tráfico de droga na Guiné-Bissau, nada a dizer?

«A ideia de não aparecer-mos»?

Efectivamente, “de não aparecer-mos“.

O Ministério Público tem clube?


A julgar pelo que vem publicado no «Diário de Notícias», o Ministério Público tem clube e usa 2 pesos e 2 medidas conforme a entidade que estiver em causa. Ao que parece, todos os mails revelados por Francisco J. Marques já estão no Ministério Público há muito tempo, mas ninguém fez nada. Diz o jornal que «nenhuma diligência foi solicitada, nem foi agendada alguma reunião para definir uma estratégia de investigação».
Aliás, uma das teorias em circulação é a de que terá sido uma fonte da PJ, descontente com o desinteresse do Ministério Público, a passar a Francisco J. Marques os mails incriminatórios.
Eu sei que o Benfica tem muitos adeptos, são a maioria. Sei que Luís Filipe Vieira é multimilionário e extremamente poderoso – tão poderoso que tem dívidas de 500 milhões de euros que irão ser pagas sabemos nós por quem. Sei que as principais instituições políticas e desportivas do país têm benfiquistas no comando. Mas isso iliba o Ministério Público de actuar quando é o Benfica que está em causa? Isso permite ao Ministério Público assobiar para o lado e meter numa gaveta provas ou pelo menos indícios de vários crimes?
Sim. Pelos vistos, sim.
Quando foi o Porto, o Ministério Público não vacilou. Inquérito, escutas (ilegais), acusação, julgamento. Mas só para o Porto. Convenientemente, as escutas foram colocadas no youtube, mas só algumas. As escutas a Luís Filipe Vieira não. Parece que não interessava…
E afinal, à beira do actual caso de corrupção relacionado com o Benfica, o «Apito Dourado» foi uma brincadeira de menin@s. [Read more…]

«Apenas quero ser um menino querido para vocês e fazer bem o meu trabalho e que o homem confie em mim»

Mail de Nuno Cabral, Delegado da Liga de Clubes, para Luís Filipe Vieira, Presidente do Benfica, e Paulo Gonçalves, assessor jurídico do mesmo clube (Março de 2014)


Digam lá que não tem cara de menino querido?

Hugo Miguel: Estaremos atentos às missas deste padre!

Árbitro Hugo Miguel no Facebook durante um programa da TVI em que se debatia a alegada rede de corrupção montada pelo Benfica na arbitragem. O post foi publicado no momento em que o representante do FC do Porto se queixava desse esquema de corrupção e foi posteriormente apagado. A conta no Facebook foi encerrada.

“Vamos ter os padres que escolhemos e ordenámos, nas missas que celebramos, temos é de rezar e cantar bem»


Tradução do Google para corruptos totós: «Vamos ter os árbitros que nós próprios colocámos no lugar onde estão, nos nossos jogos, temos é de jogar bem».
E a Federação, não faz nada?

Quem é o Primeiro-Ministro?


Perguntem à Maria José Morgado

Rumo ao P3n7a

Foto slbenfica.pt

No arranque da última época desportiva fiz, aqui no Aventar, a previsão de que o Sport Lisboa e Benfica iria chegar ao Tetra.

Dizia, nesse texto, que para se ser campeão é necessário:

– ter mais de 81 pontos: o Sport Lisboa e Benfica marcou 82 (76 para o 2º classificado),

– marcar 80 golos: o tetra campeão marcou 72, (2º classificado: 71)

– sofrer 20 golos: a equipa de Rui Vitória sofreu 18, (2º classificado:19)

– vencer 27 ou 28 jogos: as vitórias do Campeão foram 25 (2º classificado: 22).

Os números deste campeonato estão em linha com os dos últimos anos. O campeão nos oito últimos títulos (5 do Benfica e 3 do Porto) tem uma taxa de sucesso acima dos 80%, enquanto o tetra do Porto que os antecedeu tinha uma percentagem entre os 76 e os 78% e com os adversários muito longe. Nos anos do tetra azul, a diferença média para o segundo foi superior a 7%, enquanto o tetra Vermelho teve uma proximidade maior (4%) para os segundos classificados. [Read more…]