Com o Garrett ninguém se mete

Stefano Martignano, Padova_01 (https://bit.ly/2FB6X96)

Tenho estado tanto tempo à espera da tua voz
Para receitar-te campo e umas águas com gás
Conversas monolexicais deixam-nos sós
A ver insectos no banco de trás
—Johnny Garrett, Patient’s sunrise

***

E lá vou eu a caminho do gabinete do meteorologista, no quinto esquerdo do edifício cinzento. Fica ali para as bandas do cemitério, perto das antigas casernas, ao pé do velódromo. Não preciso do weather man para saber do que lado sopra o vento, já dizia o Bob Dylan, mas no emprego pediram-me um atestado a comprovar a minha depressão sazonal crónica, por isso, neste preciso momento, um meteorologista dá-me imenso jeito e faz-me muita falta. Encontrei este, por acaso, nas páginas amarelas cá do sítio. Chego ao edifício cinzento. Não há vivalma nas redondezas. Apanho o elevador com mau aspecto, chego ao quinto esquerdo e dou de caras com uma magricela um bocado pespineta. “Diga”, rosna-me ela. “Tenho consulta com o técnico, o meteorologista, sff”. Ela franze o sobrolho e tira-me as medidas. “O senhor doutor está ocupado com um poema. Mas pode atendê-lo. É só um bocadinho”. A pespinetazeca de tamanho meia-dose dá dois macérrimos murrinhos na porta, abre-a, troca o olhar cúmplice da praxe visto em tantos filmes de domingo à tarde e dá a ordem: “pode entrar”, diz-me ela, com um sorriso forçado, naquela cara de Helga Geerhart das casernas ali ao lado do velódromo. O senhor doutor do quinto esquerdo do edifício cinzento põe os óculos na ponta do nariz e dá-me as boas-vindas. “Bem-vindo. Estou aqui a acabar o poema, já o atendo”. [Read more…]

Fenómenos meteorológicos extremos

De acordo com a nova tipologia “Calvão da Silva“.

Notícias de Última Hor(t)a

climaKing’s College London, a Harvard Business School e as restantes sete universidades da Ivy League acabam de acrescentar aos curricula dos respectivos MBAs e Doutoramentos de Economia, Finanças e Negócios uma “cadeira” de Meteorologia e Investimento, anual e obrigatória.

Depois de ouvirem Gaspar, hoje de manhã, os Reitores foram unânimes no reconhecimento da indispensabilidade do profundo conhecimento deste tema para o exercício futuro de funções ao mais alto nível, quer da Governação, quer da Governança.

Destaque ainda para o lugar central que o Borda d’Água adquiriu nas Bibliografias obrigatórias dos mais ambiciosos. Em resultado, a vetusta publicação esgotou de imediato na Distribuição, constituída sobretudo por invisuais, amblíopes e romenas com dois filhos pela mão e outro ao colo.