Esquerda radical?

Existe uma crise cuja raiz está na desregulação de mercados e nas ligações cúmplices entre o poder financeiro e o poder político. Essa crise tem sido gerida – é o termo – por governos de centro-direita sempre muito pragmaticamente adversos às ideologias, mesmo que finjam o contrário e mesmo que se finjam o contrário (por exemplo, quando não estão no governo). A gestão dessa crise tem-se baseado em medidas consideradas inevitáveis e que têm provocado o empobrecimento, o desemprego, a precariedade, enfim, têm tornado pior a vida dos cidadãos.

Ninguém esconde que a solução esteja na austeridade, mas barrosos, merkeis e outros defendem a austeridade pura e simples, colocando as questões macroeconómicas acima da vida das pessoas. Mais radical do que isto só se se defender, frontalmente, o fim da democracia. Para isso, já não falta quase nada e podemos dar como exemplo as reacções musculadas da direita ao exercício da greve ou a criminalização dos funcionários públicos como raça responsabilizada pela crise. [Read more…]

Cavaco, Passos e Gaspar – a diversão de mau gosto

A imprensa portuguesa, infelizmente de forma generalizada, está a lançar na opinião pública uma polémica infundada, centrada à volta de virtuais problemas de relacionamento entre Cavaco Silva e o governo de Passos Coelho. Vítor Gaspar personifica as  divergências – Belém apressou-se a desmentir  desentendimentos.

O que está em causa, e a agenda da cimeira europeia de hoje é prova inequívoca, é entender-se de uma vez por todas que o modelo de austeridade adoptado, sob a batuta da ‘troika’, com FMI à cabeça e o governo a dilatá-lo, além de não resolver a crise do país, é factor de agravamento.

As medidas em aplicação, e de que o monetarista Gaspar é ortodoxo defensor, levaram-nos e levam-nos a resultados como aqueles abaixo enunciados:

1. Consumo Público caiu 3,2% em 2011, estimando a CE que, em 2012, a quebra será de 6,2%;

2. O Consumo Privado em 2012 descerá 5,9%, segundo previsão igualmente da CE.

As exportações, por muito que o governo declare o inverso, não compensarão estas reduções da actividade económica interna. Grande número de lojas, indústrias, fornecedores de serviços e o próprio Estado estão a registar quebras de receitas.

Da austeridade, não se espere resultado diferente do agravamento da crise. O crescimento económico e do emprego, aflorados agora à pressa e sem determinação na cimeira europeia, constitui um caminho que, em boa verdade, não consta do roteiro dos líderes europeus com poder de decisão (dispenso-me de citar nomes).

(Notícias de hoje: o Índice PS-20 caiu 2,45%, os juros da dívida soberana subiram e Financial Times sugere que a UE pondera já um segundo pacote de ajuda a Portugal – Tudo boas novidades. Continuemos em austeridade!).