O relevante facto da irrelevância do Acordo Ortográfico

ptoi

Esta notícia, bem recebida “no mercado”, foi confirmada através de um comunicado à CMVM e de um Facto Relevante. Perdão, fato: Fato Relevante.

Quando Zeinal Bava, Nuno Vieira e Luís Pacheco de Melo tiverem tempo, expliquem-me, sff, como é que vão descalçar a bota dos ‘contactos’ e dos ‘factos’ presentes no comunicado. Gostaria imenso de conhecer a reacção dos parceiros da Oi a tais exotismos ortográficos.

Escusado seria repetir que “convém reflectir sobre a dimensão desagregadora do exercício AO 90, considerando os inúmeros casos em que no Brasil se conserva a grafia anteriormente comum, passando em Portugal a adoptar-se uma grafia obscura e exclusiva”.

Contudo, no comunicado à CMVM, temos “respetivas holdings assinaram”, “assumirão, respetivamente, o cargo”, “os respetivos passivos”, o respetivo relatório de avaliação (laudo)” e “o respetivo arquivamento”, embora, no Fato Relevante, apareçam “respectivas regiões de atuação”,  “respectivo laudo submetido”, “equivalentes a, respectivamente, R$ 5,8 bilhões”,  “respectivos direitos de prioridade”, “respectivas participações”, “respectiva eleição”, “assumirão  respectivamente“,  “respectivo valor patrimonial” — pronto, já chega.

Não, não chega: no Fato Relevante, temos “perspectivas e expectativas“, mas, no comunicado à CMVM, surgem perspetivas e expetativas“. Sim, expetativas e não expectativas  isto é, quando a semelhança aparece, recorre-se ao expediente desagregador.

Aguardo, confesso, com alguma expectativa, os próximos episódios desta telenovela da “unidade da língua portuguesa” e “[d]a sua universalização” ou da “unidade essencial da língua portuguesa” e do “seu prestígio internacional” — relativamente a este aspecto, a doutrina, aparentemente, divide-se.

Enquanto aguardo, com a tal expectativa,  aproveito para fazer uma pergunta que nada tem a ver com (orto)grafia: os clientes portugueses da CorpCo poderão aceder ou terão de acessar? Era só uma pergunta.

E dois pedidos de esclarecimento: convinha explicar quer o motivo de o significado de ‘laudo’ aparecer no comunicado à CMVM, quer a razão para surgirem “5,8 mil milhões de reais” no comunicado à CMVM e “R$ 5,8 bilhões” no Fato Relevante. Afinal de contas, não nos esqueçamos, está em causa a “unidade essencial”.

acessar

A televisão que nos tiraram

Luís António Santos, investigador no CECS – Universidade do Minho

Na pequena localidade onde costumo passar parte dos meus tempos de descanso, numa zona interior do distrito de Braga, há uma senhora de idade que, nos últimos meses, adotou uma nova rotina de vida. Depois de jantar, todas as noites, a Srª Augusta, lá arruma a cozinha, veste um agasalho, fecha a porta e percorre a pé umas quantas dezenas de metros a caminho da casa da vizinha para ver televisão.
Antes que surja a dúvida, não, este não é um qualquer texto repescado de um jornal da década de 1970. Hoje, em 2012, apesar de lhe terem vendido (no sentido figurado, mas também no sentido mais concreto) as “maravilhas” do novo serviço de TDT, a Srª Augusta, está mais mal servida do que estava antes.
O país, que somos todos nós, não devia ter permitido que isto acontecesse, sobretudo a pessoas como ela. Mas permitiu. Permitiu o país político – com responsabilidades repartidas por igual entre os dois principais partidos do chamado “arco da governação” – e permitiu quem, em nosso nome, tinha por missão principal assegurar que a (natural) ambição de uma empresa monopolista não se sobrepusesse ao interesse comum.
A Srª Augusta não está sozinha nesta sua mudança de rotinas. Está, aliás, na companhia de muita e muita gente a quem não adianta coisa nenhuma ouvir os responsáveis da ANACOM dizer que tudo foi feito dentro do estrito cumprimento da lei.
Isso sabe ela, coitada. E sabe também que as leis, “são eles que as fazem, para melhor se governarem”.
Que a Srª Augusta pode ser analfabeta, mas é “bem fina”, como só mulheres da sua idade conseguem ser.
O processo de implementação da TDT em Portugal foi um embuste social. E teve – na elaboração das leis, dos regulamentos, dos concursos, das adjudicações e das alterações subsequentes – a cumplicidade de dois grandes partidos com enormes responsabilidades. Tudo aconteceu como estava previsto. Mas tudo aconteceu da pior forma (do ponto de vista do planeamento da oferta, das responsabilidades financeiras pela transição e da negociação do que ficou a “sobrar” no espectro).
Há dias, uma tese de Doutoramento defendida na Universidade do Minho provou isto mesmo; provou, no fundo, o que a Srª Augusta sabe há muito.
Mas, em vez de ter despoletado reações de políticos ou de entidades com responsabilidade na investigação despoletou – por parte da empresa beneficiada, a PT, e só depois por parte da entidade reguladora – ameaças de processo crime contra o autor do detalhado estudo.
Dizer que ‘o rei vai nú’ ainda é muito difícil em Portugal. Deve ser porque somos uma ‘democracia jovem’. Só pode.
A Srª Augusta lá resolveu o seu problema da melhor forma que soube – sem a ajuda do Estado, como se habituou a fazer durante toda a vida.

Texto publicado originalmente aquiPetição pela liberdade de investigação académica.

Um “blogger” nas nuvens

Maquete do Data Center da Portugal Telecom

Ontem, em representação do Aventar, tive a oportunidade de participar no “Bloggers on the Cloud”. Não foi sem alguma apreensão que aceitei o convite: se, por um lado, sentia a natural curiosidade de conhecer pessoalmente outros bloggers, o ambiente parecia-me demasiado empresarial, por assim dizer, para que um homem de Letras não se sentisse deslocado. [Read more…]